• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
https://doi.org/10.11606/T.41.2020.tde-16102019-090736
Documento
Autor
Nome completo
Lueji Barros Pestana
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2019
Orientador
Banca examinadora
Marques, Antonio Carlos (Presidente)
Fukuda, Marcelo Veronesi
Gibran, Fernando Zaniolo
Morandini, André Carrara
Título em português
Diversidade e vetores de invasão de espécies introduzidas marinhas em Angola
Palavras-chave em português
Angola
Atlântico Sul
Espécies marinhas não-nativas
Fatores bióticos
Organismos incrustantes
Resumo em português
A bioinvasão é amplamente reconhecida como a segunda principal causa de perda de biodiversidade. A maior parte do comércio mundial ocorre por transporte marítimo entre portos, concentrados em baías e estuários, criando oportunidades para transferências de espécies associadas a cascos de navios e materiais de lastro. Considerando o grande número de espécies não-nativas reportadas para a região do Atlântico Sul e o intenso tráfico de escravos que ligaram os continentes americano e africano desde o século XVI, é esperado que a pouco conhecida costa ocidental de África esteja exposta à intensa introdução de espécies não-nativas. A falta de avaliação ecológica e estudos das espécies não-nativas marinhas em Angola criou uma lacuna em relação à sua distribuição atual e impacto nas comunidades nativas. Os principais objetivos deste estudo foram revelar e avaliar o estado atual das espécies costeiras marinhas bentônicas não-nativas registradas em duas baías angolanas e compreender alguns dos fatores que podem afetar a sua abundância e distribuição. Da revisão bibliográfica realizada, 29 espécies foram classificadas como introduzidas e 7 como criptogênicas. A coleta realizada nos dois pontos, Luanda e Lobito, teve como resultado a identificação de 21 espécies introduzidas e 2 criptogênicas, das quais, 13 são novos registros para a costa Angolana. Considerando apenas as comunidades expostas aos predadores, a variação temporal foi mais intensa em Luanda, local sob forte pressão antrópica. Ao final do experimento, os padrões observados de dominância (cracas nas placas predadas e ascídias nas placas protegidas) indicam que a predação redirecionou o processo sucessional, levando à formação de comunidades diferenciadas. Neste estudo, foi apresentada a primeira avaliação sobre alguns grupos de invertebrados bentônicos sésseis introduzidos na costa angolana. Constata-se que a costa oeste da África é amplamente ignorada do ponto de vista científico, estando entre as regiões menos conhecidas do mundo, sendo imprescindível informações sobre a distribuição das espécies e sua biodiversidade, tanto para nativas como introduzidas. Destacamos alguns mecanismos de interações bióticas que afetam e promovem invasões em comunidades incrustantes, e a necessidade por estudos futuros para obter respostas sobre interações bióticas e distúrbios físicos, como fatores importantes envolvidos nas bioinvasões marinhas nos trópicos
Título em inglês
Diversity and vectors of invasion of marine introduced species in Angola
Palavras-chave em inglês
Angola
Biotic factors
Incrusting organisms
Marine non-native species
South Atlantic
Resumo em inglês
Bioinvasion is widely recognized as the second leading cause of biodiversity loss. Most of the world trade occurs through maritime transport between ports, concentrating on bays and estuaries, creating opportunities for species transfers associated with ship hulls and ballast materials. Considering these large numbers of non-native species reported for the South Atlantic region, and the intense traffic of slaves that connected American and African continents since the XVI century, it is expected that the poorly known Western Coast of Africa would be exposed to intense introduction of exotic species. The lack of ecological assessment and studies of non-native marine species in Angola has created a gap in relation to its current distribution and impact on native communities. The main objectives of this study were to reveal and evaluate the current status of non-native benthic marine coastal species recorded in two Angolan bays and to understand some of the factors that may affect their abundance and distribution. From the literature review, 29 species were classified as introduced and 7 as cryptogenic. The collection of the two sites, Luanda and Lobito, resulted in the identification of 21 introduced species and 2 cryptogenic species, of which 13 are new records for the Angolan coast. Considering only the communities exposed to predators, the temporal variation was more intense in Luanda, a place under strong anthropic pressure. At the end of the experiment, observed patterns of dominance (barnacles on the predatory plates and ascidians on the protected plates) indicate that predation redirected the successional process, leading to the formation of differentiated communities. In this study, the first evaluation of some groups of introduced sessile benthic invertebrates on the Angolan coast was presented. It is noted that the west coast of Africa is largely ignored from a scientific point of view, being among the least known regions in the world, and information on the distribution of species and their biodiversity, both native and introduced, is essential. We highlight some mechanisms beneath biotic interactions that affect and promote invasions in fouling communities, and the demand for upcoming studies to obtain responses about biotic interactions and physical disturbance as important drivers involved in marine bioinvasions in the tropics
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Há arquivos retidos devido a solicitação (publicação de dados, patentes ou diretos autorais).
Data de Liberação
2021-10-15
Data de Publicação
2020-01-15
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.