• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.23.2014.tde-28032014-194301
Documento
Autor
Nome completo
Juliana Sayuri Kimura
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2014
Orientador
Banca examinadora
Wanderley, Marcia Turolla (Presidente)
Correa, Maria Salete Nahas Pires
Weffort, Isabela Capparelli Cadioli
Título em português
Alveólise em incisivos decíduos traumatizados: série de casos
Palavras-chave em português
Alveólise
Deiscência
Dente decíduo
Fenestração apical
Traumatismo dentário
Resumo em português
Traumatismo em dentes decíduos pode causar sequelas tanto na dentição decídua como permanente. Em dentes decíduos, uma destas sequelas é a alveólise. Este estudo teve como objetivos: adequar a definição do termo alveólise e sugerir sua classificação em incisivos decíduos traumatizados; verificar sua ocorrência no Centro de Pesquisa e Atendimento de Traumatismo em Dentes Decíduos da Disciplina de Odontopediatria da FOUSP e fazer análise descritiva dos tipos de alveólise com as variáveis relacionadas a criança, ao trauma e ao dente. Um examinador avaliou 2516 prontuários (fichas, radiografias e fotografias) e selecionou 64 casos. Após critérios de inclusão e exclusão, foram analisados 61 prontuários apresentando 73 incisivos superiores decíduos com alveólise. A ocorrência de alveólise foi de 2,4%, sendo 43,8% das crianças entre 4,1 a 5 anos de idade e 63% do sexo masculino. O dente mais afetado foi o incisivo central superior decíduo (89%). Após a classificação de alveólise, verificou-se ocorrência de 9,6% dos dentes com fenestração apical, 19,2% com deiscência total e 71,2% com deiscência parcial. A média de tempo decorrido entre o trauma e o diagnóstico de alveólise foi de 15 meses para fenestração apical, 23,5 meses para deiscência total e 7,5 meses para deiscência parcial. A oclusão em 57,5% das crianças no diagnóstico era normal. O traumatismo periodontal ocorreu em 86,3% dos dentes, sendo que os traumatismos do tipo luxação e luxação lateral foram os mais encontrados em: 42,8% dos dentes com fenestração apical, 35,7% com deiscência total e 57,7% com deiscência parcial. O traumatismo de alta severidade ocorreu na maioria dos dentes com alveólise (82,2%). Clinicamente, 71,2% dos dentes apresentaram padrão angular e 8,2% padrão linear. Em 21,9% dos dentes observou-se perda óssea proximal. Em 89% dos dentes não ocorreu lesões de cárie e 87,7% não tiveram trauma de repetição. O tratamento endodôntico prévio não foi realizado em 94,5% dos dentes. A necrose pulpar foi observada em todos os casos de fenestração apical e em 92,9% dos casos de deiscência total. Em 76,9% dos casos de deiscência parcial não observouse necrose. Todos os dentes com fenestração apical e 85,7% dentes com deiscência total foram extraídos. Nos casos de deiscência parcial, quase metade dos dentes (44,2%) foram acompanhados. Neste estudo, a alveólise em incisivos decíduos foi definida como patologia ósseo-gengival, caracterizada pela exposição da porção apical e/ou vestibular da raiz do decíduo na cavidade bucal, devido a reabsorção da tábua óssea vestibular, com ou sem envolvimento do osso alveolar marginal, causada por infecção periapical e/ou periodontal originada por cárie, traumatismo dentário ou pela pressão do dente no osso alveolar no momento do trauma. Alveólise pode ser classificada: fenestração apical e deiscência total ou parcial. Clinicamente pode apresentar padrões tipo linear ou angular (mesial, vestibular, distal). Radiograficamente, a perda óssea proximal pode ser classificada em horizontal ou vertical. Alveólise é uma sequela de baixa ocorrência, e o tratamento de escolha para fenestração apical e deiscência total é a exodontia e para deiscência parcial pode ser o acompanhamento clínico e radiográfico ou exodontia, dependendo da gravidade do caso.
Título em inglês
Alveolysis in traumatized primary incisors: a case series
Palavras-chave em inglês
Alveolysis
Apical fenestration
Dehiscence
Dental trauma
Primary tooth
Resumo em inglês
Dental trauma in primary teeth may cause sequelae in both primary and permanent dentition. One sequelae in primary teeth is alveolysis. This study aimed: to adjust the definition of alveolysis and to suggest its classification in traumatized primary incisors; to verify its occurrence at the Center of Research and Treatment of Dental Trauma in Primary Teeth of the School of Dentistry of the University of Sao Paulo and to do a descriptive analysis of the variables child, trauma and tooth related to the types of alveolysis. One examiner evaluated 2516 charts (records, radiographs and photographs) and found 64 eligible cases. After inclusion and exclusion criteria, 61 records were analyzed. Alveolysis was found in 73 upper primary incisors. Its occurrence was 2.4% and it was mostly present in male (63%) and children aged between 4.1 to 5 years (43.8%). The primary upper central incisor was the most affected tooth (89%). After classification of alveolysis, the evaluated teeth presented: apical fenestration (9.6%), total dehiscence (19.2%) and partial dehiscence (71.2%). The meantime between trauma and diagnosis of alveolysis was 15 months for apical fenestration, 23.5 months for total dehiscence and 7.5 months for partial dehiscence. The occlusion at diagnosis was normal in 57.5% of the cases. Periodontal trauma occurred in 86.3% of teeth; luxation and lateral luxation were found in 42.8% of teeth with apical fenestration, 35.7% of teeth with complete dehiscence and 57,7% of teeth with partial dehiscence. Trauma severity was high in mostly teeth (82.2%). Clinically, it was found that 71.2% of the teeth presented angular pattern and 8.2% of the teeth presented linear pattern. Proximal bone loss was observed in 21.9% of teeth. We observed that 89% of the teeth did not presented caries and 87.7% of the teeth did not repeated trauma. The previous endodontic treatment was performed in 94.5% of the teeth. Pulp necrosis was observed in all cases of apical fenestration and in 92.9% of the cases of total dehiscence; 76.9% of the cases of partial dehiscence, pulp necrosis was not observed. All teeth with apical fenestration and 85.7% of the teeth with total dehiscence were extracted. In cases related to partial dehiscence, almost half of the teeth (44.2%) were followed up. In this study, alveolysis in primary incisors was defined as a bone-gingival pathology characterized by the exposure of the apical and/or buccal root portion in the oral cavity. The root exposure is due to the bone resorption of the buccal bone plate with or without marginal alveolar bone involvement. This resorption is caused by periapical and/or periodontal infection caused by tooth decay, dental trauma or pressure of the alveolar bone at the time of dental trauma. Alveolysis can be classified into: apical fenestration and total/partial dehiscence. Clinically, patterns such as linear or angular (mesial, buccal, distal) may be observed. Radiographically, the proximal bone loss may be classified in horizontal or vertical. Alveolysis has low incidence and the chosen treatment for apical fenestration and total dehiscence is the tooth extraction, and for partial dehiscence, the treatment can be clinical/radiographic monitoring and extraction, which depends on the case severity.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2014-08-18
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.