• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.22.2013.tde-22012014-110133
Documento
Autor
Nome completo
Daniela Comelis Bertolin
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2013
Orientador
Banca examinadora
Pace, Ana Emilia (Presidente)
Cesarino, Claudia Bernardi
Galvao, Cristina Maria
Marques, Sueli
Neufeld, Carmem Beatriz
Título em português
Estresse, modos de enfrentamento e aceitação da doença de pessoas com diabetes mellitus tipo 2 participantes de um programa educativo com o envolvimento do familiar: ensaio clínico randomizado
Palavras-chave em português
Adaptação psicológica
Apoio social
Diabetes mellitus
Enfermagem
Estresse psicológico
Resumo em português
O presente estudo, trata-se de um ensaio clínico randomizado controlado, cujo objetivo principal foi avaliar o estresse, modos de enfrentamento e aceitação da doença de pessoas com diabetes mellitus tipo 2 após participarem de um programa educativo com o envolvimento do familiar. Foi desenvolvido em unidade ambulatorial de hospital de nível terciário de atenção à saúde. A amostra ficou constituída por 164 pessoas, de acordo com o cálculo amostral e critérios de inclusão/exclusão, e após randomização, os participantes foram alocados no grupo controle ou intervenção, para os quais foi desenvolvido um programa educativo com o uso dos Mapas de Conversação em Diabetes Mellitus, fundamentado na Teoria Social Cognitiva. As intervenções realizadas aos familiares seguiram protocolo com base nos temas abordados no programa educativo com os pacientes. A amostra do estudo caracterizou-se por predomínio do sexo feminino (56,7%), idade média de 60,4 anos (DP=8,4), baixo nível socioeconômico, longo tempo de tratamento, em uso de insulina (88,4%) e antidiabéticos orais (79,8%). As variáveis estudas, estresse percebido, sinais/sintomas de estresse, modos de enfrentamento e aceitação da doença não apresentaram diferenças significativas após as intervenções educativas aos familiares. Após as intervenções com envolvimento do familiar os modos de enfrentamento mais referidos pela amostra do estudo foram relacionados ao fator Minimização de ameaça ( X =3,6), seguido por Procura de informações ( X =3,4), e os menos referidos foram relacionados ao fator Auto-culpa ( X =2,0). O escore médio de aceitação da doença, que poderia variar de oito a 40, foi 26,3; e de estresse percebido, que poderia ser de zero à 56, foi 22,0. Entre os participantes, 51,5 % foram classificados sem estresse, 44,1% estavam na fase de resistência ao estresse, com predomínio dos sintomas psicológicos para 26,1% que apresentavam algum nível de estresse. A média da hemoglobina glicada A1c não apresentou relação significativa com os fatores da Escala Modos de Enfrentamento, no entanto houve relação inversa com aceitação da Doença no grupo controle; e direta com estresse percebido nos dois grupos, ou seja, quanto maior a aceitação da doença, menor foi a média de hemoglobina glicada A1c; e quanto maior a percepção de estresse, maiores os valores da hemoglobina glicada A1c. Verificou-se relação inversa entre aceitação da doença e os fatores Reestruturação cognitiva, Expressão emocional e Auto-culpa nos dois grupos e, para o fator Desejo de realizar fantasias para o grupo controle. Também foi observada relação inversa entre aceitação da doença e estresse percebido, o que sugere que quanto maior a percepção de estresse, menor foi a aceitação da doença. As intervenções educativas aos familiares, realizadas por meio de contato telefônico, parecem não ter influenciado os resultados das variáveis de interesse no presente estudo
Título em inglês
Stress, coping and acceptance of the disease of people with diabetes mellitus type 2 participants in an educational program with the involvement of the family member: a clinical trial
Palavras-chave em inglês
Adaptation psychological
Diabetes mellitus
Nursing
Social support
Stress Psychological
Resumo em inglês
This is a clinical trial, with main aim to evaluate the stress , coping and acceptance of the disease of people with diabetes mellitus type 2 after participating in an educational program with the involvement of family member. It was developed in the outpatient clinic of a tertiary hospital health care . The sample consisted of 164 people , according to the sample size calculation and inclusion / exclusion criteria. After randomization, the participants were allocated to the intervention or control group, and all participated of the educational program with the use of maps Conversation Diabetes Mellitus, based on Social Cognitive Theory, in order to establish a framework for interventions by telephone to family members in the intervention group. The sample was characterized by a predominance of females (56.7%), mean age 60.4 years (SD=8.4), low socioeconomic status, long-term treatment, using insulin (88,4%) and oral hypoglycemic agents (79.8%). Most people reported having religious beliefs (95.7%), diet (71.9%) and do not exercise (44.5%) . The variables studied, perceived stress, signs / symptoms of stress, coping and acceptance of the disease did not differ significantly after educational interventions to relatives . After interventions with involvement of the family member, the coping most reported by the study sample were related to the Threat minimization factor ( X = 3.6), followed by Information seeking ( X = 3.4), and the least were those related to Self- blame factor ( X = 2.0). The average score of acceptance of the disease, that could range from eight to 40, was 26.3, and perceived stress, that could be from zero to 56, was 22.0 . Among the participants, 51.5 % were classified without stress, 44.1% were in the resistance to stress, with a predominance of psychological symptoms to 26.1% who had some level of stress. The mean glycated hemoglobin A1c showed no significant association with the factors of the Ways of Coping Scale, however was observed an inverse relationship with acceptance of the disease in the control group, and directly with perceived stress in both groups, that meaning that higher the acceptance of the diseas, lower the average glycated hemoglobin A1c , and greater perceived stress, higher average of glycated hemoglobin A1c. There was an inverse relationship between acceptance of the disease and the factors Cognitive restructuring, emotional expression and Self-blame in the two groups, and for the factor Wish-fullfiling fantasy for the control group just. It was also observed an inverse relationship between acceptance of disease and perceived stress, suggesting that higher the perception of stress, lower the acceptance of the disease. Educational interventions for family members, conducted through telephone contact, seem no influence the results of the variables of interest in this study
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2014-01-23
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.