• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.44.1997.tde-17032014-112413
Documento
Autor
Nome completo
Ana Lúcia Desenzi Gesicki
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 1997
Orientador
Banca examinadora
Riccomini, Claudio (Presidente)
Brandt Neto, Max
Coimbra, Armando Marcio
Título em português
Geologia da Formação Aquidauana (Neopaleozóico, Bacia do Paraná) na Porção Centro-Norte do Estado de Mato Grosso do Sul.
Palavras-chave em português
Geologia (Brasil)
Resumo em português
Este trabalho resulta da investigação das rochas sedimentares da Formação Aquidauana (Carbonífero-Permiano) em Mato Grosso do Sul sob a abordagem da análise de fácies sedimentares, visando o reconhecimento dos principais sistemas deposicionais e respectiva disposição paleofisiográfica, de forma a contextualizar a deposição da unidade dentro da glaciação gondvânica neopaleozóica. As estruturas tectônicas ocorrentes tanto nas rochas paleozóicas quanto nos depósitos coluviais e aluviais cenozóicos da área foram também alvo deste estudo no sentido de delinear pioneiramente o tectonismo deformador pós-Paleozóico, de caráter rúptil, atuante na configuração da atual borda oeste da Bacia do Paraná. A subdivisão estratigráfica informal da Formação Aquidauana em três intervalos - inferior, médio e superior - resultou no reconhecimento de onze associações de fácies sedimentares representativas de distintos sistemas deposicionais. O intervalo inferior é caracterizado por sistemas deposicionais aluvial e fluvial entrelaçado com retrabalhamento eólico localizado, dispostos lateralmente a ambiente subaquático raso provavelmente marinho shoreface e offshore, onde a sedimentação foi resultante de retrabalhamentos durante tempestades episódicas e de intensa ressedimentação confinada ou não-confinada, possivelmente promovida por avanços e/ou proximidade das geleiras ao ambiente sedimentar. O intervalo médio é marcado pelo afogamento generalizado do sítio sedimentar, quando se instala deposição essencialmente pelítica procedente de correntes de turbidez de baixa densidade, num cenário de melhoria das condições climáticas, que teria permitido a proliferacão de organismos bentônicos, configurando fase interglacial. A retomada de sedimentação subaquática, progressivamente mais rasa e resultante de fluxos trativos de maior energia, caracterizam a base do intervalo superior. Nela, o topo do intervalo médio é intensamente retrabalhado pela instalação de fluxos gravitacionais de sedimentos de diversos graus de coesão, que assinalam a retomada dos avanços de geleiras à bacia e um novo ciclo sedimentar. Esta fase de ressedimentação foi seguida pela instalação de sucessões shoaling upward, num contexto de linha de costa progradante assolada por tempestades, pelo avanço de braid deltas e pela ampliação das áreas de exposição subaérea. Neste cenário, durante os picos de glaciação (stadial maxima), os avanços de glaciares promoveram substancial aporte de sedimentos rudáceos à bacia, que foram progressivamente ressedimentados por ocasião dos seus recuos, tanto em condições subaéreas quanto subaquáticas, devido às oscilações do nível d'água do corpo aquoso antes retraído. As indicacões sedimentares apontam para condições climáticas bastante severas (há indícios de que o substrato sedimentar tenha estado congelado) e de acentuada aridez (predomínio de sedimentacão eólica). O topo do intervalo superior registra significativa ampliação das áreas de sedimentação eólica e não exibe mais nenhum indício da proximidade de geleiras. O sistema deposicional eólico é caracterizado por depósitos de dunas de médio porte e amplas áreas de deposição de sand sheets, nos quais se desenvolveram depósitos lacustres terrígenos e carbonáticos (bancos oolíticos), com discretos indícios de precipitação de sais. Acredita-se ter este conjunto sedimentar se formado já num cenário pós-glacial, regido por condições climáticas tão áridas quanto nas outras associações de fácies da Formação Aquidauana, mas possivelmente mais quentes. Seria correlato, em termos estratigráficos e paleoambientais, à Formação Dourados. A análise das paleocorrentes deposicionais revela que a migração dos fluxos canalizados e fluxos gravitacionais foi voltada para NW e SW, exceto no conjunto sedimentar correlato à Formação Dourados, marcado por significativo transporte fluvial para SE. O regime de ventos variou de uma constante direção de migração de NW para SE, no intervalo inferior, para uma distribuição bimodal no intervalo superior, caracterizando ventos predominantes provenientes de SW e Sul. Os pavimentos estriados pelo gelo indicam que o avanço das geleiras neopaleozóicas foi de SSE para