• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.16.2018.tde-17092018-153511
Documento
Autor
Nome completo
Marina Kohler Harkot
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Santoro, Paula Freire (Presidente)
Calió, Sonia Alves
Tavares, Rossana Brandão
Título em português
A bicicleta e as mulheres: mobilidade ativa, gênero e desigualdades socioterritoriais em São Paulo
Palavras-chave em português
Bicicleta
Gênero
Mobilidade urbana
Planejamento urbano
Resumo em português
A desigualdade de gênero no espaço urbano se expressa através de padrões de mobilidade e dos modos de deslocamento. Uma análise da pesquisa Origem-Destino de São Paulo, realizada pelo Metrô, mostra que os padrões de mobilidade masculino e feminino são bastante diferentes, sendo as mulheres a maioria no uso do ônibus e andar a pé, mas apenas 12% dos ciclistas. Com base em dados quantitativos e qualitativos sobre o uso de bicicletas na cidade de São Paulo, este estudo investiga porque o uso da bicicleta é tão incomum entre mulheres em grandes cidades brasileiras. Ele busca responder duas perguntas centrais: quais características das cidades impedem as mulheres de usarem bicicletas, e o que significa falar de mobilidade ativa e gênero no contexto brasileiro? Para responder essas perguntas, o estudo se baseia na literatura recente nos campos de sociologia urbana e estudos de gênero para desenvolver um modelo de porque mulheres usam ou não usam bicicletas em contextos urbanos. Ele também desenvolve uma metodologia para estudar a mobilidade e analisar a infraestrutura urbana que leva em consideração os fatores culturais e subjetivos que subjazem as escolhas das pessoas de como se locomover na cidade, e que estão na base de como relações de gênero impactam os usos diferentes que mulheres e homens fazem da cidade. Esse modelo é utilizado para analisar o uso da bicicleta entre mulheres na cidade de São Paulo, revelando que, para melhor compreender os padrões de mobilidade, é crucial que se olhe além de variáveis quantitativas e características de infraestrutura urbana, considerando também a lógica das percepções, emoções e afetos que moldam nosso relacionamento com a cidade e considerando como cada indivíduo está inserido dentro de estruturas/lógicas de família que devem ser levadas em consideração por planejadores urbanos se buscamos construir cidades mais justas e democráticas.
Título em inglês
The bicycle and the women: active mobility, gender and socioterritorial inequalities in São Paulo.
Palavras-chave em inglês
Bicycle
Gender
Urban mobility
Urban planning
Resumo em inglês
Gender inequality expresses itself in patterns of mobility and forms of displacement in urban environments. The historical, series of the Origin-Destiny Survey carried out by the São Paulo Metro, for instance, reveals that patterns of male and female displacement in the city differ significantly, and that, while women represent the majority of pedestrians and public transport users, only 12% of cyclists are female. Based on quantitative and qualitative analyses the use of bicycles in São Paulo, the present dissertation investigates why cycling is so uncommon among women in large Brazilian cities. It sets out to answer two central questions: which characteristics of the city hinder bicycle use among women, and what does it mean to speak of gender and active mobility and gender in the Brazilian context? To address these questions, the study draws on and brings together recent literature in the fields of urban sociology, urban planning and gender studies to develop. a framework for assessing how and why women do and do not ride bicycles in urban environments. It also devises a methodology for studying urban mobility and analysing the city's built environment which takes into account the cultural and subjective factors which drive people's choices of how to interact with and within the city, as well as the how gender relations impact on the different use female and male make of the city gendered dimension. This framework is then deployed in the investigation of bicycle usage among women in São Paulo, and finds that, in order to more fully understand patterns of urban displacement, it is crucial to look beyond quantitative variables and raw infrastructural characteristics, also focusing on the logics of perceptions, emotions and affects that shape our relationships to the city and how each individual is inserted within the structure of familial logic - which must be taken into consideration by urban planners if the aim is to make cities more democratic and fair.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-12-12
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.