• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
Documento
Autor
Nome completo
Rebeca Mendes de Paula Pessoa
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2019
Orientador
Banca examinadora
Chagas, Marcos Hortes Nisihara (Presidente)
Pavarini, Sofia Cristina Iost
Foss, Maria Paula
Sousa, João Paulo Machado de
Título em português
Transtornos Neurocognitivos: conceitos, comparação entre critérios diagnósticos e acurácia de testes neuropsicológicos em uma amostra de idosos da comunidade
Palavras-chave em português
Comunidade
Demência
Testes neuropsicológicos
Transtorno neurocognitivo
Resumo em português
INTRODUÇÃO: A demência ou transtorno neurocognitivo maior (TNM) é uma síndrome clínica, que cursa com deterioração dos domínios cognitivos, alterações de comportamento e prejuízo funcional. Com o lançamento da 5ª edição do Manual de Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais (DSM-5), em 2013, mudanças importantes ocorreram nos critérios diagnósticos dessa síndrome. Dentre as alterações, podemos citar a utilização de testes neuropsicológicos para documentar o prejuízo cognitivo, em conjunto com a avaliação clínica, e a necessidade de declínio substancial em apenas um domínio cognitivo. Surge, portanto, um transtorno mais amplo, sendo ainda impreciso o impacto que essas mudanças gerarão na prevalência dessa patologia, principalmente quando se considera a população de países de baixa renda. OBJETIVOS: Foram realizados três estudos com os seguintes objetivos: 1) Realizar uma revisão narrativa da história e conceitos atuais dos transtornos neurocognitivos, 2) Comparar os critérios do DSM-5 e do DSM-IV para o diagnóstico de demência em idosos residentes em uma comunidade e 3) Avaliar a acurácia dos testes neuropsicológicos para transtornos neurocognitivos em uma população de baixa escolaridade. MÉTODOS: Os estudos clínicos foram realizados em idosos residentes em uma área de abrangência de uma Unidade de Saúde da Família na cidade de São Carlos, no estado de São Paulo. Cinco gerontólogos foram responsáveis pela aplicação dos testes neuropsicológicos, e os participantes também foram avaliados por psiquiatras em seus domicílios. A amostra total avaliada foi composta por 282 participantes, e variaram em cada estudo de acordo com os critérios de inclusão e exclusão. RESULTADOS: No primeiro estudo, ficaram evidentes as recentes mudanças nos critérios diagnóstico, o alto impacto socioeconômico e a necessidade de medidas de promoção de saúde e prevenção do TNM. No segundo estudo, a prevalência de demência e do transtorno neurocognitivo maior foi 6.2% (95% IC=3.4, 10.4%) e 8.1% (95%IC=4.8, 12.7%),respectivamente, com uma concordância entre os critérios do DSM-IV e do DSM-5 de 94.9%. No terceiro estudo, a prevalência de TNM no grupo analfabeto foi 19,3% (n=12), e no grupo de baixa escolaridade, a prevalência foi de 10,6% (n=16). O MEEM foi o teste neuropsicológico com melhores valores de sensibilidade e especificidade para discriminar idosos com e sem transtorno neurocognitivo, tanto para idosos analfabetos como de baixa escolaridade. Quando analisado as áreas sob a curva ROC, ficou evidente que os testes neuropsicológicos apresentaram uma menor acurácia quando aplicados em idosos analfabetos com relação a amostra com um a quatro anos de escolaridade. CONCLUSÕES: Com relação a mudança dos critérios diagnósticos para TNM, a prevalência de demência possivelmente não será substancialmente afetada. Entretanto, deve-se ter cautela ao aplicar testes neuropsicológicos em uma população idosa de baixa escolaridade como rastreio de transtornos neurocognitivos das mais diversas gravidades. Futuros estudos com amostras maiores parecem ser oportunos
Título em inglês
Neurocognitive Disorders: concepts, comparison between diagnostic criteria and accuracy of neuropsychological tests in a sample of elderly in the community
Palavras-chave em inglês
Community
Dementia
Major neurocognitive disorder
Neuropsychological tests
Resumo em inglês
INTRODUCTION: Dementia or major neurocognitive disorder is a clinical syndrome, which occurs with deterioration of cognitive domains, behavioral changes and functional impairment. With the launch of the DSM-5, in 2013, changes occurred in the diagnostic criteria of this syndrome. Among the alterations, we can mention the use of neuropsychological tests to document cognitive impairment, together with the clinical evaluation, and the need for substantial decline in only one cognitive domain. There is a broader pathology than the term unprecedented dementia, and the impact of these changes on the prevalence of this disorder is still imprecise, especially when considering the population of low-income countries. OBJECTIVES: Three studies were carried out with the following objectives: 1) To carry out a narrative review of the history and current concepts of neurocognitive disorders, 2) to compare the DSM-5 and DSM-IV criteria for the diagnosis of dementia in elderly residents of a community and 3) To evaluate the accuracy of neuropsychological tests for neurocognitive disorders in a population with low educational level. METHODS: Clinical studies were performed on elderly people living in an area covered by a Family Health Unit in the city of São Carlos, in the state of São Paulo. Gerontologists were responsible for the application of neuropsychological tests, and the patients were also evaluated by psychiatrists in their homes. The total sample was composed of 282 participants and varied in each study according to the inclusion and exclusion criteria. RESULTS: In the first study, the recent changes in the diagnostic criteria, the high socioeconomic impact and the need for health promotion and prevention measures of the major neurocognitive disorder were evident. In the second study, the prevalence of dementia and major neurocognitive disorder was 6.2% (95% CI = 3.4, 10.4%) and 8.1% (95% CI = 4.8, 12.7%), respectively, with a concordance between the DSM-IV criteria and DSM-5 of 94.9%. In the third study, the prevalence of major Neurocognitivedisorder in the illiterate group was 19.3% (n = 12), and in the low education group, the prevalence was 10.6% (n = 16). The MMSE was the neuropsychological test with better values of sensitivity and specificity to discriminate the elderly with and without neurocognitive disorder, both for illiterate elderly and low schooling. When analyzing the areas under the ROC curve, it was evident that the neuropsychological tests presented a lower accuracy when applied in illiterate elderly than the sample with one to four years of schooling. CONCLUSIONS: With regard to changing the diagnostic criteria for major neurocognitive disorder, the estimated prevalence of dementia will not be substantially affected. However, caution should be exercised when applying neuropsychological tests in an elderly population of low educational level as a screening for neurocognitive disorders of the most diverse severities. Future studies with larger samples appear to be opportune
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2019-11-12
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.