• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.17.2016.tde-28052015-114215
Documento
Autor
Nome completo
Luciane Soares Seixas
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2015
Orientador
Banca examinadora
Santos, Jair Licio Ferreira (Presidente)
Borges, Juliana Bassalobre Carvalho
Forster, Aldaísa Cassanho
Título em português
Adesão ao tratamento não farmacológico e qualidade de vida em pacientes hipertensos na Estratégia Saúde da Família
Palavras-chave em português
Adesão ao tratamento
Estratégia saúde da família
Hipertensão arterial
Qualidade de vida
Resumo em português
A Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) é considerada um grave problema de saúde pública no Brasil e no mundo, e, portanto um tema extremamente relevante. Na rede pública de saúde, a porta de entrada para o portador de HAS é a Estratégia Saúde da Família (ESF), nesse contexto, pouco se conhece sobre a magnitude da adesão ao tratamento não farmacológico para a hipertensão arterial. Portanto, o presente trabalho tem como objetivo identificar as características relacionadas à adesão ao tratamento não farmacológico e avaliar a qualidade de vida em pacientes hipertensos assistidos pela Estratégia Saúde da Família no município de Marília, São Paulo. Foi realizado um estudo transversal, quantitativo, correlacional em 245 pacientes selecionados aleatoriamente, com diagnóstico de HAS, cadastrados na Unidade Saúde da Família Santa Augusta no município de Marília. Os dados foram coletados por meio de dois questionários, um para avaliar a adesão ao tratamento não farmacológico e o WHOQOL-bref para avaliar a qualidade de vida. O trabalho foi aprovado pelo comitê de ética e realizada análise estatística, através do teste exato de Fisher, qui-quadrado, Mann-whitney e Kruskal Wallis. Foram entrevistados 245 pacientes hipertensos, sendo 60,4% mulheres e 39,6% homens, com idade média de 64,9 anos. A maioria, 54,7%, declarou cor branca, 44,5% baixa escolaridade, 47,7% aposentados e 94,6% relataram utilizar medicamentos para controle da HAS. A adesão ao tratamento não farmacológico foi identificada ao analisar os hábitos de vida, 65,3% eram sedentários; 29,3% faziam uso de bebidas alcoólicas; 34,1% dos homens relataram já terem fumado contra 24,4% das mulheres; 26,8% não controlavam a alimentação e 49,5% possuíam dois ou mais agravos da HAS. Além disso, 73,2% faziam dieta para o controle da HA, sendo que 69,3% diminuíram a quantidade de sal, gorduras e frituras da alimentação e 93% não eram tabagistas. Embora 88,5% relataram conhecer os problemas da HA, apenas 30% já haviam participado de palestras. Em relação à qualidade de vida, a população estudada possui um bom nível, com valores superiores a 50 em todos os domínios do questionário WHOQOL-bref, sendo que o domínio com maior escore foi o domínio geral, seguido pelo psicológico, social, físico e meio ambiente. Observou-se que uma maior qualidade de vida está associada com faixa etária, maior tempo de diagnóstico, controle e aferição da pressão arterial, conhecimento e participação em palestras relacionadas à hipertensão, não fumar e praticar atividade física regular. Os resultados obtidos indicam baixa adesão ao tratamento não farmacológico para a HAS, principalmente relacionado à atividade física regular e irão contribuir com o trabalho cotidiano da equipe de saúde para possibilitar a implementação de estratégias mais eficientes, eficazes e efetivas no tocante aos cuidados em saúde com a população estudada, além de buscar refletir em uma maior qualidade de vida desses pacientes.
Título em inglês
Adherence non-pharmacological treatment and life quality in hypertensive patients on the Family Health Strategy
Palavras-chave em inglês
Adherence to treatment
Family health strategy
Hypertension
Quality of life
Resumo em inglês
The Systemic Arterial Hypertension (SAH) is considered a serious public health problem in Brazil and in the world and, therefore, a highly relevant topic. In public health, the gateway to the carrier of Hypertension is the Family Health Strategy (ESF in Portuguese), in this context, little is known about the magnitude of non-adherence to non-pharmacological treatment for Arterial Hypertension. Therefore, this project has like objective to study the characteristics related to the adherence to non-pharmacological treatment, as well the average life quality in hypertensive patients attended by the Family Health Strategy in Marília, São Paulo. An cross-sectional, quantitative, correlational study of 245 randomly selected patients diagnosed with hypertension, registered in the Family Health Strategy in Santa Augusta Marília was performed. Data were collected through two instruments / one to assess adherence to non-pharmacological treatment and the WHOQOL-BREF to assess the quality of life questionnaires. The study was approved by the Ethics Committee and performed statistical analysis using Fisher's exact test, chi-square, Mann-Whitney and Kruskal Wallis Were interviewed 245 arterial hypertensive patients between 60.4% women and 39.6% men, with a mean age of 64,9 years. A total of 54,7% were white, 44,5% had lower education (4th grade) and 47,7% were retired. Among the respondents 94,6% reported using medications to control Hypertension, adherence to non-pharmacological treatment was found when analyzing the life habits, 65,3% of hypertensive patients were sedentary, 29,3% used alcohol, 34,1% of men reported having ever smoked and 24,4% of women reported the same, 26,8% do not control their feeding habits, 49,5% had two or more aggravations related to Arterial Hypertension. Furthermore, 73.2% dieters to control hypertension, and 69.3% decreased the amount of salt, fats and frying of food and 93% were non-smokers. Although 88.5% reported knowing the problems of hypertension, only 30% had participated in lectures. Regarding life quality, it was noticed that the studied population has a good life quality, it had values greater than 50 for all domains of the WHOQOL questionnaire, and the area with the highest score was the general area, followed by the psychological, social, physical and environmental domain. We also observed that a higher life quality was associated with age, delayed diagnosis, control and measurement of blood pressure, knowledge and involvement in issues related to Hypertension, no smoking and practicing regular physical activity. The results indicate poor adherence to non-pharmacological treatment for Hypertension, mainly related to regular physical activity and will contribute to daily work of the health team and enable the implementation of more effective strategies and efficient with regard to health care with the population and enable a higher life quality.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Luciane.pdf (1.42 Mbytes)
Data de Publicação
2016-01-21
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.