• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.22.2013.tde-25092013-164609
Documento
Autor
Nome completo
Carla Araujo Bastos Teixeira
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2013
Orientador
Banca examinadora
Donato, Edilaine Cristina da Silva Gherardi (Presidente)
Cardoso, Lucilene
Juruena, Mário Francisco Pereira
Título em português
Estresse ocupacional e estratégias de enfrentamento entre profissionais de enfermagem em ambiente hospitalar
Palavras-chave em português
Enfermagem
Estratégias de Enfrentamento
Estresse Ocupacional
Saúde Mental
Resumo em português
O trabalho de enfermagem tem sido foco de várias pesquisas diante da possibilidade de adoecimento físico e mental dos trabalhadores. Esse estudo objetivou analisar a prevalência e a associação entre estresse ocupacional e as estratégias de enfrentamento em técnicos e auxiliares de enfermagem de um hospital universitário. Obteve-se aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa. A amostra foi aleatorizada com 338 técnicos e auxiliares de enfermagem, houve 8,2% de recusas totalizando 310 participantes. Desenvolveu-se um estudo transversal, de abordagem quantitativa. Para avaliação do estresse ocupacional e estratégias de enfrentamento aplicou-se a Job Stress Scale (JSS) e a Escala Modos de Enfrentamento de Problemas (EMEP). Os dados foram submetidos à estatística descritiva e analítica. Os participantes do estudo eram em sua maioria mulheres (76,1%), com idade media de 47,1 anos (DP 10,94), casados ou com companheiro (58,1%), com filhos (74,5%), auxiliares de enfermagem (85,5%), com único vínculo empregatício (79,4%), passaram por consulta médica no último ano (88,4%) e tiveram afastamento do trabalho no último ano (50,0%). Estavam altamente expostos ao estresse ocupacional 17,1% da amostra. As estratégias de enfrentamento mais utilizadas foram as estratégias focadas no problema (60,0%) e as menos utilizadas foram as focadas na emoção (1,3%). As estratégias de busca por práticas religiosas estiveram associadas à religião protestante, ao sexo feminino, a morar com alguém e a ter filhos. Ser protestante confere 1,9 vezes mais chances de utilizar as estratégias de busca por práticas religiosas; mulheres apresentaram 3,73 vezes mais chances de utilizar estratégias de enfrentamento de busca por práticas religiosas em relação ao sexo masculino; morar com alguém diminui as chances de utilizar a busca por práticas religiosas (OR=0,33); ter filhos aumenta as chances de utilização das estratégias de busca por práticas religiosas, sendo que a cada filho o trabalhador apresenta mais chance de utilizar as referidas estratégias (OR=1,40). O estresse ocupacional esteve estatisticamente associado às estratégias focadas na emoção, identificando essas estratégias como fator de risco para o estresse ocupacional. Contudo, o número de observações deste fator impede afirmar com certeza o fenômeno observado. Evidenciou-se tendência para que as estratégias focadas no problema desempenhem proteção ao estresse ocupacional. .As condições de trabalho vivenciadas pelos profissionais no ambiente hospitalar implicam em considerável prevalência de estresse laboral com repercussões biopsicossociais. Almeja-se com os resultados deste estudo, expandir o conhecimento científico e assim beneficiar os trabalhadores do setor da saúde, estimulando iniciativas e ações de proteção e promoção da saúde mental do trabalhador no ambiente labora.
Título em inglês
Occupational stress and coping strategies among nursing workers at hospital environment
Palavras-chave em inglês
Coping
Mental Health
nursing
Occupational Stress
Resumo em inglês
Nursing assistance has been focus of numerous studies because of potential for physical and mental damage to theses workers. This study aimed to analyze the prevalence and association between occupational stress and coping strategies in technical and nursing assistants at a university hospital. It had approval of the Research Ethics Committee. The sample was randomized with 338 technicians and nursing assistants, there were 8.2% of refuse totaling 310 participants. We developed a cross-sectional study, with a quantitative approach. For evaluation of occupational stress and coping strategies were applied the Job Stress Scale (JSS) and the Ways of Coping (EMEP). The data were submitted to descriptive and analytical statistics. Participants were mostly women (76.1%), with a mean age of 47.1 years (SD 10.94), married or living with a partner (58.1%), with children (74.5%), nursing assistants (85.5%), with only employment (79.4%), were attended by medical consultation last year (88.4%) and had off work in the last year (50.0%). Were highly exposed to occupational stress 17.1% of the sample. Coping strategies were used more problem-focused strategies (60.0%) and the least used were the emotion- focused (1.3%). Strategies related to religious practices were associated with the Protestant religion, the female, living with someone and have children. Being Protestant gives 1.9 times more likely to use religious practices strategies; women were 3.73 times more likely to use coping strategies of seeking religious practices in relation to male, living with someone decreases the chances of use the religious practices strategies (OR=0.33), having children increases the chances of using search strategies of religious practices (OR=1.40). Occupational stress was statistically associated with emotion-focused strategies, identifying those strategies as a risk factor for occupational stress. However, the number of observations of this factor doesn´t permit to affirm the observed phenomenon certainly. There was a trend for strategies focused on problem play protection for occupational stress. Working conditions experienced by professionals in hospitals involve considerable prevalence of work stress which have an biopsychosocial impact. It is hoped that the results of this study, to increase scientific knowledge and thus benefit workers in the health sector, stimulating initiatives and actions for the mental health protection and promotion at the workplace.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2014-01-16
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.