• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.25.2014.tde-09092014-162243
Documento
Autor
Nome completo
Rafaela Alves da Silva Alavarce
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Bauru, 2014
Orientador
Banca examinadora
Lara, Vanessa Soares (Presidente)
Lopes, José Fernando Scarelli
Oliveira, Rodrigo Cardoso de
Título em português
Fitoterápico Equisetum giganteum e estomatite protética: estudo da ação antimicrobiana, antiaderente e anti-inflamatória contra Candida albicans, e potencial citotóxico sobre células epiteliais do palato humano
Palavras-chave em português
Candida albicans
Equisetum
Estomatite protética
Resumo em português
A presença de Candida albicans nos biofilmes microbianos aderidos na superfície interna das próteses removíveis, principalmente totais superiores, está relacionada com uma doença inflamatória no palato, conhecida como estomatite protética (EP). Assim, torna-se fundamental a realização de novos estudos sobre alternativas terapêuticas, direcionados à prótese e não somente à mucosa, que sejam simultaneamente antimicrobianas, anti-inflamatórias, não tóxicas para os tecidos bucais e que produzam menos danos à prótese que os métodos convencionais. Os fitoterápicos podem representar uma destas alternativas. Objetivos: O objetivo deste trabalho foi estudar a ação fitoterápica do Equisetum giganteum, nas concentrações de 50, 25, 16, 8 e 4 mg/mL, sobre C. albicans e descartar sua ação citotóxica sobre o palato humano bem como sobre monócitos humanos. Material e Métodos: Após coleta, obtenção e identificação de compostos por espectrometria de massas do extrato hidroalcoólico de E. giganteum, sua atividade antimicrobiana foi determinada pela concentração inibitória mínima em meio líquido, contra as cepas clínicas Candida albicans SC 5314 e Escherichia coli O:124, e a cepa padrão Staphylococcus aureus ATCC 6538. Propriedades antiaderentes do extrato, sobre biofilmes de C. albicans induzidos sobre corpos de prova de resina acrílica, foram determinadas por imunofluorescência (LIVE/DEAD) e pela análise em microscópio de varredura confocal a laser. A atividade anti-inflamatória do fitoterápico foi averiguada através da análise da produção de espécies reativas de oxigênio (ROS) por monócitos humanos estimulados por C. albicans e LPS, por meio da marcação fluorescente utilizando o reagente Cell Rox Deep Red®. Avaliação de citotoxicidade foi realizada in vitro com células epiteliais de palato humano e monócitos humanos, por meio do ensaio colorimétrico MTT. Os resultados foram expressos como média ± desvio padrão e submetidos aos testes estatísticos Teste de Kruskal-Wallis; ANOVA one-Way; ANOVA two-Way, Teste de Miller; Teste de Tukey e Dunnet; Teste de Fisher, sendo p<0,05 considerado significante. Resultados: O estudo da composição química do extrato EtOH 70% de E. giganteum evidenciou a presença de compostos fenólicos derivados dos ácidos cafeico e ferúlico, heterosídeos de flavonoides derivados de quercetina e kaempferol, além de estirilpironas. A atividade bactericida/fungicida foi comprovada em todas as concentrações testadas do extrato e contra todas as cepas avaliadas. Todas as concentrações do extrato resultaram em redução significativa dos biovolumes de células viáveis em relação a resina não tratada, o que indica interferência do fitoterápico na aderência de C. albicans à resina termopolimerizável. A atividade anti-inflamatória foi determinada pelo retorno da produção de espécies reativas de oxigênio aos níveis basais, pelos monócitos humanos ativados, quando tratados com todas as concentrações do extrato. Houve manutenção da viabilidade celular de monócitos humanos e das células epiteliais de palato humano, após contato com o fitoterápico nos períodos de 1, 12 e 24 horas. Conclusão: Estes resultados sugerem que o fitoterápico E. giganteum possui propriedades: microbicida frente a C. albicans, E. coli e S. aureus, antiaderente para C. albicans sobre a superfície da resina acrílica termopolimerizável e anti-inflamatória sobre monócitos humanos ativados por C. albicans. Além disso, o fitoterápico não comprometeu a viabilidade de monócitos humanos e de células epiteliais de palato humano.
Título em inglês
Phytotherapeutic Equisetum giganteum and denture stomatitis: study of antimicrobial, antiadherent and anti-inflammatory action against Candida albicans, and cytotoxic potential in human palatal epithelial cells
Palavras-chave em inglês
Equisetum
Candida albicans
Denture stomatitis
Resumo em inglês
The presence of Candida albicans in the microbial biofilms adhered to the internal surface of the removable denture, mainly the full upper ones, is related to an inflammatory palate disease known as denture stomatitis (DS). Thus, it is essential that new studies are done about therapeutic alternatives directed to the dentures, not only to the buccal mucosa, and which are, at the same time, antimicrobial, antiinflammatory, non-poisoning to the buccal tissues and that they produce less harm to the denture than the current methods. The phytotherapeutic (herbal) remedies may represent a good alternative. Objectives: The aim of this paper is to study the phytotherapeutic action of Equisetum giganteum in the concentrations of 50, 25, 16, 8 and 4 mg/mL on C.albicans and discard the cytotoxic action on the human palate, as well as on human monocytes. Material and Methods: After collecting, obtaining and identifying the compounds by means of mass spectrometry of the hydroalcoholic extract of E. giganteum, its antimicrobial activity was determined by the inhibitory minimum concentration in liquid media, against clinic strains of Candida albicans SC 5314 and Escherichia coli O:124, and standard Staphylococcus aureus ATCC 6538 strains. The antiadherent, properties of the extract on biofilms of C. albicans over acrylic resin proof specimens were determined by immunofluorescence test (LIVE/DEAD) and by the analysis in a Confocal Laser Microscope Scanning. The anti-inflammatory activity of the phytotherapeutic (herbal) remedy was assessed through the analysis of the production of reactive oxygen species (ROS) to human monocytes stimulated by C. albicans and LPS, through fluorescent lighting using the reagent Cell Rox Deep Red®. The evaluation of cytotoxicity was done in vitro with epithelial cells of human palate and human monocytes, through colorimetric MTT assay. The results were expressed in means ± standard deviation and submitted to statistics Kruskal-Wallis Test; ANOVA Two-way, Miller Test; Tukey and Dunnet Test; Fisher Test, where p<0,05 was considered significant. Results: The study of the chemical composition of the extract EtOH 70% of E. giganteum has shown a clear presence of phenolic compounds derived from caffeic and ferulic acids, flavonoid heterosides derived from quercitin and kaempferol, in addition to estirilpirones. Its bactericidal/fungicide activity was proved in all extract concentrations tested and against all evaluated strains. All extract concentrations resulted in significant reduction of bio volumes of viable cells in relation to non-treated resin, which indicates interference of the phytotherapeutic in the adherence of C. albicans to the thermopolymerizable acrylic. The antiinflammatory activity was determined by the production return of reactive oxygen specimens to basal levels, by activated human monocytes, when treated with all extract concentrations. There was cell viability of human monocytes and of human palate epithelial cells, after the contact of with the phytoterapeutic in the periods of 1, 12 and 24 hours. Conclusion: These results suggest that the phytotherapeutic E. giganteum has properties: microbicide in relation to C. albicans, E.coli and S. aureus, antiadherent to C. albicans on thermopolymerizable acrylic and antiinflammatory on human monocytes activated by C. albicans. In addition to this, the phytotherapeutic did not compromise either human monocytes viability or human palate epithelial cells.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2014-09-10
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.