• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.44.1998.tde-03092013-090232
Documento
Autor
Nome completo
Mario Ferreira de Lima Filho
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 1998
Orientador
Banca examinadora
Brito Neves, Benjamim Bley de (Presidente)
Chang, Hung Kiang
Magnavita, Luciano Portugal
Matos, Renato Marcos Darros de
Petri, Setembrino
Título em português
Análise Estratigráfica e Estrutural da Bacia Pernambuco
Palavras-chave em português
Estratigrafia
Geologia Estrutural
Resumo em português
A Bacia Pernambuco é uma bacia marginal atlântica localizada entre o Lineamento Pernambuco, seu limite norte, e o Alto de Maragogi-Barreiros, seu limite sul. O Limite oeste da bacia é dominado por rochas graníticas, gnaíssicas e migmatitos do Maciço Pernambuco/Alagoas. São identificadas três direções principais de falhas e fraturas: E-W, NW-SE e NE-SW. O sistema de falhas NE é composto por subsistemas com atividades progressivas desde a separação dos dois continentes até sua fase tardia, com a deposição da Formação Estivas. Os grandes falhamentos E-W, que, praticamente, são os seus limites, as falhas horizontais NW-SE do embasamento; e as falhas de gravidade na direção NE-SW. O esforço que gerou a bacia, tem direção NW-SE. Esse esforço ocasionou uma série de grabens extensionais segundo a direção NE-SW, escalonado em direção à plataforma. O Lineamento Pernambuco atuou como uma zona de transferência, separando duas bacias com histórias deposicionais distintas: a Bacia Pernambuco e Bacia Paraíba. A Bacia Pernambuco possui dois grabens, na verdade dois semi-grabens, separados por um alto estrutural. O semi-graben interno composto pelo Baixo de Piedade e o Baixo do Cupe, e o semi-graben externo. A Formação do cabo é a primeira sequência sedimentar a ser depositada na bacia sobre os riolitos da Suíte Vulcânica de Ipojuca. Representa uma série de ciclos deposicionais desenvolvidos em ambiente continental semi-árido, através de leques aluviais subaéreos e subaquosos, mergulhando num lago. Ela é caramente subdividida, estando cada qual depositada em ambientes deposicionais distintos. A facies proximal ('KC IND.1' é restrita à borda da bacia, sendo formada esssencialmente por conglomerados polimíticos grossos e desorganizados, praticamente desprovidos de matriz, depositados na forma de fluxos detríticos coesos em nível de lago raso. A facies mediana do leque aluvial ('KC IND.2') foi depositada por correntes em lençol (sheet flow) num fluxo hiperconcentrado. A facies distal do leque ('KC IND 3') é representada por ritmitos, compostos por argila e arenito arcosiano médio a fino. Possui estratificações plano - paralelas, cruzadas, cavalgantes, tabulares e feições deformacionais, como resultado dos sedimentos mais finos que chegavam ao lago, mostrando-se por vezes bioturbados. Essa facies possui horizontes de folhelhos negros de ambientes anóxicos, que progradam sobre os leques devido à subida do nível do lago; trato de lago profundo. A evolução desse sistema pode ser compreendida através do empilhamento dessas facies. Os ciclos iniciam-se pela deposição dos conglomerados, indicando um soerguimento da área fonte, associado à sazonalidade, com enxurradas esporádicas que permitiram a deposição dos arenitos arcoseanos na parte mediana, terminando pela deposição dos sedimentos finos num lago tectônico. A Formação Cabo demonstra variações de espessura em subsuperfície que estão claramente relacionadas as falhas de borda da bacia. A Formação Estiva, sobreposta à Formação Cabo, mostra as primeiras ingressões marinhas dentro da bacia, num total de, pelo menos, 3 ciclos T-R. O primeiro ciclo, no mínimo, é de idade albiana, e o segundo e terceiro são de idade cenomaniana até santoniana. O ambiente deposicional da Formação Estiva é típico de Planície de Maré. São identificados os subambientes de plataforma rasa, inframaré e supramaré. Os dados de poços e campo sugerem que o vulcanismo Ipojuca está intimamente associado com os sedimentos clásticos e não-clásticos da bacia, formando sills, diques, lacólitos, etc. A presença de ignimbritos, púmice e rochas vulcanoclásticas sugere um vulcanismo explosivo. As intercalações com rochas carbonátoicas e fluxos piroclásticos subaquosos sugerem evidências de processos, predominantemente, de vulcanismo subaquático. A Formação Algodoais tem sua deposição em ambiente de leques aluviais continentais, resultante do tectonismo pós-turoniano, o qual provocou o retrabalhamento das rochas vulcânicas e dos clásticos da Formação Cabo. Duas unidades informais podem ser subdivididas dentro da Formação Algodoais: uma unidade basal (água Fria) e uma superior (Tiriri). São identificados na Bacia Pernambuco seis eventos de grande magnitude intimamente relacionados a sua evolução: Evento Magmático Inicial - Esse evento ainda assume um caráter especulativo, face à não datação, ainda, das rochas vulcânicas envolvidas. Porém, as relações de campo nos mostram que a base da Formação Cabo, principalmente na parte emersa da bacia, é composta