• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Mémoire de Maîtrise
DOI
10.11606/D.10.2012.tde-02082013-164526
Document
Auteur
Nom complet
Daniel Bernardes Calvo
Adresse Mail
Unité de l'USP
Domain de Connaissance
Date de Soutenance
Editeur
São Paulo, 2012
Directeur
Jury
Lucas, Sílvia Regina Ricci (Président)
Brandão, Leonardo Pinto
Fernandes, Wilson Roberto
Titre en portugais
Estudo das concentrações de proteína C-reativa sérica e liquórica em cães com epilepsia idiopática
Mots-clés en portugais
Animais
Convulsão
Líquor
Proteínas
Sérica
Resumé en portugais
A epilepsia compreende um grupo de alterações neurológicas frequentes em humanos e animais, caracterizada pela ocorrência periódica de crises convulsivas. A causa do processo pode ter várias origens sendo necessária a realização de exames complementares para o diagnóstico definitivo. A análise de biomarcadores, em especial as proteínas de fase aguda, como a proteína C-reativa (PCR), auxilia na identificação de doenças neurológicas inflamatórias e infecciosas, já que após serem produzidas pelo fígado conseguem atingir o tecido danificado e ter suas concentrações elevadas rapidamente na circulação. A concentração de PCR está diretamente relacionada à resposta de fase aguda, independentemente da origem ou natureza do estímulo, podendo ser um processo inflamatório, infeccioso ou até mesmo de origem neoplásica. Embora a PCR tenha sido estudada e monitorada em pacientes com as mais variadas doenças, até o momento não foi determinada a presença de PCR no soro e líquor de cães com epilepsia idiopática. O objetivo deste estudo foi avaliar as concentrações de PCR no líquor e soro de cães apresentando epilepsia idiopática e verificar se essa protéina pode ser utilizada como biomarcador para auxiliar no diagnóstico da doença. Para tanto foram compostos três grupos. O primeiro, denominado A, com 23 animais clinicamente normais; o segundo denomindo B, composto por 17 cães manifestando convulsão em até 24 horas anteriores ao momento da coleta de mateiral; e o terceiro denominado C, com 16 cães apresentando convulsões de 24 horas até 120 horas antecedendo o momento da coleta do líquor e do soro. Foram mensuradas as proteínas totais séricas e realizadas as eletroforeses, além da análise do líquor e tomografia computadorizada. Animais com alterações estruturais detectadas na tomografia foram excluidos do estudo. As concentrações de PCR séricas foram avaliadas por meio da técnica ELISA utilizando-se kit comercial Tridelta Development Ltd, espécie específico. Além desta avaliação, os grupos B e C foram alivados quanto à concentração de PCR no liquor. Os resultados foram analisados pelo teste de Kruskal Wallis, seguido pelo teste de Dunn, enquanto para eletroforese e análise de PCR no líquor utilizou-se teste T não pareado. Não houve diferença significante em relação à eletroforese de proteínas séricas nos três grupos, assim como não se observaram alterações na análise do líquor nos grupos B e C. As concentrações séricas de PCR em cães normais variaram níveis não detectáveis a 6,36 µg/mL, com média de 0,98 µg/mL. As concentrações séricas nos animais do grupo B variaram de 1,04 µg/mL a 5,03 µg/mL, com média 2,14 µg/mL, enquanto no grupo C as concentrações foram de níveis não detectáveis a 1,9 µg/mL com média 0,51 µg/mL. A análise estatística demonstrou diferença significante entre os grupos sendo a média do grupo B superior aos demais (p= 0,0002). As concentrações liquóricas de PCR foram muito baixas quando comparadas àquelas observadas em cães com afecções inflamatórias e infecciosas e não foram em sua maioria detectáveis no líquor quando o período entre a convulsão e a coleta foi superior ao período de 24 horas. Concluiu-se que as convulsões associadas à epilepsia idiopática promovem uma resposta de fase aguda caracterizada pelo aumento de PCR sérica e liquórica nas primeiras 24 horas e que essas concentrações decaem após esse período, podendo estar associadas à liberação de mediadores inflamatórios no SNC e às contrações musculares. Assim sendo, a PCR sérica pode ser utilizada como um biomarcador para diferenciar a epilepsia idiopática de outras causas de convulsão. A técnica ELISA para análise de PCR no líquor, pode se somar às outras análises liquóricas, necessitando ainda de validação.
