• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Master's Dissertation
DOI
10.11606/D.44.1993.tde-28082015-150057
Document
Author
Full name
Sérgio Brandolise Citroni
Institute/School/College
Knowledge Area
Date of Defense
Published
São Paulo, 1993
Supervisor
Committee
Basei, Miguel Angelo Stipp (President)
Castro, Joel Carneiro de
Trompette, Roland Raymund
Title in Portuguese
Ambientes deposicionais e significado geotectônico da sedimentação do grupo Itajai-SC
Keywords in Portuguese
Geotectônica
Sedimentologia
Abstract in Portuguese
O Grupo Itajaí, unidade estratigráfica situada na bacia de mesmo nome, localizada no Vale do Rio Itajai-Açu (SC), é composto por uma sucessão de sedimentos epiclásticos anquimetamórficos e Vulcanoclásticas de idades Eopalsozóicas. A partir do reconhecimento de paleoambientes deposicionais e de sua sucessão, o presente trabalho identificou uma série de unidades litológicas, expressas na forma de associações de fácies, conforme apresentado abaixo:1 - Associações turbidíticas 1.1 - Turbiditos densos arenosos a conglomeráticos 1.2 - Turbiditos densos gradados1.3 - Turbiditos clássicos de média densidade 1.4 - Turbiditos diluídos 2 - Associações baciais 2.1 - Hemipelagitos 2.2 - Depósitos de escorregamento subaquoso 3 - Associações transicionais 3.1 - Arenitos de planícies costeiras 3.2 - Arenitos deltaicos 3.3 - Arenitos de águas rasas 4 - Associações continentais 4.1 - Leques aluviais rudíticos 4.2 - Fluvial arenoso entrelaçado. Tais Associações de fácies foram posteriormente reagrupadas com base em critérios de campo resultando em uma série de unidades estratigráficas e de mapeamento, compatíveis com sua representação na escala de 1:50.000. Na maioria dos pontos de contato com o embasamento, a unidade basal da Bacia do Itajai é a Formação Gaspar, formada por sedimentos arenosos e areno-argilodos com estratificações cruzadas de variadas escalas. Em sua porção basal é constituída por sedimentos das associações de fácies 3.1 (arenitos de planície costeira) e 3.2 (arenitos delcaicos), agrupados sob a denominação de Membro-Jordão da Formação Gaspar. Para o topo, e em direção as porções mais centrais da bacia, esse membro grada para os sedimentos subaquosos da associação de fácies 3.3 (arenitos de águas rasas), denominada Membro-Garcia da Formação Gaspar. Em alguns pontos pelos quais se deu o aporte de sedimentos fluviais, a Formação Gaspar é substituída pela Formação Baú como unidade basal. A Formação Baú também pode ocorrer na forma de intercalações dentro da Formação Gaspar. Apresenta a geometria de cunhas sedimentares situadas nas duas margens principais da bacia. Conglomerados constituem o Membro Ponta Aguda da Formação Baú, equivalendo a associação de fácies 4.1 (leques aluviais rudíticos). Esse membro ocupa uma posição preferencialmente basal, para o topo, ela adquire um caráter dominantemente arenoso, constituindo o Membro Blumenau, este representado pela associação de fácies 4.2 (fluvial arenoso entrelaçado). Em direção ao topo, a Formação Baú é recoberta pelos membros Jordão e Garcia da Formação Gaspar e, por sobre estes, transgridem as unidades depositadas em águas mais profundas, da Formação Ibirama, constituídas predominantemente pela associação da fácies 1.3 (turbiditos clássicos), unidade aqui denominada Membro Kroberger da Formação Ibirama. De maneira subordinada, ocorrem lentes e cunhas de turbiditos canalizados, de granulação mais grossa, constituindo o Membro Ribeirão do Bugre, formado pelas associações 1.1, 1.2 e 2.2 (turbiditos densos arenosos a conglomeráticos, turbiditos densos gradados e depósitos de escorregamento subaquoso). Sedimentos mais finos, depositados nas posições mais distais da bacia a época da sedimentação da Formação Ibirama, foram separados em uma unidade estratigráfica independente, denominada neste trabalho de Formação Riberão do Espinho, constituída pelas associações de fácies 1.4 e 2.1 (turbiditos diluídos e hemipelagitos). Ocorre de forma interdigitada no Memmbro Krooberger da Formação Ibirama, sendo ainda cortada por raros canais erosivos preenchidos pelo Membro Ribeirão do Bugre. O magmatismo sem-sedimentar presente na bacia ocorre de duas maneiras: (1) como níveis restritos de tufos finos, fortemente recristalizados, situados principalmente nas formações Baú e Gaspar (basais), e (2), como vulcânicas e subvulcânicas riolitico-traquiticas, com raros termos mais básicos (nugearitos), todos com tendências alcalina, que ganham importância a medida que se ascende na estratigrafia, culminando com grandes domos e derrames sem-sedimentares em meio as formações Ibirama e Ribeirão do Espinho, na região de Apiúna. A bacia sofreu a ação de deformações pós-deposicionais, concentradas principalmente em seu limite sul, no qual é cavalgada pelas rochas supracrustais do Grupo Brusque. Tais deformações ocorrem principalmente na forma de falhas inversas e dobras e foram principalmente fruto da ação dos cavalgamentos do Grupo Brusque que atingiram a sua borda sul por volta de 535 Ma, tratando-se portanto de deformações pós-deposicionais. A sequência estratigráfica conforme apresentada, mostra nitidamente a ocorrência de um ciclo transgressivo, com uma sucessão continental-transicional-marinha, característica de processos de rifteamento progressivo. Essa sequência, associada a ausência de deformações sin-sedimentares e ao caráter alcalino do magmatismo associado, se mostra mais compatível com o modelo de um reft continental, do que com modelos adotados por outros autores, que consideram a bacia ou como uma antefossa molássica, gerada pela carga tectônica dos cavalgamentos do Grupo Brusque, ou como uma bacia de "strike-slip", produzida pela atuação de falhas transpressivas. O mecanismo que melhor explica a geração do rift do Itajaí foi a ação conjunta das tensões produzidas pela interação entre a Microplaca Curitiba, a Microplaca Luis Alves e o Cinturão Granitóide Costeiro (ou Batólito de Paranaguá), ocorrida por volta de 560-550 Ma. A bacia do Itajaí, portando, seria um rift passivo, ou, utilizando-se de um termo mais adequado, um impactógeno, semelhante ao Gráben do Reno, produzido pela colisão Europa/Africa.
