• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.44.1995.tde-03092013-084815
Documento
Autor
Nome completo
Fernando Mancini
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 1995
Orientador
Banca examinadora
Riccomini, Claudio (Presidente)
Brito Neves, Benjamim Bley de
Suguio, Kenitiro
Título em português
Estratigrafia e aspectos da tectônica deformadora da Formação Pindamonhangaba, Bacia de Taubaté, SP
Palavras-chave em português
Brasil
Estratigrafia
Geologia
Resumo em português
Os depósitos sedimentares neogênicos da Formação Pindamonhangaba, Bacia de Taubaté, localizados na região entre Jacareí e Roseira (SP), foram estudados a partir da análise estratigráfica e do levantamento das estruturas tectônicas rúpteis que os afetam, visando elaborar o modelo evolutivo para esta formação. Como resultado dos estudos desenvolvidos, a Formação Pindamonhangaba cartografados na escala 1:100.000, pode ser dividida em dois membros interdigitados, designados de Rio Pararangaba e Presidente Dutra, assentados discordantemente sobre os sedimentos do Grupo Taubaté (formações Resende, Tremembé e São Paulo). O Membro Rio Pararangaba é caracterizado pela presença de conglomerados areia sustentados que, para o topo, gradam para arenitos grossos a médios com estratificações cruzadas tabulares e acanaladas, representando as fácies de canal de um sistema fluvial meandrante. Localmente, ocorrem pacotes de argilas pretas, ricas em matéria orgânica, originadas pelo abandono e preenchimento de canais (oxbow lakes). O Membro Presidente Dutra é composto por argilitos maciços a laminados, com intercalações de siltitos e arenitos finos, bioturbados e com impressões de fósseis vegetais, representando as fácies de planície de inundação do sistema fluvial meandrante. Camadas de arenitos grossos com clastos de argilitos podem estar presentes, indicando processos de rompimento de diques marginais (crevasse splay). O modelo evolutivo para a Formação Pindamonhangaba compreenderia a instalação de um sistema fluvial meandrante de granulação grossa, com as fácies de canais (Membro Rio Pararangaba), passando para o de granulação fina, com as fácies de planície de inundação (Membro Presidente Dutra), tendo como área-fonte as rochas do embasamento pré-cambriano e do Grupo Taubaté. O aumento da sinuosidade do canal fluvial permitiu o desenvolvimento das fácies de planície de inundação (Membro Presidente Dutra), com paleogeografia muito semelhante a do atual Rio Paraíba do Sul. O clima na época de deposição teria sido úmido, como pode ser inferido a partir dos argilominerais presentes, predominando caulinitas detríticas associadas a caulinitas autigênicas. As estruturas tectônicas rúpteis observadas evidenciam a ocorrência de pelo menos três regimes tectônicos para a região, atuantes após a deposição da Formação Pindamonhangaba: - regime tectônico de caráter transcorrente dextral, com compressão de direção NW-SE, no Neógeno-Quaternário, responsável pela geração de falhas-em-quilha e estruturas-em-flor positivas, as quais efetam depósitos coluviais e stone line sobrepostas à Formação Pindamonhangaba; - regime tectônico extensional, de direção geral E-W, no Holoceno, gerando falhas normais e a reativação de antigas estruturas com direções NNW-NNE; - regime compressivo E-W, atual, afetando antigas zonas de fraqueza, com a geração de juntas conjugadas de cisalhamento e reativando falhas com caráter normal. Complementando o estudo, foram executados perfis cintilométricos em sedimentos do Membro Rio Pararangaba, os quais mostraram valores cintilométricos anômalos decorrentes da concentração de monazitas.
Palavras-chave em inglês
Not available.
Resumo em inglês
Neogene fluvial meandering deposits of the Pindamonhangaba Formation (Taubaté Basin, Southeastern Brazil) comprise two interfingered members, here named Rio Pararangaba Member and Presidente Dutra Member. The Rio Pararangaba Member corresponds to the phase of installation of the coarse grained meandering system and is composed of cross-bedded sand-supported conglomerates of channel facies (channel lag, point bar and cutoff deposits), fining upwards to fine grained sandstones, siltstones and organic-rich claystones of oxbow-lake facies. The President Dutra Member represents the fine grained meandering system with massive to laminated claystones with interbeded sandy siltstone of flood plain facies, and sandstones of crevasse splay facies. Both members were probably deposited under a humid paleoclimate, as inferred by the proposed facies model and the clay-mineral association of detrital and authigenic kaolinites. Post-sedimentary brittle structures, such as faults, folds and conjugate shear joints suggest three successive changes in the stress field, at first related to Neogene-Quaternary NW-SE compressive stress associated with an right-lateral E-W transcurrent binary, followed by Holocene E-W extension, and finally an contemporary E-W compressive stress field.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Mancini_mestrado.pdf (15.32 Mbytes)
Data de Publicação
2013-09-03
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.