essencialmente por riolitos. Evento Rifteamento - Esse evento representa a época da deposição dos conglomerados sin-tectônicos da bacia. Evento Transgressivo - Esse evento é marcado pela deposição de carbonatos. Uma rápida inundação é responsável pela deposição de folhelhos pretos anóxicos na base do calcário Estiva. Transgressivo - Esse evento é marcado pela deposição de carbonatos. Uma rápida inundação é responsável pela deposição de folhelhos pretos anóxicos na base do calcário Estiva. Evento Magmático Básico - As relações de campo mostram um fenômeno magmático de grande expressão, essencialmente básico (basaltos e diabásio), que corta os riolitos da base, a Formação Cabo e a Formação Estiva; Evento Tectônico - Na Bacia Pernambuco, verifica-se um forte tectonismo posterior ao magmatismo do evento anterior, pois atinge as rochas vulcânicas, principalmente o basalto, gerando uma série de grabens e horsts, criando, assim, espaço para a deposição dos sedimentos da Formação Algodoais, e o Evento Magmático Ácido - No topo da Formação Algodoais existe uma mancha sedimentar esbranquiçada, formando colunas sextavadas já caulinizadas. Quanto a presença de hidrocarbonetos, a Bacia Pernambuco tem características estratigráficas, sedimentares e estruturais semelhantes as demais bacias marginais brasileiras onde ocorrem óleo e gás.
Palavras-chave em inglês
Not available.
Resumo em inglês
The Pernambuco Basin is located in the Northeastern Brazil, extenting from the South of the Pernambuco Lineament to the Maragogi-Barreiros High, and has its origin and geologic history closely related to the latest tectonic efforts which resulted in the opening of the southern portion of the Atlantic Ocean and the consequent separation between South America and Africa. The Precambrian crystalline basement of the area belongs to the so-called Borborema structural province, composed of a patchwork of supracrustal and infracrustal rocks as well as granites and migmatites, affected by Late Precambria Brasiliano orogeny. The various patches are separated chiefly by SW-NE trending faults and W-E shear zones and lineaments among which the Pernambuco Lineament is the most important. In the Aptian or maybe somewhat earlier the northward propagating South of this lineament the rift reached NE Brazil, up to the E-W Pernambuco Lineament. South of this lineament the Pernambuco Basin formed, with several individual small grabens within it. North of the lineament the area continued as a structural high, and linked to Africa. The sedimentary deposition in the Pernambuco Basin started with a basal section which consisted of a thick sequence of rift-border conglomerates passing eastward from proximal to medium and distal into lacustrine depositional system (Cabo Formation). The conglomerates are composed of boulders to pebbles derived from crystalline basement rocks within an arkosic to lithic matrix. Towards the distal lake, sandstones intercalations became even more frequent, while in the most distal parts siltstone to shale beds, with a few fossils, also appear. The units has been dated on Late Aptian, although its lower section may be older. Chiefly in Albian time an intense alkaline to intermediate volcanism affected the area. Dykes, plugs, sills and flows occur, whereas the rock types are represented by basalt, andesite, trachyte, rhyolites and the well-known Cabo de santo Agostinho granite. Ignimbrites and volcanoclastic are also frequently found. These rocks are called the Ipojuca Suite. During the Albian transgression the sea invaded part of the area leaving behind the fossiliferous limestone of the Estiva Formation. The carbonate section in the south of the Pernambuco Lineament is characterized by four deposited during Albian; Cenomanian/Turonian, Turonian/Santonian and Maastrichian ages, occurring next to Pernambuco Lineament and linked the evolution of the Paraiba basin. Near the end of the rift valley the sediment sequence turned microclastic, with red shales and claystones and some traces of evaporites, suggesting the realm to be the end of a sea-arm with possibly sabkhas. A tectonic reactivation (90 My - approximately) of the basin gave rise to the development of depocenters in which coarse-grained clastic sediments of the origin volcanic were deposited (Algodoais Formation). The tectonic evolution of the Pernambuco Basin began in the Aptian. A volcanic magmatism was the driving mecanism for the opening of the basin. This magmatism had its origins probably in the hot spot of St. Helena about 120my ago. Its opening created conditions for the deposition of the sytectonic clastic sediments as well as the generating rhyolites as a crustal fusion product. The initial opening stage of the south Atlantic was followed by an extensional force with a NW-SE trending, generating the basins along the northeastern margin of NE Brazil and also the western margin of Africa.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2013-09-03
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.