• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Master's Dissertation
DOI
https://doi.org/10.11606/D.11.2019.tde-20191218-115757
Document
Author
Full name
Carla Castro Salomão
Institute/School/College
Knowledge Area
Date of Defense
Published
Piracicaba, 1990
Supervisor
Title in Portuguese
Sistemas de plantio direto e convencional: um enfoque de análise de decisão
Keywords in Portuguese
LUCRO
PRODUTIVIDADE
ROTAÇÃO DE CULTURAS
SISTEMAS DE PLANTIO
Abstract in Portuguese
O fato de se ter pouca informação ou experiência sobre determinada prática, dificulta sua utiIização por parte dos agricultores, que não conseguem enxergar as mesmas vantagens comparativas reconhecidas pelos, técnicos, o risco, ao qual a atividade agrícola está fortemente exposta, se encontra diretamente envolvido neste processo. Seria desejável que pacotes tecnológicos novos estivessem baseados em modelos econômicos que levem este aspecto em consideração, enriquecendo a análise e permitindo o melhor entrosamento da pesquisa com as necessidades do agricultor. O sistema de pIantio direto, sendo uma técnica bastante revolucionária. ilustra bem este problema, pois exige grandes mudanças na organização do trabalho e do emprego dos fatores de produção, na propriedade agrícola. É preciso que o responsável pelas decisões esteja ciente e disposto a se adaptar à nova realidade. Consiste basicamente na semeadura sobre restos da cultura anterior, com movimentação do solo apenas no sulco onde são depositadas as sementes. O restante da área permanece com o solo protegido pelos restos vegetais, dessecados pelos herbicidas de pré-plantio com o objetivo de comparar o desempenho, medido pelos lucros e riscos, do plantio direto e convencional ( 1 aração e 2 gradagens), utilizou-se um ensaio de longa duração (12 anos) do Instituto Agronômico do Paraná – Iapar, que está sendo desenvolvido na estação experimental de Londrina. Foram escolhidas as rotações A (soja x trigo), B (milho x trigo) e D (soja x trigo x milho), submetidas aos dois sistemas de plantio, por serem as mais comuns na região do experimento. Como instrumento da análise, utilizou-se os métodos de média-variância e dominância estocástica, da Teoria da Decisão. Os principais riscos da atividade agrícola (clima e mercado) estiveram representados na equação de lucro (receita-custo), através das informações de preços mensais e da produtividade de cada safra. Os resultados mostram que a melhor alternativa foi a rotação das 3 culturas sob plantio direto. Esta escolha foi comum a ambos os critérios de seleção. Isto mostra que a dominância estocástica de 2º grau foi equivalente à média-variância (ANDERSON et alii, 1977). O poder de discriminação foi de 100% nos dois critérios, pois apenas uma alternativa foi indicada, entre as 6 apresentadas. As maiores produtividades da soja, milho e trigo. foram obtidas com o plantio direto, em níveis que variam conforme a rotação adotada, com melhor desempenho da rotação D. A rotação soja x trigo (A) trouxe prejuízos nos dois sistemas de plantio, com perdas de 70,83 OTN/ha a mais no plantio direto. Nas demais, as vantagens do plantio direto corresponderam a 29,35 OTN/ha e 49,17 OTN/ha respectivamente nas rotações B e D. Os principais componentes do custo para o plantio convencional foram em ordem decrescente de valor, o uso da terra (AL), a adubação (AD), a semeadura (SE) e o controle de plantas daninhas (PD), sendo este último, o 2° na escala do plantio direto, com o dobro de sua participação em relação ao plantio convencional, significando de 85% a 169% a mais de dispêndio. O plantio direto mostrou desempenho superior em anos climaticamente desfavoráveis (secas), para as produtividades das três culturas, sob qualquer rotação. De modo geraI, as produtividades caíram no último período do estudo (1984/1988), tanto para o plantio direto quanto para o convencional. Talvez isso possa ser explicado pela queda na capacidade produtiva do solo, no plantio convencional, e o seu nocivo adensamento. no plantio direto. Estes resultados refletem as condições específicas do estudo em questão, além do que, por tratar-se de um ensaio experimental, revestem-se de características distintas das encontradas numa situação de produção comercial. Por outro lado, a obtenção de informações seguras, ao longo de vários anos, e, permitindo maior riqueza na análise dos resultados apresentados. A estrutura de preços e o comportamento das produtividades no horizonte do estudo mostraram que o sistema de plantio direto requer o acompanhamento técnico cuidadoso para ser bem sucedido, através de providências tomadas antes e durante a sua implementação e uso. A escolha da sucessão de culturas foi de grande importância, pois tanto o melhor quanto o pior resultado aIcançado, foram sob o mesmo sistema de planto (direto), diferindo apenas na rotação (D ou A). Outros estudos são necessários para maiores informações sobre o plantio direto, com ênfase no comportamento das produtividades sob as diferentes condições de solo, clima e rotações de culturas praticadas, a utilização de herbicidas e manejo no controle de ervas e economia dos recursos aplicados (solo, capital, tempo, mão-de-obra etc.). Seria interessante a comparação entre os sistemas de plantio, a nível de propriedade agrícola. A dificuldade para isto se encontra na obtenção de dados confiáveis, que cubram um horizonte de anos razoável, para maior segurança na recomendação dos resultados alcançados.
