• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Doctoral Thesis
DOI
Document
Author
Full name
Josianne Claudia Sales Rosa
E-mail
Institute/School/College
Knowledge Area
Date of Defense
Published
São Paulo, 2019
Supervisor
Committee
Sánchez, Luis Enrique (President)
Abdala, Fabio de Andrade
Calzada, Victoriano Ramon Vallejo
Pires, Aliny Patricia Flauzino
Reis, Ademir
Title in Portuguese
Planejamento e monitoramento da recuperação de áreas degradadas por mineração: um framework baseado no conceito de serviços ecossistêmicos.
Keywords in Portuguese
Bauxita
Comunidades
Ecossistemas
Florestas (Restauração)
Mineração
Recuperação de áreas degradadas
Abstract in Portuguese
Como forma temporária de uso do solo, a mineração requer planejar o futuro uso da área minerada de modo a deixar um legado positivo, por meio de engajamento com as partes interessadas e afetadas. Entretanto o processo de avaliação dos resultados da recuperação de áreas degradadas está quase sempre estritamente relacionado ao monitoramento de parâmetros biofísicos, sem avaliar o benefício social resultante. A característica integradora do conceito de serviços ecossistêmicos propicia avanços no planejamento e avaliação de resultados de programas de recuperação de áreas degradadas, ao demonstrar como a restauração das funções do ecossistema, induzida pela recuperação, pode melhorar o fornecimento de serviços, o que é refletido na qualidade de vida de seus beneficiários. O objetivo desta tese foi desenvolver um framework que permita incorporar o conceito de serviços ecossistêmicos ao processo de planejamento, implementação e monitoramento dos programas de recuperação de áreas degradadas pela mineração. Tal framework foi desenvolvido incialmente em língua inglesa e chamado de ESAR - Ecosystem Services Assessment for Rehabilitation. A metodologia geral da pesquisa é composta por quatro etapas sequenciais. A primeira foi a revisão da literatura e das boas práticas internacionais, quando foram levantadas informações para desenvolver uma versão preliminar do framework. Na segunda, o ESAR foi testado em duas minas de bauxita operadas pela empresa Alcoa, uma localizada na floresta Amazônica, Pará, Brasil e outra localizada na jarrah forest, na Austrália Ocidental. A terceira etapa objetivou realizar uma validação do ESAR segundo a perspectiva de profissionais da área de mineração. Finalmente, na quarta etapa o ESAR foi submetido à revisão de técnicos dos órgãos governamentais responsáveis pela regulação das minas de bauxita. Em síntese, os resultados dos testes de validação do ESAR demonstram que não se pode assumir que esforços de restauração ecológica automaticamente restauram a qualidade de vida da população afetada pela mineração, assim como a restauração da biodiversidade não necessariamente conduz à recuperação de benefícios sociais provenientes de um serviço ecossistêmico. Tanto os profissionais quanto os reguladores, brasileiros e australianos, acreditam que a análise de resultados requerida pelo ESAR é a etapa mais difícil de ser aplicada e não vem sendo praticada. Discute-se que o conceito de serviços ecossistêmicos facilita o envolvimento das partes interessadas e afetadas, desde que a coleta e análise de dados sejam planejadas e seus resultados sejam estruturados em um banco de dados integrado. A pesquisa leva a concluir que há valor em repensar ou reestruturar práticas de recuperação de áreas degradadas pela mineração de modo a acomodar o conceito de serviços ecossistêmicos ao longo de processos já estabelecidos, para que os benefícios sociais da recuperação sejam explicitamente demonstrados, facilitando a licença social para operar, bem como deixando um legado positivo pós-mineração.
Title in English
Planning and evaluating mine rehabilitation: a framework based on ecosystem service concept.
Keywords in English
Bauxite
Communities
Ecosystem
Mine rehabilitation
Services
Abstract in English
Mining is a temporary land use hence companies are required to rehabilitate mined areas to ensure a positive legacy to society. Engaging with stakeholders is considered a good practice to support planning for post-mining land use. However, only biophysical indicators have been used to assess mine rehabilitation efforts, without an adequate evaluation of social outcomes. Ecosystem services assessment is a tool increasingly being used to understand the benefits that society obtains from ecosystems and is in many decision-making contexts. The integrative characteristic of the ecosystem services concept could advance planning and monitoring mine rehabilitation by translating biophysical outcomes into social benefits, and demonstrating how rehabilitation efforts could improve human well-being. This thesis developed a framework to incorporate the ecosystem services concept into the planning and monitoring process of mine rehabilitation. The framework was called ESAR - Ecosystem Services Assessment for Rehabilitation. The research was conducted in four phases. The first aimed at reviewing the literature and international best practices to develop the draft version of ESAR. In the second phase, ESAR was tested in two bauxite mines located in forest ecosystems, one in Brazil and another in Australia, both operated by the company Alcoa. The third phase aimed at validating ESAR by mining professionals from Brazil and Australia perspectives. In the last phase, government regulators of the two countries assessed ESAR. Overall the study demonstrates that meeting regulatory requirements for rehabilitation, as measured by ecological indicators, does not automatically correlate with acceptable social outcomes. Professionals and regulators see ESAR as an opportunity to engage stakeholders and demonstrate social benefits of mine rehabilitation. Both also affirmed that outcomes analysis of rehabilitation programmes is currently poorly done, and it is the most difficult step of ESAR. We argue that the ecosystem services concept facilitates stakeholders' engagement and that a structured and integrated database is required to demonstrate beneficial outcomes. In conclusion, the research showed value in reframing mine rehabilitation practices to accommodate ecosystem services alongside the well-established ecological goals so as to explicitly demonstrate the social benefits of rehabilitation.
 
WARNING - Viewing this document is conditioned on your acceptance of the following terms of use:
This document is only for private use for research and teaching activities. Reproduction for commercial use is forbidden. This rights cover the whole data about this document as well as its contents. Any uses or copies of this document in whole or in part must include the author's name.
Publishing Date
2019-07-23
 
WARNING: Learn what derived works are clicking here.
All rights of the thesis/dissertation are from the authors
CeTI-SC/STI
Digital Library of Theses and Dissertations of USP. Copyright © 2001-2020. All rights reserved.