• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.41.2014.tde-09032015-114543
Documento
Autor
Nome completo
Juliana Hanna Leite El Ottra
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2014
Orientador
Banca examinadora
Pirani, Jose Rubens (Presidente)
Sajo, Maria das Gracas
Amaral, Maria do Carmo Estanislau do
Demarco, Diego
Santos, Elza Maria Guimaraes
Título em português
Estrutura floral de Galipeinae (Rutaceae) e suas implicações na sistemática, evolução e biologia do grupo
Palavras-chave em português
Biologia floral
Estrutura floral
Rutaceae
Resumo em português
Galipeinae (Galipeeae, Rutoideae) é a subtribo mais diversificada de Rutaceae na região Neotropical. Evidências moleculares recentes sustentam a monofilia do grupo. Embora a delimitação dos gêneros e espécies da subtribo seja baseada principalmente em características florais, existem poucos estudos detalhados sobre a estrutura floral de representantes da subtribo, o que dificulta o uso acurado dos caracteres florais em estudos sobre sistemática e evolução do grupo. Além disso, pouco se sabe sobre as implicações funcionais dessas características na biologia das espécies, sendo necessários mais estudos ecológicos, ainda escassos sobre o grupo. Neste contexto, analisamos comparativamente a estrutura floral de diversos gêneros de Galipeinae e de gêneros americanos proximamente relacionados, apresentando descrições detalhadas e discutindo a implicação dos resultados na sistemática e evolução do grupo. Adicionalmente, investigamos as implicações funcionais de algumas características florais de Galipeinae, por meio do estudo da biologia floral e polinização de três táxons do grupo (Almeidea rubra, Conchocarpus macrophyllus e Angostura bracteata), e com base em dados da literatura e de observações pontuais feitas sobre outras espécies. Como principais resultados das análises estruturais, encontramos diversas características florais que sustentam a monofilia de Galipeinae, excluindo-se uma espécie, Adiscanthus, como a prefloração coclear ascendente ou oblíqua da corola, filetes achatados dorsiventralmente, carpelos com região sincárpica basal curta alcançando menos da metade do comprimento do ovário. Encontramos ainda características florais sustentando o par de gêneros-irmãos Adiscanthus e Hortia, como a conexão posgenital das pétalas apenas na fase de botão, por meio da conexão de células epidérmicas curtas com projeções cuticulares, antera com feixe vascular ramificado no ápice bem como na base, ápice das pétalas inflexo no centro do botão. Outras feições florais reportadas no presente trabalho auxiliam na sustentação de relações filogenéticas recentes no nível genérico ou infragenérico. Em relação ao papel funcional das feições florais de Galipeinae, a sinorganização das peças de diferentes verticilos revelou padrões variados nas espécies aqui estudadas e a arquitetura floral resultante parece refletir diretamente no acesso ao néctar e na polinização. Discutimos essas questões ecológicas ao nível familiar, notadamente em relação a polinizadores nectarívoros de língua e/ou bico relativamente longo, como lepidópteros e aves. Destaca-se ainda a evidência de que a hercogamia seja amplamente distribuída nas Galipeinae, e alguns aspectos funcionais da monossimetria do androceu de algumas espécies são apresentados. Finalmente, os atributos florais analisados em algumas espécies indicam maior especialização floral voltada aos principais grupos de polinizadores, os lepidópteros, notadamente características ligadas ao tubo floral, ao volume e concentração do néctar, ao odor floral e à presença de delicadas plataformas de pouso na flor. Este estudo permitiu identificar diversas hipóteses a serem exploradas em futuros estudos integrativos sobre a estrutura floral, biologia, polinização e evolução em Rutaceae
Título em inglês
Floral structure in Galipeinae (Rutaceae) and its implications in the evolution, systematics and biology of the group
Palavras-chave em inglês
Floral biology
Floral structure
Rutaceae
Resumo em inglês
Galipeinae (Galipeeae, Rutoideae) is the most diversified subtribe of Rutaceae in the Neotropical region. Recent molecular phylogenies support the monophyly of the group. Even though the circumscription of taxa in the subtribe is based mainly on floral traits, there are few detailed studies on the floral structure of the group, preventing an accurate use of floral features in systematic and evolutionary studies. Furthermore, the functional implications of the floral features to the biology of the species in the group still need support from ecological studies, since these are scarce. In this context, we analyzed comparatively the floral structure of several genera of Galipeinae and closely related american genera, presenting detailed descriptions and discussing the relevance of the findings to the systematics and evolution of the group. Additionally we investigated the functional implications of some floral features on an ecological approach, through floral biology and pollination studies of three species of the group (Almeidea rubra, Conchocarpus macrophyllus e Angostura bracteata), as well as based on literature data and field observations on other species. Here we found that floral features strongly support the Galipeinae clade without Adiscanthus, such as cochlear aestivation of petals (either ascending or oblique), filaments dorsiventrally flattened, and a short basal syncarpous zone of carpels, with usually less than half-length of the ovary. The close relationship of Adiscanthus and Hortia, indicated by current molecular phylogenies, is supported by structural features, such as the postgenital connection of petals formed through the interlocking of short epidermal cells and cuticle projections only in bud stage; anthers with the vascular bundle forked towards its apex and base; and petal tips inwardly bent in the centre of the bud. Floral features further support other phylogenetic relationships recently found at the generic or infrageneric levels. Regarding the functional role of floral features, the synorganization of organs of different floral whorls shows several patterns among the studied species, and the resulting floral architecture seems to influence on the nectar access to pollinators. These ecological issues are discussed at the familiar level, notably their relation to long-tongued and/or long-beaked nectarivorous pollinators, such as lepidopterans and birds. Also, we found evidence that herkogamy is a widespread feature in Galipeinae, and the functional role of the androecium monosymmetry is now reported for some species. Finally, floral features indicate in some species floral specialization toward the main groups of pollinators found (lepidopterans), such as nectar volume and concentration, floral tube features, scent and delicate landing platforms. In this study we have also identified a series of hypotheses to be explored in future integrative studies with floral structure, biology, pollination and evolution in Rutaceae
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Juliana_Ottra.pdf (25.74 Mbytes)
Juliana_Ottra_SIMPL.pdf (122.30 Kbytes)
Data de Liberação
2019-03-08
Data de Publicação
2015-05-04
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.