• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.17.2009.tde-12022009-212932
Documento
Autor
Nome completo
Sarah Tarcísia Rebelo Ferreira de Carvalho
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2009
Orientador
Banca examinadora
Bava, Maria do Carmo Gullaci Guimarães Caccia (Presidente)
Nunes, Altacilio Aparecido
Rocha, Vera Maria da
Título em português
Conhecimentos e percepções dos usuários da Estratégia Saúde da Família sobre a fisioterapia
Palavras-chave em português
Conhecimentos sobre Fisioterapia
Estratégia de Saúde da Família
Percepção
População.
Resumo em português
O Ministério da Saúde criou em 1994 o Programa Saúde da Família (PSF) visando à reorientação do modelo assistencial do Brasil e a valorização da atenção básica. A partir da Portaria 648/06, passa a ser denominado de Estratégia Saúde da Família (EsSF) sinalizando para sua concepção mais ampla, voltada para as especificidades loco-regionais, para o trabalho intersetorial e para a valorização dos saberes e práticas interdisciplinares. Nesse contexto, várias experiências exitosas foram registradas de incorporação do fisioterapeuta na Atenção Básica, permitindo a ampliação de seu campo de atuação, historicamente vinculado à reabilitação, para atuar também na promoção da saúde e prevenção de agravos. No entanto, o número insuficiente de profissionais na rede assistencial, as dificuldades estruturais e materiais, e o desconhecimento da população sobre a atuação do fisioterapeuta ainda limitam a sua atividade na atenção básica. Essa pesquisa objetivou investigar o conhecimento dos usuários de uma Unidade Saúde da Família (USF) sobre a Fisioterapia, e sua percepção quanto às suas necessidades em relação à atuação do fisioterapeuta. Trata-se de um estudo transversal e descritivo, de abordagem quantitativa. Valeu-se da aplicação de um questionário elaborado pela autora a 275 usuários de uma USF em Ribeirão Preto/SP. Os entrevistados tinham como características predominantes a média de idade de 43 anos, ser do sexo feminino, morar com seus companheiros e residir na área adstrita à Unidade por cerca de 6 a 10 anos, trabalhar no próprio lar, apresentar baixa escolaridade, pertencer às classes econômicas C e D. Em relação à presença de familiares portadores de deficiência física ou doenças graves, tinham índice igual ou superior ao estimado pela OMS. Quanto aos aspectos mais específicos da Fisioterapia, embora a maioria já tivesse ouvido falar sobre a profissão e a considerasse muito importante, gostaria de saber mais sobre ela. Entretanto, o conhecimento dos entrevistados se mostrou voltado aos aspectos de reabilitação e/ou tratamento, indicaram que as pessoas que mais precisam de Fisioterapia são os deficientes físicos, portadores de lesão e/ou algias músculo-esquelético; que o fisioterapeuta trabalha principalmente no hospital; que não realiza ações educativas e que há dificuldade de acesso ao fisioterapeuta. Assim, 98% destes consideraram necessária a inclusão do fisioterapeuta na equipe da USF. Poucos entrevistados já foram, ou tiveram familiares, atendidos por fisioterapeuta, e 29% afirmaram precisar atualmente destes serviços. Considerando-se o reduzido número de fisioterapeutas na Rede Municipal de Saúde e os benefícios que as pessoas poderiam auferir a partir de uma concepção menos restrita da profissão, propõe-se, dentro da lógica de valorização da participação popular na Atenção Básica, uma maior divulgação do campo potencial de atuação da Fisioterapia na Atenção Primária junto a esse segmento, atuando por meio de ações articuladas com as equipes de forma a qualificar cada vez mais a assistência no SUS.
Título em inglês
Knowledge and perceptions about Physiotherapy of users of the Family Health Strategy
Palavras-chave em inglês
Family Health Strategy
Knowledge about Physiotherapy
Perception
Population
Resumo em inglês
In 1994, the Ministry of Health created the Family Health Program (PSF) with the aim of reorienting the model of care in Brazil and placing a higher value on primary care. Order 648/06, which is now called the Family Health Strategy (EsSF), signals a broader conception, focused on local-regional specificities, for inter-sector work and for the enhancement of knowledge and interdisciplinary practice. In this context, several successful experiences have been registered for the incorporation of the physiotherapist in Primary Care. This enables an expansion of the remit of physiotherapy, which has historically been linked to rehabilitation, so that is can also be used for health promotion and disease prevention. However, the insufficient number of professionals in the care network, the structural and material difficulties, and lack of knowledge by the population on the role of a physiotherapist still limit their role in primary care. The aim of this survey was to investigate the knowledge of users of a Family Health Unit (USF) about physiotherapy, and their perception about their needs in relation to the role of a physiotherapist. It is a cross-sectional and descriptive quantitative study. A questionnaire prepared by the author was given to 275 users of a USF in Ribeirao Preto/SP. The predominant characteristics of the interviewees were: mean age of 43 years, female, live with their partners in the units catchment area for about 6 to 10 years, work in their own home, have a low level of education, and belong to economic classes C and D. Regarding the presence of family members with physical disabilities or serious illness, there was a rate equal or higher than that estimated by the WHO. As for more specific aspects of Physiotherapy, although most have already heard about the profession and consider it very important, they would like to know more about it. However, the knowledge of the interviewees revolves around aspects of rehabilitation and/or treatment. They thought that people who most need Physiotherapy are the disabled, people with injuries and/or musculo-skeletal pain; that physiotherapists mainly work in hospitals; that they do not perform educational services and that it is difficult to gain access to a physiotherapist. Thus, 98% considered it necessary to include a physiotherapist in a USF team. Hardly any of those interviewed, or their relatives, had received physiotherapy, and 29% reported a current need for these services. Considering the small number of physiotherapists in the Municipal Health Network and the benefits that people could derive from a less narrow conception of the profession, it is proposed, within the logic of valuing people's participation in Primary Care, that there is a greater disclosure of Physiotherapys potential areas of responsibility in Primary Care, which could take place by a co-ordination of teams in order to lend ever more assistance to the SUS.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Carvalho_STRF.pdf (1.71 Mbytes)
Data de Publicação
2009-03-26
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.