• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.39.2016.tde-27042016-113927
Documento
Autor
Nome completo
Bartira Pereira Palma
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2016
Orientador
Banca examinadora
Ugrinowitsch, Carlos (Presidente)
Forjaz, Cláudia Lúcia de Moraes
Rodacki, Andre Luiz Felix
Título em português
Influência do treinamento de força tradicional e em condições de instabilidade nas adaptações neuromusculares, na funcionalidade e na qualidade de vida de idosos
Palavras-chave em português
Instabilidade
Qualidade de vida de idosos
Treinamento de força tradicional
Resumo em português
O treinamento de força (TF) tem sido recomendado no combate à perda de força e massa muscular comuns ao envelhecimento por promover melhoras nessas variáveis. Entretanto, essas adaptações nem sempre são revertidas em aumento da funcionalidade. Nesse sentido, o treinamento de força com instabilidade (TFI) caracteriza-se pela alta demanda de controle motor e maior sobrecarga sobre mecanismos neurais, que podem ter mais influência sobre adaptações neuromusculares que, por sua vez, tem o potencial de melhorar escores de funcionalidade e qualidade de vida (QV). Contudo, poucos estudos abordaram o tema em idosos, e esses não empregaram métodos capazes de elucidar mecanismos responsáveis pelas adaptações neuromusculares observadas. O objetivo deste estudo foi comparar os efeitos do TF e TFI nas adaptações neuromusculares, nos mecanismos inibitórios medulares, na funcionalidade e na qualidade de vida de idosos. Para tanto, 29 indivíduos (±69,8 anos) foram balanceada e aleatoriamente alocados em três grupos, controle (GC, n=10), TF tradicional, (GF, n=10) e TF com instabilidade (GFI, n=9). GF e GFI participaram de 12 semanas de TF progressivo, duas vezes por semana, iniciando com duas séries de 10 a 12 repetições, progredindo para 4 séries de 6 a 8 repetições, realizando os exercícios agachamento, puxada pela frente, leg press, chest press e flexão plantar. O GFI realizou os mesmos exercícios com a adição de acessórios de instabilidade entre a principal base de suporte do indivíduo e o aparelho, ou o solo. O grau de instabilidade foi ajustado utilizando-se acessórios cada vez mais instáveis. Os resultados apontaram menor volume total para GFI nos exercícios agachamento (22%), leg press (24,8%) e flexão plantar (8,5%). Aumentos significantes na força dinâmica máxima, para GF e GFI respectivamente, em membros superiores (14,46% e 10,57%), e inferiores (15,8% e 17,6%). Aumentos no pico de torque extensor de joelho (32,7% e 30,9%), e flexor plantar (40,7% e 78,3%%) para GF e GFI, respectivamente. Aumentos da taxa de desenvolvimento de torque extensor de joelho (34,42% e 48,13%,) e flexor plantar (47,66% e 81,33%,) para GF e GFI respectivamente. Redução do retardo eletromecânico, para GF e GFI respectivamente, no VM (-0,7% e -18,39%), VL (-8,97% e -16,92%), e gastrocnêmio (-9,4% e -24,21%). Aumento da RMS, para GF e GFI respectivamente, no VM (43,84% e 50,27%), VL (43,39% e 55,51%) e gastrocnêmio (68,95% e 80,56%). A funcionalidade melhorou no teste de sentar e levantar (9,44% e 24,21%) e flexão de cotovelo (12,7% e 24,5%), para GF e GFI respectivamente. Os mecanismos inibitórios medulares, o equilíbrio e QV não apresentaram aumentos significantes e isso foi atribuído a alta variabilidade intra-sujeitos, aos fatos de os indivíduos não apresentarem déficit no equilíbrio, e de a variável ser multifatorial, respectivamente. O teste de tamanho do efeito apontou vantagem para GFI no REM do VM, do gastrocnêmio, e no T1/2R dos flexores plantares. Concluímos que o TFI pode ser uma alternativa ao TF, por questões motivacionais ou de variação de exercícios, ou em substituição ao TF quando se deseja melhorar as variáveis que apresentaram vantagem ou treinar com menor VT
Título em inglês
The influence of traditional strength training and strength training with instability on neuromuscular adaptations, functionality and quality of life of elderly
Palavras-chave em inglês
Instability
Quality of life of elderly
Tradicional strength training
Resumo em inglês
Strength training (ST) is widely recommended for improving strength and muscle mass that accompany normal aging. However, these neuromuscular adaptations do not always result in functional capacity improvement. Thereby, instability strength training (IST) can be an option due to its high motor control requirement and possible higher stress on motor control mechanisms and neural adaptations. Thus IST has the potential to affect more functionality and quality of life (QL) than ST. Therefore, the aim of this study was to compare the effects of traditional ST and IST on neuromuscular adaptations, on spinal inhibitory mechanisms, on functionality and on quality of life of elderly. Thus 29 subjects (±69,8 years) were randomly allocated into a ST group (STG n=10), an instability ST group (ISTG n=9), and a control group (CG n=10). STG and ISTG underwent a 12 week progressive ST, twice a week, starting with 2 sets of 10 to 12 repetitions and progressing to 4 sets of 6 to 8 repetitions. The exercises performed included squats, lat pulldown, leg press, chest press and plantar flexion. On IST instability devices were positioned between the subject's main base of support and the ground or the machine's base of support. The instability degree was gradually increased using more unstable devices. The results showed significantly lower total volume (TV) values for ISTG on squat, leg press and plantar flexors exercises (22%, 24,8% and 8,5%, respectively). Increases on maximal dynamic strength, both for upper limbs (14,46% and 10,57%), and lower limbs (15,8% and 17,6%) for STG and ISTG, respectively. Increases on knee extensors (32,7% and 30,9%) and plantar flexors (40,7% e 78,3%) peak torques, for STG and ISTG, respectively. Increases on knee extensors (34,42% and 48,13%), and plantar flexors (47,66% and 81,33%) rate of torque development, for STG and ISTG, respectively. Significant reductions on vastus medialis (18,39% for ISTG), vastus lateralis (8,97% and 16,92%), and gastrocnemius (24,21% for ISTG) electromechanical delay, for STG and ISTG, respectively. Furthermore, RMS significantly increased on vastus medialis (43,84% and 50,27%), vastus lateralis (43,39% and 55,51%), and gastrocnemius (68,95% and 80,56%) for STG and ISTG, respectively. Additionally, sit to stand test showed significant improvement (9,44% and 24,21% for STG and ISTG, respectively), as well as elbow flexors test (12,7% e 24,5% for STG and ISTG, respectively). Spinal inhibitory mechanisms, balance and quality of life did not change from pre to post test. This was attributed to high intrasubjects variability and to the facts that the subjects didn't show deficts on this variable and that the variable is multifactorial, respectively. Effect size showed better results for VM and gastrocnemius REM, and for plantar flexors half relaxation time. Thus, we conclude that IST is an alternative for ST for motivational purposes or to vary the exercises, or it can substitute ST when it is important to improve the variables that showed advantage on IST or to train with less TV. Furthermore, no study has discussed the effects o IST on neuromuscular adaptations. This way, this study shows innovative results
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2016-04-28
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.