• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.23.2016.tde-21052016-100124
Documento
Autor
Nome completo
Lara Maria Herrera
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2016
Orientador
Banca examinadora
Melani, Rodolfo Francisco Haltenhoff (Presidente)
Biazevic, Maria Gabriela Haye
Guimarães, Marco Aurelio
Título em português
Reconstrução facial forense: comparação entre tabelas de espessuras de tecidos moles faciais
Palavras-chave em português
Antropologia Forense
Crânio
Escultura
Face
Odontologia Legal
Resumo em português
As Ciências Forenses empregam a técnica de Reconstrução Facial buscando aumentar as possibilidades de reconhecimento humano. Após análise antropológica, a face é esculpida sobre o crânio esqueletizado e divulgada na mídia. Existem várias metodologias para a modelagem do rosto e das características da face, bem como vários dados de espessuras de tecidos moles que auxiliam no contorno facial. Com o intuito de investigar se existe uma metodologia que favoreça mais reconhecimentos e que permita uma maior semelhança com o indivíduo, este trabalho buscou comparar reconstruções faciais manuais feitas com duas abordagens para o preenchimento dos tecidos moles (métodos Americano e de Manchester) e para a predição dos olhos, nariz, boca e orelhas. Também buscou comparar reconstruções realizadas com quatro tabelas de espessuras de tecidos moles, desenvolvidas para brasileiros por estudos prévios, observando a possibilidade de unir esses dados para auxiliar na reconstrução. Um quarto objetivo foi averiguar se existe influência do sexo e do conhecimento anatômico ou forense na frequência de reconhecimentos. O estudo foi dividido em duas fases. Na primeira, duas reconstruções foram realizadas para dois indivíduos alvos (um homem e uma mulher) com os métodos Americano e de Manchester, aplicando dois guias para olhos, nariz, boca e orelhas. As reconstruções foram avaliadas por quarenta indivíduos (homens e mulheres, divididos em 4 grupos - alunos de graduação em Odontologia que não passaram pela disciplina de Odontologia Legal, alunos de graduação em Odontologia que passaram pela disciplina, especialistas em Odontologia Legal e indivíduos que não possuíam conhecimento de anatomia humana) por meio dos testes de reconhecimento e semelhança. Para o alvo feminino, as frequências de reconhecimentos foram 20% e 10% para os métodos Americano e de Manchester, respectivamente; para o alvo masculino, as frequências foram 35% e 17,5%. Em relação à semelhança, as medianas foram menores que 3 (em uma escala de 1 a 5); entretanto, foi verificada uma exceção para a escultura feita com o método Americano para o alvo masculino, a qual apresentou mediana 3. Na segunda fase, reconstruções faciais para quatro alvos (dois homens e duas mulheres) foram obtidas com o método Americano, considerando as quatro tabelas de espessuras de tecidos moles para brasileiros. Dezesseis reconstruções foram avaliadas por cento e vinte indivíduos, também pelos testes de reconhecimento e semelhança. Assim como na fase I, foram considerados o sexo e o grupo dos avaliadores. Para o alvo 1, as proporções de acertos são significativamente maiores para reconstruções feitas com as tabelas de cadáveres (44% e 38%) em relação às com os dados de exames de imagem. Para o alvo 4, as proporções de acertos com os dados de cadáveres (Tedeschi-Oliveira et al.) e com os de ressonância magnética foram significativamente maiores comparados às reconstruções com dados de tomografias computadorizadas. Em relação à semelhança, somente o alvo 1 mostrou diferenças significativas de frequências de semelhança leve entre reconstruções. Além disso, não houve influência nem do sexo, nem do conhecimento de anatomia nas frequências de reconhecimentos corretos. Espera-se que a tabela proposta possa ser empregada para a população brasileira.
Título em inglês
Forensic facial reconstruction: comparison of facial soft tissue thicknesses data
Palavras-chave em inglês
Face
Forensic Anthropology
Forensic Dentistry
Sculpture
Skull
Resumo em inglês
Forensic Sciences employ Forensic Facial Reconstruction technique to increase possibilities in human recognition. After anthropological analysis, the face can be created on the skeletonized skull and published in the media. There are several methodologies for facial modeling and facial features as well as multiple soft tissue thicknesses data that aid in facial contour. In order to investigate whether a methodology allows more recognition and greater resemblance to a person, this study aimed to compare manual facial reconstructions made with two approaches of filling facial soft tissue (American and Manchester methods) and two approaches to predict the eyes, nose, mouth and ears. This study also intended to compare facial reconstructions carried out with four Brazilian soft tissue thicknesses data, that were developed by previous studies considering the possibily of merging these data for Forensic Reconstruction purpose. A fourth aim was to determine whether sex and anatomical or Forensic knowledge of assessor can influence in frequency of recognition. This study was divided into two phases. In the first phase, two reconstructions were performed for two targets (one male and one female) with American and Manchester methods and applying two guides for eyes, nose, mouth and ears. The reconstructions were evaluated by forty assessors (both sex, divided into four groups - undergraduated students in dentistry who did not study Forensic Dentistry, undergraduated students in dentistry who have gone through the subject of Forensic Dentistry, experts in Forensic Dentistry and individuals who did not have knowlegde of human anatomy) through the recognition and resemblance tests. For female target, frequencies of recognitions were 20% and 10% for American and Manchester methods, respectively; for male target, frequencies were 35% and 17.5%, with significant differences between the proportions of correct responses. Regarding resemblance rates, medians were less than 3 (on a scale from 1 to 5); however, it was found an exception for the sculpture made with the American method for male target, which had median 3. Thus, American method was used for the reconstructions of phase II. In this second phase, facial reconstructions for four targets (two male and two female) were obtained with the American method, considering the four Brazilian soft tissue thicknesses data. Sixteen facial reconstructions were evaluated by a hundred and twenty assessors, also through the recognition and resemblance tests. As in phase I, it was considered the sex and the group of assessors. For the first target, ratios were significantly higher for reconstructions made with data obtained from cadavers (44% and 38%) compared with those obtained from imaging. For the target 4, the proportion of correct responses with data from cadavers (Tedeschi-Oliveira et al.) and from Magnetic Resonance Imaging were significantly higher compared to reconstructions with data from Computer Tomographic scans data. Regarding resemblance, only target 1 showed significant differences in frequency of slight resemblance between reconstructions. In addition, nor sex, nor the knowledge of human anatomy from assessor has influenced the frequency of correct responses. It is also expected that the proposed table be employed for Brazilians.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2016-06-23
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.