Titre en anglais
Study of C-reactive protein concentrations in serum and cerebrospinal fluid in dogs with idiopathic epilepsy
Mots-clés en anglais
Animals
Cerebrospinal fluid
Protein
Seizure
Serum
Resumé en anglais
Epilepsy is a group of neurological disorders of humans and animals characterized by recurrent seizures. Epilepsy can have a number of causes and some complementary tests can help with a precise diagnosis. Biomarkers analysis, in special acute protein phase such as C reactive protein (PCR) can help identify inflammatory and infection neurological disease. Acute phase proteins are produced by liver and reach damaged tissue increasing blood concentration. Today studies show that increases in the PCR blood concentration is related to acute inflammatory response independent of mint, whether it is inflammatory, neoplastic or infection. Although PCR has been studied in many diseases, in special neurological disorder followed or not by seizures, until now PCR has not been founded in blood or liquor of dogs with idiopathic epilepsy. The purpose of this study is to evaluate PCR concentration in blood and liquor of patients with idiopathic epilepsy and verify if the protein can be considered a biomarker to help its diagnose. The study has 3 groups. The first named control group A, with 23 healthy animals, the second named B with 17 dogs that have had seizures within 24h, and the third named C with 16 dog that have had seizures after 24 to 120 hours from blood or liquor collection. The investigation is based on analyzing total protein and electrophoretic protein profile, liquor analysis and tomography. Patients with structural brain damages detected by tomography were excluded from the study. In the control group PCR concentration were analyzed by ELISA method and kit Tridelta Development Ltd, species specific. In groups B and C were also procedure PCR analyses in liquor sample. The results were analyzed by the Kruskal Wallis test and the Dun test, while electrophorese and PCR of liquor where analyzed by the T test not parried. There was no significant difference in electrophorese in the three groups and there were not found alterations in the liquor analyzes of the groups B and C. PCR blood concentration in healthy dogs vary between not detectable values to 6,36mcg/ml, with an average of 0,98mcg/ml. Blood concentrations from animal of group B vary from 1,04 mcg/ml to 5,03, with and average of 2,14mcg/ml. Meanwhile in group C blood concentration values were from not detectable to 1,9 mcg/dl, with an average 0,50 mcg/ml. Statistic analyses show significant difference between groups. Group B average was higher (p=0,0002). PCR liquor concentration was lower to those found on dogs with inflammatory infection diseases and the majority were not detectable in the liquor when the sample has been collected after 24 hours from the seizures. It is able to conclude that seizures associated with idiopathic epilepsy promote an acute phase response characterized by an increase of blood and liquor PCR concentrations within 24 hours, and after this period PCR concentrations declined due to the liberation of inflammatory mediators by the CNS and muscle contractions. Therefore blood can be used as a biomarker to differentiate idiopathic epilepsy from other seizures causes. The ELISA technique for PCR liquor analysis still needs to be validated.
 
AVERTISSEMENT - Regarde ce document est soumise à votre acceptation des conditions d'utilisation suivantes:
Ce document est uniquement à des fins privées pour la recherche et l'enseignement. Reproduction à des fins commerciales est interdite. Cette droits couvrent l'ensemble des données sur ce document ainsi que son contenu. Toute utilisation ou de copie de ce document, en totalité ou en partie, doit inclure le nom de l'auteur.
Date de Publication
2013-10-09
 
AVERTISSEMENT: Apprenez ce que sont des œvres dérivées cliquant ici.
Tous droits de la thèse/dissertation appartiennent aux auteurs
Centro de Informática de São Carlos
Bibliothèque Numérique de Thèses et Mémoires de l'USP. Copyright © 2001-2020. Tous droits réservés.