• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Master's Dissertation
DOI
10.11606/D.11.2018.tde-20181127-160547
Document
Author
Full name
Maria Tereza Colozza
Institute/School/College
Knowledge Area
Date of Defense
Published
Piracicaba, 1993
Supervisor
Title in Portuguese
Calcário e gesso em um latossolo vermelho-amarelo cultivado com uma pastagem consorciada de soja-perene e colonião
Keywords in Portuguese
CALAGEM
CALCÁRIO
CAPIM COLONIÃO
DELINEAMENTO EXPERIMENTAL
GESSO
LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO
PASTAGENS
SOJA
Abstract in Portuguese
O experimento foi conduzido em parcelas, em área situada na Estação Experimental do Instituto de Zootecnia, em Nova Odessa, Estado de aio Paulo. Estudaram-se os efeitos de doses de calcário dolomítico e de gesso sobre a produção de matéria seca, teor de proteína, quantidade total de proteína, composição química da soja-perene (Neonotonia wightii (Wightii & Arn.) Lackey cv.Tinaroo) e colonião (Panicum maximum jacq. cv. IZ-1). Na consorciação soja-perene e colonião estudaram-se a produção de matéria seca e a quantidade total de proteína. Os efeitos dos insumos sobre as principais características químicas do solo foram verificadas em duas profundidades. Utilizou-se um Latossolo vermelho-amarelo distrófico e avaliaram-se três doses de calcário dolomítico (0; 1,6 e 3,2t/ha) combinadas com três doses de gesso (0; 300 e 600kg/ha). Os noves tratamentos obtidos foram dispostos em blocos ao acaso com três repetições. Durante o período experimental de 4 anos efetuaram-se onze cortes na soja-perene e quatorze cortes no colonião. A aplicação do calcário dolomítico foi realizada 98 dias antes da semeadura das espécies, enquanto que as doses de gesso foram aplicadas, por ocasião da semeadura, somente nas linhas da leguminosa, e nos anos seguintes em cobertura em toda a parcela. Realizou-se uma adubação básica diferenciada para cada espécie. Durante o decorrer do experimento efetuaram-se adubações de reposição para potássio, fósforo e micronutrientes. Verificou-se que as doses de calcário dolomítico reduziram a acidez potencial e os teores de alumínio, elevaram o pH, os teores de cálcio e magnésio trocáveis e a porcentagem de saturação por bases do solo, durante os quatro anos do experimento. As doses de gesso utilizadas fizeram variar significativamente, os teores de cálcio, potássio, alumínio trocável, enxofre (S042-), acidez potencial, soma de bases, capacidade de troca de cátions, saturação por bases e porcentagem de saturação por alumínio na profundidade de 0-20cm e 20-40cm do solo, ocorrendo diferenças entre anos. Até a profundidade de amostragem realizada neste experimento, não se detectou arrastamento de cátions pelo gesso. Devido às condições de acidez do solo em estudar a soja-perene não conseguiu se estabelecer na ausência de calagem. A partir do terceiro e quarto anos a soja-perene e o colonião apresentaram aumentos significativos de produção e matéria seca e quantidades totais de proteína com a aplicação das doses de calcário, sendo que, para a consorciação, a resposta ocorreu nos quatro anos. A resposta do colonião à calagem é atribuída às maiores quantidades de nitrogênio incorporado ao sistema pela soja-perene, que foi tanto maior quanto maior a dose de calcário, do que uma resposta direta do colonião à aplicação do corretivo. Os teores de proteína do colonião a partir do segundo ano aumentaram significativamente e linearmente em função das doses de calcário estudadas. As produções de matéria seca e as quantidades totais de proteína da soja-perene e da consorciação soja-perene + colonião apresentaram diferenças significativas com aplicação das doses de gesso, com variações entre anos, enquanto que para o colonião não ocorreram, durante os quatro anos. O emprego das doses de calcário dolomítico resultou em variações significativas nos teores de cálcio, magnésio, ferro, manganês e zinco na matéria seca da soja-perene e colonião, sendo que os teores de potássio do colonião também apresentaram diferenças significativas, com variações entre anos. A aplicação das doses de gesso resultou em variações significativas nos teores de cálcio, magnésio, potássio e enxofre encontrados na matéria seca da soja-perene, com variações entre anos e nos teores de cálcio encontrados na matéria seca do colonião durante os quatro anos.
Title in English
not available
Abstract in English
not available
 
WARNING - Viewing this document is conditioned on your acceptance of the following terms of use:
This document is only for private use for research and teaching activities. Reproduction for commercial use is forbidden. This rights cover the whole data about this document as well as its contents. Any uses or copies of this document in whole or in part must include the author's name.
ColozzaMariaTereza.pdf (13.65 Mbytes)
Publishing Date
2018-11-27
 
WARNING: Learn what derived works are clicking here.
All rights of the thesis/dissertation are from the authors
CeTI-SC/STI
Digital Library of Theses and Dissertations of USP. Copyright © 2001-2020. All rights reserved.