• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.17.2013.tde-23062013-114921
Documento
Autor
Nome completo
Adriana Pereira Defina Iqueda
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2013
Orientador
Banca examinadora
Ricz, Lilian Neto Aguiar (Presidente)
Camargo, Zuleica Antonia de
Freitas, Luiz Carlos Conti de
Nemr, Nair Katia
Trawitzki, Luciana Vitaliano Voi
Título em português
Nasalância e nasalidade da voz traqueoesofágica de laringectomizados totais
Palavras-chave em português
Laringectomia
neoplasias laríngeas.
qualidade da voz
reabilitação
voz alaríngea
Resumo em português
A laringectomia total que resulta em perda da fonte sonora e na reabilitação por meio da voz traqueoesofágica, com a prótese fonatória, tem sido amplamente empregada por apresentar resultados satisfatórios e pela rápida reabilitação. Para a produção sonora traqueoesofágica, participam o esôfago, a transição faringoeosofágica e a faringe. A orofaringe e a rinofaringe mantêm-se preservadas após a laringectomia total e fazem parte do mecanismo de ressonância vocal. Porém, nada se sabe a respeito da interferência da rinofaringe para a produção da voz traqueoesofágica. Por este motivo, o objetivo deste estudo foi determinar os valores da nasalância e a nasalidade da voz traqueoesofágica em laringectomizados totais, usuários de prótese (grupo estudo), falantes do português brasileiro e comparar com falantes laríngeos (grupo controle). O estudo contou com a participação de 25 laringectomizados totais, usuários de prótese traqueoesofágica, destes, 20 homens e cinco mulheres, com idade entre 45 e 82 anos e média de 61 anos e cinco meses. O grupo controle foi composto de 40 voluntários, 28 homens e 12 mulheres, com idade entre 44 e 80 anos e média de 61 anos e nove meses. Todos os participantes foram submetidos ao exame nasovideoendoscópico para avaliação anatomofuncional da rinofaringe e do mecanismo velofaríngeo, à avaliação objetiva da nasalância, realizada por meio de um nasômetro, e à avaliação perceptivo-auditiva da nasalidade. A amostra da fala foi composta por frases orais e nasais padronizadas para o português brasileiro. A avaliação perceptivo-auditiva da nasalidade foi realizada por dois juízes fonoaudiólogos, com experiência na área de voz. Os resultados revelaram que, durante a emissão de frases orais, não houve diferença (p=0,13) entre os grupos, com relação à nasalância. Porém, para as frases nasais, os laringectomizados demonstraram maior nasalância (p=0,001). A sensibilidade da nasalância em identificar o laringectomizado total, durante a emissão das frases nasais, foi de 80% e a especificidade de 72,5%, estipulando-se o valor de corte em 54,5%. Para as frases orais, para o valor de corte de 19,5%, a sensibilidade foi de 36% e a especificidade de 80%. Para a nasalidade, notou-se confiabilidade intrajuiz perfeita ou quase perfeita (Kappa=1,0), em todas as análises. A concordância interjuízes variou de substancial a perfeita ou quase perfeita (Kappa entre 0,715 e 1,0). Comparando-se os achados da avaliação perceptivo-auditiva entre os grupos, eles se mostraram iguais, tanto para as frases orais (p=0,39) quanto para as frases nasais (p=1,00). A sensibilidade da análise perceptivo-auditiva para identificar presença ou ausência da nasalidade nos laringectomizados foi de 100%, tanto para as frases nasais quanto para as orais, a especificidade foi de 0 a 11,1%, e a acurácia, de 80% a 68%, respectivamente para as frases nasais e para as frases orais. Concluiu-se que os laringectomizados totais apresentam maior nasalância nas frases nasais que falantes laríngeos, reforçando que a impedância do trato vocal remanescente, após a laringectomia, não impede a presença de energia acústica nasal para a produção dos respectivos sons percebidos na avaliação perceptivo-auditiva.
Título em inglês
Nasalance and nasality of tracheoesophageal speech in total laryngectomee.
Palavras-chave em inglês
alaryngeal voice
laryngeal neoplasias.
Laryngectomy
rehabilitation
voice quality
Resumo em inglês
Total laryngectomy results in the loss of of the sound source, and rehabilitation with a tracheoesophageal voice prosthesis has been widely used because of its satisfactory and rapid results. The esophagus, pharyngoesophageal transition and pharynx participate in tracheoesophageal sound production. After total laryngectomy, the oropharynx and rhinopharinx continue to be preserved and are part of the mechanism of voice resonance. However, there is no information about the interference of the rhinopharynx for the production of tracheoesophageal voice. Thus, the objective of the present study was to determine the nasalance and nasality values of tracheoesophageal voice in total laryngectomees speaking Brazilian Portuguese wearing a prosthesis (study groups) and to compare them to those of laryngeal speakers (control group). The study was conducted on 25 total laryngectomees wearing a tracheoesophageal prosthesis, 20 men and five women aged 45 to 82 years (mean: 61 years and five months). The control group consisted of 40 volunteers, 28 men and 12 women aged 44 to 80 years (mean: 61 years and nine months). All participants were submitted to nasovideoendoscopy for anatomofunctional evaluation of the rhinopharynx and of the velopharyngeal mechanism, to objective evaluation of nasalance by means of a nasometer, and to auditory-perceptual evaluation of nasality. The speech sample consisted of oral and nasal sentences standardized for Brazilian Portuguese. Auditory-perceptual evaluation of nasality was performed by two speech therapist raters with experience in the voice area. The results revealed no difference in nasalance between groups (p=0.13) during the emission of oral sentences. However, for the nasal sentences the laryngectomees demonstrated greater nasalance (p=0.001). The sensitivity of nasalance in identifying the total laryngectomees during the emission of nasal sentences was 80% and specificity was 72.5%, with the cut-off value being stipulated at 54.5%. For the oral sentences, for a cut-off value of 19.5%, sensitivity was 36% and specificity 80%. Inter-rater reliability was perfect or almost perfect (Kappa=1.0) for nasality in all analyses. Inter-rater concordance ranged from substantial to perfect or almost perfect (Kappa of 0.715 to 1.0). Comparrison of the findings of auditory-perceptual evaluation showed no difference between groups regarding the oral (p=0.39) and nasal (p=1.00) sentences. The sensitivity of the auditory-perceptual analysis for the identification of the presence or absence of nasality in the laryngectomees was 100% both for the nasal and the oral sentences, specificity was 0 and 11.1%, and accuracye 80% and 68%, respectively, for the nasal and oral phases. We conclude that total laryngectomees show greater nasalance in nasal sentences than laryngeal speakers, supporting the notion that the impedance of the vocal tract remaining after laryngectomy does not prevent the presence of nasal acoustic energy for the production of the respective sounds perceived in auditory-perceptual evaluation.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2014-01-08
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.