• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.25.2016.tde-26042016-102947
Documento
Autor
Nome completo
Cristianne Chiquito Netto
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Bauru, 2015
Orientador
Banca examinadora
Krook, Maria Ines Pegoraro (Presidente)
Fukushiro, Ana Paula
Marino, Viviane Cristina de Castro
Título em português
Área velofaríngea e escape de ar nasal nas condições com e sem prótese de palato
Palavras-chave em português
Escape de ar nasal
Fissura palatina
Insuficiência velofaríngea
Prótese de palato
Técnica Fluxo-Pressão
Resumo em português
Introdução: Embora a avaliação perceptivo-auditiva seja reconhecida como padrão ouro na avaliação clínica da fala de pacientes com fissura palatina e/ou disfunção velofaríngea (DVF), ela pode ser influenciada por inúmeros fatores, dada a sua subjetividade. A avaliação instrumental, como a técnica fluxo-pressão, pode complementar os achados de fala e da função velofaríngea em indivíduos que utilizam prótese de palato com obturador faríngeo para o tratamento da DVF. Objetivos: Descrever e comparar os resultados das medidas da área velofaríngea, por meio da técnica fluxo-pressão, e do julgamento da ocorrência do EAN durante a repetição de palavras com a consoante p e da emissão da palavra papai, durante a realização do Teste de Emissão de Ar Nasal (TEAN), nas condições com e sem prótese de palato e verificar a relação entre a ocorrência do EAN e a classificação da função velofaríngea, nas condições com (CP) e sem (SP) prótese de palato. Material e Métodos: Foi realizado um estudo observacional transversal de uma amostra de conveniência de 94 pacientes com diagnóstico de insuficiência velofaríngea que utilizavam prótese de palato com obturador faríngeo. A classificação do tipo de função velofaríngea (adequada, adequada-marginal, marginal-inadequada e inadequada) foi realizada a partir da medida da área velofaríngea obtida pela técnica fluxo-pressão, durante a produção da consoante p inserida na sílaba pa. Foram coletados dos prontuários dos pacientes os resultados do julgamento da ocorrência (presença/ausência) do EAN durante a repetição de palavras com p e da emissão da palavra papai do TEAN, nas condições sem e com prótese de palato. Resultados: A medida da área velofaríngea e o julgamento da ocorrência do EAN mostraram-se significativamente menores na condição CP. Entretanto, a prótese conseguiu eliminar o EAN em 63,9% dos pacientes, quando se toma a emissão de palavras com a consoante p na avaliação articulatória para comparação, e eliminá-lo em 50% deles quando se toma a emissão da palavra papai do TEAN. Com a prótese, 56,4% pacientes apresentaram função velofaríngea adequada e 43,6% função velofaríngea diferente da adequada (adequada-marginal = 5,3%, marginal-inadequada = 5,3%, inadequada = 33%). Conclusões: As medidas da área velofaríngea obtidas por meio da técnica fluxopressão diminuem significativamente quando o paciente faz uso da prótese (condição com prótese), revelando que a prótese pode melhorar a função velofaríngea para a fala; embora a ocorrência do escape de ar nasal (EAN) na produção da consoante p demonstre ser menor com a prótese, tanto no julgamento pela modalidade auditiva quanto pela visual, a modalidade visual parece ser mais sensível para identificar a ocorrência do escape;o EAN demonstrou ter relação direta com a função velofaríngea, uma vez que apresentou-se ausente em uma função velofaríngea adequada (condição com prótese) e presente em uma função velofaríngea inadequada (condição sem prótese). Contudo, esta relação pode estar susceptível à interferência de muitos fatores que podem influenciar positivamente ou negativamente a ocorrência do EAN na função velofaríngea.
Título em inglês
Velopharyngeal area and nasal air emission in the conditions with and without a palatal prosthesis
Palavras-chave em inglês
Air nasal emission
Cleft lip palate
Palatal prosthesis
Pressure-flow technique
Velopharyngeal insufficiency
Resumo em inglês
Introduction: Although perceptual judgement is recognized to be the gold standard for clinical speech evaluation of cleft palate and/or velopharyngeal dysfunction (VPD) patients, it can be influenced by a number of factors due to its subjectivity. Instrumental assessment such as pressure-flow technique can provide additional information related to speech and velopharyngeal dysfunction findings in individuals adapted to palatal speech device with obturator pharyngeal bulb for treatment of VPD Objectives: Describe and compare the results of velopharyngeal area measurements by using pressure-flow technique and the judgment of the occurrence of air nasal emission (NAE) during repetition of words containing the p consonant and utterance of the word papai in the Test of Nasal Air Emission (TNAE), in conditions with and without palatal speech device as well as to analyze the relation between NAE and velopharyngeal dysfunction ratings in conditions with and without palatal speech device.Method: A retrospective study of samples including 94 patients with diagnosis of velopharyngeal insufficiency wearing palatal prostheses with pharyngeal bulb was performed. Velopharyngeal function was rated (adequate, marginal-adequate, marginal-inadequate and inadequate) in according to velopharyngeal measurements obtained from aerodynamic evaluation during the production of p consonant in the segment pa. The results of NAE occurrence judgement (present/absent) during the repetition of words with p and utterance of papai in the TNAE were collected from the patients´s recordings, in the conditions with and without prosthesis. Results: Velopharyngeal area measurements and NAE occurrence judgement were significantly lower in the with-prosthesis condition. However, speech prosthesis was able to eliminate NAE in 63.9% of the patients, when considering utterances of words with p in articulatory evaluation as comparison, and managed to eliminate it by 50% of them with regard to the word papai in the TEAN. With the speech device, 56.4% of patients demonstrated adequate velopharyngeal function and 43.6% showed velopharyngeal ratings different of the adequate one (marginal adequate = 5.3%, marginal inadequate = 5.3% and inadequate = 33%).Conclusions: The measures of velopharyngeal area obtained byusing pressure-flow technique decreased significantly when the patient uses prosthesis (condition with prosthesis), revealing that the prosthetic device can improve velopharyngeal function for the speech. Although the occurrence of nasal air flow (EAN) in the production of the consonant p presents to be lower with prosthesis, either in the hearing judgement as in the visual one, the latter seems to be more sensible to identify the occurrence of flow. Nasal air flow (EAN) demonstrated to have a direct relation with the velopharyngeal function for it was absent in an adequate velopharyngeal function (condition with prosthesis) and present in an inadequate velopharyngeal function (condition without prosthesis). Nevertheless, this relation may be susceptible to the interference of many factors that may positively or negatively influence the occurrence of EAN in the velopharyngeal function.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2016-04-27
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.