• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.10.2010.tde-15122011-155309
Documento
Autor
Nome completo
Esther Lopes Ricci Adari Camargo
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2010
Orientador
Banca examinadora
Spinosa, Helenice de Souza (Presidente)
Gorniak, Silvana Lima
Ribeiro, Miriam Oliveira
Título em português
Estudo de neuroteratologia em ratos: efeitos da restrição alimentar e da monocrotalina
Palavras-chave em português
Efeitos Neurotóxicos
Intoxicação materna
Monocrotalina
Ratos Wistar
Restrição alimentar
Resumo em português
Os problemas causados pela exposição dos animais as plantas no Brasil data dos primórdios da colonização. Em particular, as plantas do gênero Crotalaria são encontradas em todo o mundo, distribuídas principalmente em áreas tropicais e subtropicais; tem como principal princípio ativo o alcalóide pirrolizidínico monocrotalina (MCT) encontrado nas suas sementes e partes aéreas. No presente trabalho foram avaliados tanto a toxicidade aguda da MCT, como os efeitos da exposição durante a gestação, a diferentes doses da MCT, sobre o desenvolvimento físico e neurocomportamental da prole de ratas. Além disso, foi estudado também os efeitos da restrição alimentar (RA) em ratas prenhes e em sua prole, uma vez dados anteriores do nosso laboratório mostraram que a MCT reduziu o peso corpóreo de ratos tratados por 14 dias. Assim, ratas Wistar foram submetidas à restrição alimentar, durante 6º ao 20º dia de gestação, recebendo 85, 60, 45 ou 30% do consumo médio diário de ração (100% = 22,75 g de ração). Os resultados mostraram que a RA: a) promoveu canibalismo materno dependente da intensidade da RA da mãe, sendo que no grupo de maior restrição (30%) nenhum filhote sobreviveu; b) causou redução do peso corpóreo da prole, sendo que este efeito foi observado a partir do 14º dia de vida nas proles proveniente de ratas com 45% de RA e aos 35 dias de vida nos filhotes oriundos de ratas dos grupos 60, 45 e 30% de RA; c) na avaliação do desenvolvimento físico da prole não foram observadas alterações entre os grupos, exceto no peso corpóreo da prole; d) na avaliação neurocomportamental foi observado apenas redução da atividade geral da prole, sendo este efeito dependente da intensidade da RA. A MCT (10, 30 e 100 mg/kg) administrada em dose única em ratos, ratas e fêmeas prenhes promoveu alterações nos escores de avaliação clínica dose-dependente e as fêmeas prenhes mostraram ser mais sensíveis ao efeito tóxico de MCT que as fêmeas virgens e machos. A exposição à MCT (1,0; 3,5 e 7,0 mg/kg) durante a gestação promoveu: a) redução do número de filhotes nascidos das mães que receberam 3,5 e 7,0 mg/kg, em relação às mães controles e pair-feeding (grupo que recebeu a mesma quantidade de ração consumida pelo grupo tratado com a maior de MCT); b) redução do peso corpóreo da prole do grupo que recebeu 1,0 e 7,0 mg/kg, a partir do 35º dia de vida; c) na avaliação do desenvolvimento físico da prole não foram observadas alterações entre os grupos, exceto no peso corpóreo da prole; d) na avaliação neurocomportamental foi observado apenas aumento do tempo de imobilidade, medido em campo aberto da prole de mães que receberam 3,5 e 7,0 mg/kg de MCT. Os presentes achados revelaram que a RA tem papel de pouca importância na toxicidade da MCT, mostrando não haver correlação íntima entre a perda de peso materno e desenvolvimento dos filhotes expostos a toxina e a RA. A inclusão do grupo pair-feeding parece ser importante quanto aos estudos de toxicidade do desenvolvimento, pois representam um controle dos aspectos nutricionais envolvidos no teste. Sugere-se também que nos protocolos de avaliação da toxicidade do desenvolvimento sejam incluídos estudos da interação mãe-filhote e do desenvolvimento tardio da prole exposta.
Título em inglês
Neuroteratology studies in rats: effects of feed restriction and monocrotaline
Palavras-chave em inglês
Feed restriction
Maternal intoxication
Monocrotaline
Neurotoxic effects
Wistar Rats
Resumo em inglês
The problems caused by the exposure of animals to plants in Brazil dates from the early days of colonization, in particular, plants of the genus Crotalaria. These plants can be found worldwide, mainly distributed in tropical and subtropical areas; its main active principle is the pyrrolizidine alkaloid monocrotaline (MCT), which is found in their seeds and aerial parts. In the present study it was evaluated the acute toxicity of MCT, as the effects of exposure during pregnancy and the different doses of MCT on the physical and neurobehavioral development of rat offsprings. In addition, we also studied the effects of feed restriction (FR) in pregnant rats and their offspring since previous data from our laboratory showed that the MCT decreased body weight of rats treated for 14 days. Thus, Wistar rats were subjected to feed restriction during the 6th to 20th day of gestation, receiving 85, 60, 45 or 30% of average daily feed intake (100% = 22.75 g diet). The data showed that RF: a) promoted maternal cannibalism dependent on the intensity of the RA's mother, knowing that the largest group of restriction (30%) no offspring survived, b) it reduced the body weight of offspring, but this effect was observed from day 14 of life in the offspring from rats with 45% FR and 35 days of life in the offspring of rats from groups 60, 45 and 30% of FR, c) in the assessment of physical development of offspring no changes were observed between groups, except the body weight of offspring, d) neurobehavioral evaluation was observed reduction only in the general activity of the offspring and this effects being dependent on the severity of RA. The MCT (10, 30 and 100 mg / kg) administered as a single dose in rats and pregnant rats caused alterations in the scores of clinical dose-dependent and pregnant females were shown to be more sensitive to the toxic effects of MCT than virgin females and males. Exposure to MCT (1.0, 3.5 and 7.0 mg / kg) during pregnancy promoted: a) reduction on the number of pups born of mothers who received 3.5 and 7.0 mg / kg when compared to mothers and controls pair-feeding (group received the same amount of feed consumed by the group treated with the highest MCT), b) reduction of body weight of offspring of the group that received 1.0 and 7.0 mg / kg from the 35th day of life, c) on the evaluation of the physical development of offspring no changes were observed between groups, except the body weight of offspring, d) on neurobehavioral evaluation it was observed increase of immobility only in the time. These were measured on the open field of the offspring of mothers who received 3.5 and 7.0 mg / kg MCT. The present findings revealed that RA has a minor role in the toxicity of MCT, showing no close correlation between maternal weight loss and development of offspring exposed to toxin and RA. The inclusion of the pair-feeding group appears to be important when regards the toxicity studies of development, knowing that this can represent a control of the nutritional aspects involved in the test. It also suggest that in the protocols of toxicity development evaluation be included studies of mother-cub and the late development of offspring exposed.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2012-08-16
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.