• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
Documento
Autor
Nome completo
Thalia do Socorro Serra Gama
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2017
Orientador
Banca examinadora
Demarco, Diego (Presidente)
Cardoso-Gustavson, Poliana
Lopes Filho, José Hernandes
Cordeiro, Inês
Paula, Orlando Cavalari De
Título em inglês
Floral anatomy and development of species of Phyllanthaceae, Picrodendraceae, Euphorbiaceae and Pandaceae
Palavras-chave em inglês
Alchornea
Floral development
Microdesmis
Nectaries
Phyllanthus
Piranhea
SEM
TEM
Vascularization
Resumo em inglês
Euphorbiaceae s.l. are distributed in the most varied types of vegetation and habitat, being one of the biggests, most complexs and diversified families in the angiosperms. Its classification was discussed during long time by many authors and with the phylogenetic analyses was proved its polyphyletic origin, bearing the dissolution in six distinct families: Phyllanthaceae, Picrodendraceae, Putranjivaceae, Pandaceae, Peraceae e Euphorbiaceae s.s. Considering the floral diversity of these families, fours species were selected to this study, aiming to sample the different groups: Phyllanthus urinaria (Phyllanthaceae), Piranhea trifoliate (Picrodendraceae), Alchornea sidifolia (Euphorbiaceae s.s.) and Microdesmis caseariifolia (Pandaceae). There are few detailed literature about the floral structure of the representants from the allied families of Euphorbiaceae s.l., which makes difficult the accurate usage of the floral characters in studies about systematics and evolution of these groups. Furthermore, information on the functional implications of these characteristics in the biology of the species are limited. In this context, the aim of this work was analyse the floral morphology, with an emphasis on the development patterns, vascularization and secretory structures. For this purpose, floral buds and flowers in different stages of development were fixed, dehydrated, embedded in Paraplast or historesin, sectioned and stained, besides the SEM and TEM analysis that helped on the investigation of the floral ontogenesis and the nectariferous tissue. As main results of the structural analysis, we found that Phyllanthus urinaria has sepals and petals, as well Piranhea trifoliate, both from the clade Phyllanthaceae + Picrodendraceae. Then, flowers from these groups should be studied from its origin and vascularization to have a better understanding of the evolutionary path of the perianth in these families. Piranhea trifoliate also have staminodes that may indicate a transitional process during the evolution of the group. In Alchornea sidifolia we found development patterns that explain the formation of characteristics of anemophilous plant, such as the production of more flowers in the male inflorescences than the more compact and fewer flowered female inflorescences, the presence of unisexual flowers with reduced perianth, absence of nectaries, and female flowers with extensive stigmatic receptive surface. This species also has a peculiar characteristic regarding the number of carpels, which is generally three in the Euphorbiaceae and Malpighiales, even though A. sidifolia has two carpels. Microdesmis caseariifolia displayed variation in the number of stamens, shown a placental obturator and a pistilode, and all these features are novelties to the Pandaceae. This study adds to the floral knowledge of the different families, as well as enable to raise issues to be addressed in future studies about the structure and evolution of floral characters in Malpighiales
Título em português
Anatomia floral e desenvolvimento em espécies de Phyllanthaceae, Picrodendraceae, Euphorbiaceae e Pandaceae
Palavras-chave em português
Alchornea
Desenvolvimento floral
MET
MEV
Microdesmis
Nectários
Phyllanthus
Piranhea
Vascularização
Resumo em português
As Euphorbiaceae s.l. distribuem-se nos mais variados tipos de vegetação e habitat, sendo uma das maiores, mais complexas e diversificadas famílias das angiospermas. Sua classificação foi discutida durante muito tempo por diversos autores e, atualmente, as análises filogenéticas, comprovaram seu polifiletismo, dando suporte ao desmembramento em seis famílias distintas: Phyllanthaceae, Picrodendraceae, Putranjivaceae, Pandaceae, Peraceae e Euphorbiaceae s.s. Considerando a diversidade floral destas famílias, quatro espécies foram selecionadas para este trabalho, visando amostrar os diferentes grupos: Phyllanthus urinaria (Phyllanthaceae), Piranhea trifoliata (Picrodendraceae), Alchornea sidifolia (Euphorbiaceae s.s.) e Microdesmis caseariifolia (Pandaceae). Poucos são os estudos detalhados sobre a estrutura floral de representantes das famílias segregadas de Euphorbiaceae s.l., o que dificulta o uso acurado dos caracteres florais em estudos sobre sistemática e evolução dos grupos em questão. Além disso, as informações sobre as implicações funcionais dessas características na biologia das espécies são limitadas. Nesse contexto, o objetivo desse estudo foi analisar a morfologia da floral, com ênfase nos padrões de desenvolvimento, vascularização e estruturas secretoras. Para isso, botões florais e flores em diversos estágios de desenvolvimento foram fixados, desidratados, incluídos em parafina ou historresina, seccionados e corados, além das análises em MEV e MET que auxiliaram na investigação da ontogênese floral e tecido nectarífero. Como principais resultados das análises estruturais, encontramos que Phyllanthus urinaria possui sépalas e pétalas, bem como Piranhea trifoliata, espécies pertencentes ao clado Phyllanthaceae + Picrodendraceae. Logo, flores desses grupos devem ser analisadas a partir de sua origem e vascularização para que haja um melhor entendimento da trajetória evolutiva do perianto nessas famílias. Piranhea trifoliata também apresentou estaminódios que podem indicar um processo transicional durante a evolução do grupo. Em Alchornea sidifolia nós encontramos padrões de desenvolvimento que explicam a formação de características de plantas anemófilas, como a produção de mais flores nas inflorescências masculinas do que nas femininas, flores unissexuais com perianto reduzido, ausência de nectários e flores femininas com uma extensa região estigmática. Essa espécie também apresenta uma característica peculiar em relação ao número de carpelos, que geralmente são três nas Euphorbiaceae e na das Malpighiales, mas A. sidifolia apresenta dois carpelos. Microdesmis caseariifolia mostrou variação no número de estames, presença de obturador placentário e pistilódio, sendo todas essas características novidades para a família. Este estudo contribuiu com o conhecimento floral das diferentes famílias, bem como permitiu criar hipóteses a serem abordadas em futuros estudos sobre a estrutura e evolução de caracteres florais em Malpighiales
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Thalia_Gama.pdf (10.45 Mbytes)
Thalia_Gama_SIMPL.pdf (1.51 Mbytes)
Data de Liberação
2019-06-26
Data de Publicação
2017-07-28
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.