Title in English
Not available
Abstract in English
The lack af farmer information or experience restrain him from seing the same advantages proclaimed by the researchers about some new techniques. This process is straightly related to a different sort of risk, that should be considered in all economic analysis providing results that could better fit the needs of the producers. No-till is a revolutionary planting system and a good illustration for the exposed process. It involves a completely different allocation of resources and administration of work. The decision makers must b have this in mind if they want to deal with this new technique. It consists on no seed bed preparation except that done by the planter. The growing weed and residues of former crop are controlled by herbicides and keep protecting the soil from raindrops, sun and wind. Data from a twelve year field experiment in the Agronomic Institute of Parana - Iapar, were used to compare risks and long run profit of no-till to conventional tillage. Among the crop succession submitted to both planting systems, three were chosen because of their frequent use in the region. These are soybean x wheat (A), corn x wheat (B) and soybean x wheat x corn (D). This study dealt with two criteria of evaluation for decision under uncertainty: E-V Analysis and Stochastic Dominance. Environmental and market-related risks are present in the profit equation through anual productivity and monthly prices of inputs. The results pointed rotation D (soybean x wheat x corn) under no-till system as the best alternative, despite of the method utilized in evaluating risk. This shows verify the equivalence of these two mathematic instrumental (ANDERSON et alli, 1977). Only one alternative was recommended among the six available, showing an discriminatory power of 100%. No-till offered the highest productivity for all crops, with better performance under crop rotation D. Rotation A showed negative results under both systems of production with a loss of 70,83 OTN/ha under conventional tillage longer then the no-still system. For rotation B the advantage of no-till was of 29,35 OTN/ha reaching 49,17 OTN/ha under rotation D. The scale-up for the key components of costs in conventional cropping are land use (AL), fertilization (AD), seedling (SE) and weed control (PD). The no-till scale is identical with weed control is second place with double weight, meaning 85% to 169% more of expenditure. No-till showed superior performance in hard weather conditions for all crops and rotations. In general, productivity felI down in the last period (1984/1988) in no-till and conventional tillage.This may be happening due to the soil distressing under conventional tillage and the harmful soil compactation on no-till system. This reflects the particular conditions of this study, unlike the ones we found in a commercial production site. On the other hand, safety informations all over this long period and the consideration of the principal agricultural risks enriches the analysis and brings it close to the producers needs. Price structures and productivity behavior along the focused period proved that the no-tillage copping system requires management skills and technical assistance to be successful. Both, the best (crop rotation D) and the worst (crop rotation A) results were found under no-till system, showing the importance of a proper choice of a sequence of crops. Other studies are necessary for broader information about no-tillage system, mainly concerning productivity under different soils and climate conditions, crop rotation influence, herbicides use and resources economy. Data from farms actual with different tillage systems would be helpful for a worthy comparison. Problems with a long period of proper farm data information could turn it too hard to be found.
 
WARNING - Viewing this document is conditioned on your acceptance of the following terms of use:
This document is only for private use for research and teaching activities. Reproduction for commercial use is forbidden. This rights cover the whole data about this document as well as its contents. Any uses or copies of this document in whole or in part must include the author's name.
Publishing Date
2019-12-19
 
WARNING: Learn what derived works are clicking here.
All rights of the thesis/dissertation are from the authors
CeTI-SC/STI
Digital Library of Theses and Dissertations of USP. Copyright © 2001-2021. All rights reserved.