• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.22.2017.tde-04052017-162425
Documento
Autor
Nome completo
Caroline Ribeiro Pereira Favaro
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2017
Orientador
Banca examinadora
Gozzo, Thais de Oliveira (Presidente)
Ferreira, Simone Mara de Araujo
Panobianco, Marislei Sanches
Título em português
Perfil epidemiológico de mulheres com câncer de colo do útero atendidas em um hospital do interior paulista
Palavras-chave em português
Enfermagem oncológica
Neoplasia do colo do útero
Perfil epidemiológico
Sobrevida
Resumo em português
O câncer de colo do útero (CCU) é considerado problema de saúde pública no Brasil, por exercer papel importante na morbimortalidade das mulheres. Os principais fatores de risco para o desenvolvimento do CCU estão relacionados às condições socioeconômicas, ambientais e aos hábitos de vida, que incluem: início precoce da atividade sexual, pluralidade de parceiros sexuais, tabagismo, hábitos inadequados de higiene, uso prolongado de contraceptivos orais e a não-realização de exame preventivo de citologia oncótica. A infecção pelo papiloma vírus humano (HPV) leva a alterações que podem, com o passar do tempo, evoluir para o CCU. Este estudo teve como objetivo caracterizar o perfil epidemiológico das mulheres com CCU atendidas no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo (HCFMRP-USP), no período de janeiro de 2000 a dezembro de 2013. Trata-se de um estudo retrospectivo, longitudinal e baseado em dados do Registro Hospitalar de Câncer (RHC). O RHC é um banco de dados que fornece informações às organizações nacionais, caracterizando os diversos tipos de câncer, auxiliando na formulação da Política Nacional de Atenção Oncológica. Foram analisados os dados de 906 mulheres entre 18 e 95 anos e a faixa etária predominante foi de 31 a 60 anos (58,9%); 10,81% eram analfabetas e 68,6% possuíam ensino fundamental. O tipo celular mais incidente (40,8%) foi o carcinoma escamocelular e o estádio clínico 0 foi o mais observado (39,6%). Quanto à procedência, observou-se que 86,1% das mulheres eram da Divisão Regional de Saúde-XIII, à qual pertence a cidade de Ribeirão Preto (40,55%). O cruzamento entre escolaridade e estadiamento clínico apontou que, no estádio 0, dos 39,62% dos casos, 34,76% possuíam ensino fundamental ou médio, o que demonstrou influência da escolaridade na detecção do CCU em estádio inicial. Os casos diagnosticados em estádios avançados (III e IV) foram responsáveis pelo maior número de óbitos, sendo que, das 145 mulheres em estádio III, 87 foram a óbito e, das 80 mulheres diagnosticadas em estádio IV, 67 faleceram, enquanto, das 359 mulheres em estádio 0, apenas 14 foram a óbito. No presente estudo, a sobrevida em cinco anos para as mulheres acometidas pelo CCU foi de 56,5%. Os resultados alcançados corroboram com os encontrados nas produções científicas atuais, demonstrando a importância do rastreamento e diagnóstico precoce, a fim de diminuir a mortalidade causada pelo CCU em estádios avançados. Também apontam a necessidade de ações de educação em saúde como um meio para a prevenção do CCU. Ações educativas e preventivas devem ser desenvolvidas de forma contínua na vida das mulheres e o enfermeiro, como membro da equipe de saúde, tem papel fundamental, informando as mulheres quanto às medidas de prevenção da doença e a importância do rastreamento, desmistificando culturas enraizadas e também conscientizando essas mulheres sobre o seu papel de sujeitos responsáveis por sua saúde
Título em inglês
Epidemiological profile of women with cervical cancer treated at a hospital in the interior of São Paulo State
Palavras-chave em inglês
Epidemiological profile
Neoplasm of the cervix
Oncological nursing
Survival
Resumo em inglês
Cervical cancer (UCC) is considered a public health problem in Brazil, since it plays an important role in the morbidity and mortality of women. The main risk factors for UCC development are related to socioeconomic, environmental and lifestyle conditions, which include: early sexual initiation, plurality of sexual partners, smoking, inadequate hygiene habits, prolonged use of oral contraceptives and The non-accomplishment of preventive examination of oncotic cytology. Infection caused by human papillomavirus (HPV) leads to changes that may, over time, progress to UCC. The objective of this study was to characterize the epidemiological profile of women with UCC treated at the Hospital das Clínicas of the Medical School of Ribeirão Preto, University of São Paulo (HCFMRP-USP), from January 2000 to December 2013. This is a retrospective longitudinal study based on data from the Hospital Registry of Cancer (RHC). The RHC is a database that provides information to national organizations, characterizing the different types of cancer, helping in the formulation of the National Cancer Care Policy. Data from 906 women between 18 and 95 years of age were analyzed, and the predominant age group was 31 to 60 years (58.9%); 10.81% were illiterate and 68.6% had primary education. The most incident cell type (40.8%) was squamous cell carcinoma and clinical stage 0 was the most observed (39.6%). Regarding the origin, it was observed that 86.1% of the women were from the Regional Health Division- XIII, to which the city of Ribeirão Preto belongs (40.55%). The intersection between schooling and clinical staging showed that, in stage 0, of the 39.62% of the cases, 34.76% had primary or secondary education, which demonstrated the influence of schooling in the detection of UCC in the initial stage. The cases diagnosed in advanced stages (III and IV) were responsible for the highest number of deaths, and, of the 145 women in stage III, 87 died, and, of the 80 women diagnosed in stage IV, 67 died, while, of 359 women in stage 0, only 14 died. In the present study, the five-year survival rate for women with UCC was 56.5%. The results obtained corroborate with those found in current scientific production, demonstrating the importance of screening and early diagnosis, in order to reduce the mortality caused by UCC in advanced stages. They also point out the need of health education actions as a means to prevent UCC. Educational and preventive actions should be continuously developed in the lives of women and the nurse, as a member of the health team, plays a fundamental role, informing women about the disease prevention measures and the importance of screening, demystifying rooted cultures and also making these women aware of their role as responsible subjects for their health
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2017-07-25
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.