• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Mémoire de Maîtrise
DOI
https://doi.org/10.11606/D.11.2019.tde-20191218-165330
Document
Auteur
Nom complet
Waldir Joel de Andrade
Adresse Mail
Unité de l'USP
Domain de Connaissance
Date de Soutenance
Editeur
Piracicaba, 1998
Directeur
Titre en portugais
Trilha de longa distância na Serra da Mantiqueira: planejamento e definição de estratégia para implantação com participação de força voluntária
Mots-clés en portugais
ECOLOGIA FLORESTAL
Resumé en portugais
Este estudo propõe o planejamento de uma trilha de longa distância através do "trecho mais contínuo e expressivo" (IBGE, 1977) da serra da Mantiqueira. Seu traçado foi definido tendo como referência as maiores elevações, desta que é considerada a Cordilheira da Saúde, e é uma associação entre trechos de estradas de terra, trilhas propriamente ditas, e até pequenos trechos de asfalto, quando se faz necessário cruzar quatro rodovias federais pavimentadas. Com extensão de aproximadamente 300 km, calculada através de um sistema CAD (Computer Aided Design) AUTOCAD R12, a trilha tem seu início no morro ou pedra do Lopo (Estado de São Paulo - Brasil), marco histórico e referencial nas contendas pela definição de limites entre as então províncias de São Paulo e Minas Gerais; segue pela cumeada da grande serra, se alternando entre terras desses dois estados brasileiros e termina no interior do Parque Nacional de Itatiaia, em terras do Estado do Rio de Janeiro. Evitou-se considerar e propor a abertura de novos caminhos pelo perigo que isto poderia representar para os recursos naturais e culturais da região abrangida pela trilha da Mantiqueira, uma vez que não há, ainda, uma cultura conservacionista desenvolvida entre usuários de trilhas, no Brasil, haja visto o estado de deterioração da maioria de suas trilhas de longa distância. O traçado pode ser visualizado em 14 croquis, em escalas variáveis, que indicam, também, pontos de água, local para acampamento, mirantes naturais, cachoeiras e outros atrativos. Propõe-se que a trilha seja implantada com a participação de força voluntária, arregimentada, em princípio, a partir das organizações ambientalistas e clubes excursionistas localizados nos municípios envolvidos e nas capitais dos três estados atravessados pela trilha. Para tanto, torna-se necessário que os voluntários sejam apoiados e coordenados por instituições estaduais (paulistas, mineiras e fluminenses) e nacionais, que detenham conhecimentos em questões de conservação da natureza, que incluam o ecoturismo, a educação ambiental e manejo de trilhas. Importante, também, será a capacitação dos voluntários através de cursos que os habilitem para as tarefas necessárias à implantação, manutenção e operacionalização da trilha. Nesse sentido o presente estudo formata um curso básico que poderá ser aplicado não só a voluntários como também a técnicos das instituições selecionadas. O trabalho sugere a elaboração de um regulamento para utilização da trilha e um plano de divulgação envolvendo entre outras atividades a confecção e distribuição de mapas, folhetos, etc. Apresenta também listagem de instituições ambientalistas, clubes excursionistas, hotéis, pousadas e camping, e horários de ônibus para as cidades envolvidas. Oferece, também, orientação para eventuais intervenções como: abertura e/ou fechamento de trechos da trilha, clareamento da trilha, orientação da drenagem, contenção de encostas, construção de degraus, construção de estradas, tablados, construção de diversos tipos de pontes e pinguelas, implantação de áreas de acampamento e sinalização. Concluindo, apesar de falta de certo conforto e segurança - que se pretende aportar com a implantação desse trabalho - hoje é possível caminhar da pedra do Lopo até o museu do Parque Nacional de Itatiaia, como possível será, ainda, ampliar e ramificar a trilha da Mantiqueira.
Titre en anglais
Long distance trail at Serra da Mantiqueira: planning and strategy for the implementation using volunteer work
Resumé en anglais
The objective of this study is to suggest a plan for a long distance trail through "the most expressive and continuos stretch" (IBGE, 1977) of Serra da Mantiqueira. The choice for the trail's path has been based on the range´s higher elevations, of this so called "Health Mountain Range", and its path is a combination of trails, dirt roads, and even small stretches of paved road, at times when it is necessary to cross four federal highways. Its length has been estimated in about 300 km, using a CAD (Computer Aided Design) AUTOCAD R12. The trail begins at Pedra do Lopo (São Paulo State, Brasil), an historic mark because of the troublesome period when boundaries between the provinces of São Paulo and Minas Gerais were being established; then it follows the main ridge, alternating parts within São Paulo and within Minas Gerais, and it ends at Itatiaia National Park, in Rio de Janeiro State. The establishment of new pathways was avoided, as this could inflict impact both at natural and cultural resources of the areas that are crossed by the Mantiqueira Trail, specially when the fact that there is no conservationist culture developed among trail users in Brazil is considered, as it is pictured by the lack of care, and even deterioration, that can be observed at our long distance trails. A sketch of the trail can be seen in 14 croquis, in different scales, and they also show water sources, campsites, viewpoints, waterfalls and other points of interest. It is suggested that this trail is implemented with the use of volunteer work, and the volunteers to be gathered from environmentalist organizations and hiking clubs of the municipalities and state capitals that are crossed by the trail. Support and coordination from state (São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro) and federal agencies that have knowledge in nature conservation (including ecoturism, environmental education and trail management) are necessary for that volunteer task force. Volunteer training is also a very important part, so these can have skills to implement, maintain and manage the trail. Therefore, this study presents a model for a basic training phase, addressed not only for volunteers but also for employees of the above mentioned agencies. Trail regulations and a communication plan - including but not limited to making and distributing of maps and folders - are also suggested in this work. Other useful information, such as environmentalist organizations, hiking clubs, hotels, hostels, campgrounds and public transportation time tables for the trail's access points are also included in this work. This work also bring guidelines for trail maintenance, including techniques on: how to open and/or to close parts of the trail, drainage, retaining wall, steps, roads, board walks, bridges and foot bridges, establishment of campsites and signs. Concluding, despite the lack of comfort and safety - qualities that the implementation of this project pretends to improve - it is possible to hike from Pedra do Lopo to Itatiaia National Park's museum; as it will be possible to continually broaden and to branch out the Mantiqueira Trail.
 
AVERTISSEMENT - Regarde ce document est soumise à votre acceptation des conditions d'utilisation suivantes:
Ce document est uniquement à des fins privées pour la recherche et l'enseignement. Reproduction à des fins commerciales est interdite. Cette droits couvrent l'ensemble des données sur ce document ainsi que son contenu. Toute utilisation ou de copie de ce document, en totalité ou en partie, doit inclure le nom de l'auteur.
AndradeWaldirJoel.pdf (23.86 Mbytes)
Date de Publication
2019-12-19
 
AVERTISSEMENT: Apprenez ce que sont des œvres dérivées cliquant ici.
Tous droits de la thèse/dissertation appartiennent aux auteurs
CeTI-SC/STI
Bibliothèque Numérique de Thèses et Mémoires de l'USP. Copyright © 2001-2020. Tous droits réservés.