• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
https://doi.org/10.11606/D.11.1982.tde-20220207-204923
Documento
Autor
Nome completo
Gilberto Pozar
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Piracicaba, 1981
Orientador
Título em português
Interação da arquitetura da planta e espaçamento na produtividade do milho (Zea mays L.)
Palavras-chave em português
DENSIDADE DE PLANTIO
ESPAÇAMENTO
MILHO
PRODUTIVIDADE
Resumo em português
O presente trabalho teve por objetivo avaliar os efeitos da inclinação das folhas de milho (Zea mays L.), sobre a produção de grãos e o índice de espigas. Foram empregadas três populações de porte alto, de mesma base genética, porém, contrastantes quanto à orientação de suas folhas: a. população com folhas "normais", caracterizando-se por apresentar as folhas flácidas e orientadas horizontalmente; b. população com folhas "sem lígula", obtida pela introdução dos genes "liguleless-2" e "Liguleless-3", caracteriza-se por apresentar as folhas orientadas verticalmente, inseridas no colmo à um ângulo agudo; e c. população com folhas "espetadas", caracterizando-se por apresentar as folhas erectas e rígidas em todo o seu comprimento, porém, inseridas no colmo à um ângulo normal. Foram utilizados quatro espaçamentos entre linhas: 0,60, 0,80, 1,00 e 1,20 metros com 0,20 metros entre plantas em todos os espaçamentos. Duas cultivares comerciais, o Piranão e o e 5005-M, foram incluídos nos ensaios com a finalidade de se avaliar o potencial de produtividade das três populações em estudo. Os resultados relativos ao caráter índice de espigas indicaram que entre as três populações, os índices médios de espiga das populações com folhas "sem lígula" e "espetada" foram iguais (0,76), porém, significativamente maiores que a da com folhas "normais" (0,63), no espaçamento de 0,60 metros. Com o aumento do espaçamento entre linhas, entretanto, essas diferenças tornaram-se gradativamente menores. Assim, no espaçamento de 0,80 metros, os índices médios de espiga foram 0,91, 0,87 e 0,83 e no espaçamento de 1,00 metro foram de 0,94, 0,91 e 0,93 para as populações com as folhas "sem lígula", "espetada" e "normal", respectivamente. Nenhuma dessas diferenças foram significativas. Esses resultados indicam que a orientação das folhas numa posição mais vertical foi efetiva em promover uma diminuição no número de plantas estéreis com a diminuição do espaçamento entre linhas. Com relação ao caráter produção de grãos, os resultados mostraram que a população com folhas "sem lígula" foi superior à população com folhas "normais" em 17,5% e 2,0%, nos espaçamentos de 0,60 e 0,80 metros, respectivamente. Já a população com folhas "espetadas" produziu 5,8% mais e 17,7% menos grãos que a população "normal", respectivamente, nesses espaçamentos. No espaçamento de 1,00 metro, no entanto, a população com folhas "normais" produziu 17,2% e 21,1% em relação às populações com folhas "sem lígula" e "espetada", respectivamente. Não se detectou significância para nenhuma dessas diferenças. A interação das três populações com espaçamento não foi, porém, significativa. Os espaçamentos afetaram significativamente a produção de grãos. As respostas para produção de grãos das três populações à variação do espaçamento entre linhas, entre tanto, foram diferentes. A população com folhas "espetadas" respondeu linearmente ao aumento do espaçamento. A população com folhas "normais" obteve uma resposta quadrática. A população com folhas "sem lígula" não respondeu significativamente à variação no espaçamento. Esses resultados indicam a importância da inclinação vertical das folhas em promover uma maior tolerância à diminuição do espaçamento entre linhas e/ou aumento da densidade de plantio, salientando a importância dessa característica na seleção de genótipos mais tolerantes a plantio densos.
Título em inglês
Interaction of plant architecture and row spacing on grain yield of maize (Zea mays L.)
Resumo em inglês
The present work was conducted to evaluate the influence of leaf orientation on grain yield and prolificacy in maize (Zea mays L.). Three populations of normal (tall) plant height were used from the same genetic origin, but contrasting in relation to leaf orientation: a. population with "normal" leaves, caracterized by having flaccid leaves and horizontal leaf orientation; b. population with "liguleless" leaves obtained by introducing the "liguleless-2" and "Ligule-less-3" genes caracterized by presenting a vertical leaf orientation, and the insertion at the stalk in an acute angle; c. population with stiff leaves (espetada), caracterized by presenting erect and stiff leaves in their entire length, inserted at the stalk in a normal angle. Four row spacing were used: 0.60, 0.80, 1.00 and 1.20 m with 0.20 m between plants within all row spacings. Two commercial cultivars, Piranão and C 5005-M, were included in the trials as checks for productivity. The results showed that among the three populations the average number of ears per plant for "ligule-less" and "espetada" populations were equals (0.76) but significantly greater than for "normal" leaves (0.63) in the 0.60 m spacing. By increasing the row spacing, however the differences became smaller. So, for row spacing of 0.80 m the mean number of ears per plant were 0.91, 0.87 and 0.83 and for 1.00 m were 0.94, 0.91 and 0.93 for the "liguleless", "espetada" and "normal", populations respectively. No one of the differences were significant. These results indicate that vertically oriented leaves, were effetive by reduzing the number of barren plants as the row spacing was reduced. The results showed that the population with "liguleless" leaves produced 17.5% and 2.0% more grain than the population with "normal" leaves, in the row spacings of 0.60 m and 0.80 m, respectively. The population with stiff leaves produced 5.8% more and 17.7% less grain than the one with "normal" leaves, respectively in the same spacings. However, in the row spacing of 1.00 m the population with "normal" leaves out yield by 17.2% and 21.1% the population with "liguleless" and "espetada" leaves, respectively. No one of these differences was significant. Grain yield was significantly affected by spacing. The grain yield response of each population was different to each row spacing. The population with "espetada" leaves presented a linear response to row spacings. The population with "normal" leaves presented a quadratic response. The population with "liguleless" leaves did not present significant response to an increase in row spacings. These results show the importance of vertical leaf orientation in promoting greater tolerance to row spacing decreases and/or an increase in plant population, showing the importance of this characteristic in selecting genotipes more tolerant to heavier population rates.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
PozarGilberto.pdf (3.20 Mbytes)
Data de Publicação
2022-02-07
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2023. Todos os direitos reservados.