Title in English
Not available.
Keywords in English
Not available.
Abstract in English
The Itajai Group, a stratigraphic unit located in a basin of the same name, in the Itajai-Açu River Valey (SC), is formed by a succession of eopaleozoic epiclastic anquimetamorphic sediments with subordinated volumes of tufs and vulcanic and volcaniclastics rocks. This volcanism is dominantely trachytic-rhyolitic with a marked alkali trend. The basin has suffered its post-depositional deformation are which mainly affected its southeastern border. The deformations are mainly ocurried reserve faults and folds, formed during overthrusting, of the Brusque Group wich occurred at about 535 Ma. By analysis of the depositional paleoenvironments and the stratiguaphic succession, the present work has identified a group of lithological units, expressed in the form of facies association, as above follows: 1 - Turbiditic associations 1.1 - Dense arenaceous to conglomeratic turbidites 1.2 - Dense graded turbidites 1.3 - Classic médium-density turbidites 1.4 - Diluted turbidites 2 - Basinal associations 2.1 - Hemipelagites 2.2 - Subaqueous slump deposits 3 - Transitional associations 3.1 - Coastal plain sandstones 3.2 - Deltaic sandstones 3.3 - Shallow water sandstones 4 - Continental associations 4.1 - Ruditic aluvial fans 4.2 - Braided fluvial arenaceous. These facies associations were later regrouped, using destinctive field criteria, into mapping and stratigraphic units, compatible with their representation at the 1:50.000 scale. The most common unit in contact with the basement is the Gaspar Formation, composed of sandstones and sand-mudstones with cross stratification at various scales. In the basal portions this is formed by sediments of the facies associations 3.1 (coastal plain sandstones) and 3.2 (deltaic sandstones), grouped together in the Jordão Member of the Gaspar Formation. Towards the top, and towards the central portions of the basin, this member grades into subaqueous sediments of the facies association 3.3 (shallow water sandstones), of the Garcia Member of the Gaspar Formation. At the main points of fluvial supply, the Gaspar Formation is replaced at the base of the sequence by the Bau Formation. This unit also can occur as intercalations in the Gaspar Formation. It occurs as sedimentary wedges at both main basin margins. Yhe dominantly rudaceous portions constitute the Ponta Aguda Member of the Bau Formation, corresponding to the facies association 4.1 (ruditic alluvial fans). This member occupies a basal position and grades upwards to finer material represented by the sandstones of Blumenau Member representing the facies association 4.2 (fluvial sandstones). The Garcia and Jordão Members of the Gaspar Formation cover the sandstones of the Bau- Formation and are covered by the transgressive units of Ibirama Formation, predominantly formed by facies association 1.3 (classic turbidites) which includes the Kroberger and Riberão do Bugre Members. More distal turbiditic sediments, deposited at the time of Ibirama Formation sedimentation were separated as an independent unit named the Riberão do Espinho Formation which includes facies associations 1.4 (and 2.1 (diluted turbidites and hemipelagites). The magmatism in the Itajai Basin is mainly syn-sedimentary occurring as recrystallized fine tuffs in the lower formations (Bau and Gaspar) as well as flows and domes of alkali rhyolitic-trachytic volcanic rocks most common towards the top the Ibirama and Riberão do Espinho Formation. The Itajai Basin deformation pattern is a post-sedimentary feature more strongly developed in the southeastern border where the influence of thrusting of the Brusque Group over the Itajai sediments is clear. The deformation occurs mainly as inverse faults and folds related to the thrusts from SE to NW. A continental rift is supposed to be the origin of the Itajai Basin. This hipotesis is based on the transgressive sedimentary sucession (from continental to marine environment) typical of this kind of rift, on the presence of alkali felsic magmatism, and on the post sedimentary deformation pattern. This continental rift could be generated as a passive rift related with the Coastal Granite Belt and the Luis Alves Microplate collision in a similar contect to that of Rhine Graben in Europe, formed during the Europe-Africa collision.
 
WARNING - Viewing this document is conditioned on your acceptance of the following terms of use:
This document is only for private use for research and teaching activities. Reproduction for commercial use is forbidden. This rights cover the whole data about this document as well as its contents. Any uses or copies of this document in whole or in part must include the author's name.
Citroni_Mestrado.pdf (35.85 Mbytes)
Publishing Date
2015-08-31
 
WARNING: Learn what derived works are clicking here.
All rights of the thesis/dissertation are from the authors
Centro de Informática de São Carlos
Digital Library of Theses and Dissertations of USP. Copyright © 2001-2020. All rights reserved.