• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.25.2016.tde-25112016-113607
Documento
Autor
Nome completo
Naila Aparecida de Godoi Machado
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Bauru, 2016
Orientador
Banca examinadora
Conti, Paulo Cesar Rodrigues (Presidente)
Branco, Carolina Assaf
Lauris, Rita de Cássia Moura Carvalho
Pegoraro, Luiz Fernando
Santos, Paulo Sergio da Silva
Título em português
Avaliação da influência do tratamento ortodôntico em sinais e sintomas de disfunção temporomandibular, no relato de bruxismo, na hipervigilância à dor e nos sintomas de ansiedade e depressão
Palavras-chave em português
Ansiedade
Depressão
Dor facial
Limiar da dor
Ortodontia
Resumo em português
Novos estudos são necessários para elucidar com maior clareza o impacto da ortodontia na saúde dos músculos mastigatórios e das articulações temporomandibulares. A associação do estudo de sinais e sintomas de DTM com a investigação dos fatores psicossociais apresentam perspectivas promissoras, assim como o conhecimento da presença de hábitos parafuncionais. Entender como os fatores psicossociais interferem nos resultados dos tratamentos clínicos pode trazer contribuições enriquecedoras para a odontologia. Um modelo que tem sido aceito no entendimento da etiologia das DTM é o modelo biopsicossocial, que envolve uma combinação de fatores biológicos, psicológicos e sociais. Segundo essa perspectiva, entende-se que um problema biológico pode ter antecedentes psicológicos, assim como consequências comportamentais. O objetivo deste trabalho é avaliar a influência da ortodontia no desenvolvimento de sinais e sintomas de disfunção temporomandibular, no relato de bruxismo, na hipervigilância à dor e nos sintomas de depressão e ansiedade. 111 pacientes iniciando tratamento ortodôntico foram examinados em 3 sessões: t1 (no momento da instalação do aparelho), t2 (dois meses após a instalação), e t3 (seis meses após o início do tratamento). Nas 3 sessões os pacientes foram examinados clinicamente para avaliação oclusal, limiares de dor à pressão e aplicações de questionários de bruxismo, hipervigilância, depressão e ansiedade. Foram feitas comparações a respeito de cada variável quantitativa considerando os três tempos de avaliação através de Análise de variância (ANOVA) a um critério. O teste t foi utilizado para avaliar diferenças entre as médias das variáveis quantitativas no tempo inicial (t1) e tempo final (t3) de avaliação. Para avaliar o efeito da ortodontia sobre variáveis qualitativas oclusais foi utilizado o teste exato de Fisher. Foram considerados estatisticamente significantes aqueles resultados que apresentaram nível de significância igual ou menor que 0,05. O presente estudo demonstrou que a ortodontia não interfere no surgimento de sinais e sintomas de disfunção temporomandibular, sendo que não houve diferenças na presença de ruído articular e no LDP em nenhum dos sítios durante os períodos avaliados. Os resultados apontaram que nos grupos que não possuíam bruxismo do sono (controle), houve um aumento no relato de bruxismo em vigília após o início da ortodontia. Considerando o grupo de pacientes com maiores sintomas de ansiedade, encontrou-se maior presença de relato de bruxismo em vigília. Por último, os resultados demonstraram que a ortodontia não alterou os escores do questionário de hipervigilância à dor e os sintomas de ansiedade e depressão.
Título em inglês
Evaluation of orthodontic treatment on signs and symptoms of temporomandibular dysfunction, bruxism, pain hypervigilance, anxiety and depression
Palavras-chave em inglês
Anxiety
Depression
Facial pain
Orthodontics
Pain threshold.
Resumo em inglês
Further studies are needed to elucidate more clearly the impact of orthodontics on the health of the masticatory muscles and temporomandibular joints. The study of the association of signs and symptoms of TMD with psychosocial factors have promising prospects, as well as the presence of parafunctional habits. Understanding how psychosocial factors affect the results of clinical treatments can bring great contributions to dentistry. A model that has been accepted in the understanding of the etiology of TMD is the biopsychosocial model, which involves a combination of biological, psychological and social factors. From this perspective, it is understood that a biological problem may have psychological backgrounds, as well as behavioral consequences. The objective of this study is to evaluate the influence of orthodontics in the development of signs and symptoms of temporomandibular disorders, the report of bruxism, hypervigilance to pain, and symptoms of depression and anxiety. 111 patients initiating orthodontic treatment were examined in 3 sessions: t1 (at the time of orthodontic appliance installation), t2 (two months after installation), and t3 (six months after the start of the treatment). In the three sessions, patients were examined clinically for occlusal evaluation, pain pressure thresholds were measured, and bruxism, hypervigilance, depression and anxiety questionnaires were applied. Comparisons were made with respect to each quantitative variable considering the three phases of evaluation through a multi-way analysis of variance (ANOVA). The t test was used to assess differences between means of quantitative variables at the initial time (t1) and end time (t3) evaluation. To evaluate the effect of orthodontics on occlusal qualitative variables we used Fisher's exact test. This study showed that orthodontics does not interfere with the appearance of signs and symptoms of temporomandibular dysfunction, and there were no differences in the presence of articular noise and LDP on any of the sites during the evaluation period. The results showed that the group that did not reported sleep bruxism (control), showed an increase in the reporting of awake bruxism after the start of orthodontics. Considering the group of patients with higher anxiety symptoms, we found a greater presence of daytime bruxism report. Finally, the results showed that orthodontics did not alter the scores of pain hypervigilance questionnaire and symptoms of anxiety and depression.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2016-12-12
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.