NNW, provenientes das mesmas áreas-fontes de geleiras admitidas para o Grupo ltararé na borda leste da Bacia do Paraná. O tectonismo deformador do pacote sedimentar paleozóico na borda oeste da bacia está relacionado a cinco fases distintas: a) fase de extensão E-W, sin-deposicional ao topo do pacote sedimentar neopaleozóico (possivelmente Formação Dourados), acompanhada de abalos sísmicos; b) fase de transcorrência dextral, pós-Jurássica, associada a binário de direção E-W, com eixo de máxima compressão ('sigma IND. 1') de direção NW-SE e de máxima extensão ('sigma IND. 3') de direção NE-SW; c) fase de compressão E-W, neotectônica, reconhecida através famílias de juntas conjugadas de cisalhamento que afetam indistintamente depósitos coluviais quaternários e sedimentos paleozóico-mesozóicos; d) fase de compressão NE-SW, neotectônica, provavelmente associada a binário sinistral de direção E-W, identificada através de falhas direcionais que foram reativadas posteriormente, na fase de extensão E-W, como falhas normais que afetam, além dos sedimentos paleozóicos, depósitos aluviais quaternários de baixos terraços.
Palavras-chave em inglês
Not available.
Resumo em inglês
Neopaleozoic glaciation in western Gondwana covered more than 1,000,000 km² of the Paraná Basin in Brazil. Along the western border of this basin, in Mato Grosso do Sul State, glacial deposits are encompassed within the Carboniferous-Permian Aquidauana Formation. Facies analysis of this unit has permitted the recognition of eleven facies associations grouped in three stratigraphic intervals. The lower interval is characterized by an alluvial fan and fluvial-braided system with minor aeolian reworking. These deposits grade laterally to marine shoreface and offshore deposits related to storm-dominated reworking and expressive confined and unconfined resedimentation possibly caused by glacial advance. The middle interval represents an interglacial phase marked by extensive flooding with fine sedimentation caused by low-density turbidity processes. At this time, a warmer climate favoured proliferation of benthic organisms. The lower part of the upper interval is marked by shallow-water conditions with high energy tractive flows and intense resedimentation of material reworked from the top of the middle interval. These flows indicate a new phase of glacier advance into the basin and a new sedimentary cycle. This interval is characterized by shoaling-upward successions in a context of progradational shoreline under storm-dominated conditions, by the advance of braid deltas and by increasing subaerial exposition. ln this scenario, during the peaks of glaciation (stadial maxima), glacier advances increased the clastic supply to the basin, and this material was progressively submitted to subaerial and subaqueous resedimentation during glacier retreat as a consequence of ftuctuating base level. A very cold, severely arid climate is suggested by evidence for frozen ground and the predominance of aeolian sedimentation. The top of the upper interval records widespread aeolian sedimentation without evidence of ice activity. The aeolian system of this interval is characterized by medium-sized barchan-like dunes, sand sheets and minor fluvial-braided streams, as well as small saline lakes under conditions of high evaporation. This part of the upper interval is correlated with the Dourados Formation. Paleocurrent analysis reveals that migration of channelized and gravity flows was towards the NW and SW, except at the top of the upper interval, correlated with the Dourados Formation, where fluvial transport was towards the SE. Paleowind directions, despite some variations, show wind blowing from the S-SW. lce-striated pavements indicate glacier migration from SSE to NNW, showing the same source-area of glaciers as recognized along the eastern border of the Paraná Basin (ltararé Group). Analysis of brittle structures indicates that the Paleozoic rocks of the western border of the Paraná Basin in Mato Grosso do Sul State were subject to multiple deformations related to five phases of tectonic movements: 1) E-W synsedimentary tectonism, evidenced by clastic dykes related to seismic activity during the deposition of the top of the upper interval (Dourados Formation); 2) a post-Jurassic NW-SE compression and NE-SW extension associated with an E-W right-lateral transcurrent binary; 3) an E-W probably neotectonic compression recorded by families of shear-joints in Paleozoic, Mesozoic and Cenozoic (Quaternary) deposits; 4) a NE-SW neotectonic compression, probably associated with an E-W left-lateral transcurrent binary; 5) an E-W extension that affects Paleozoic, Mesozoic, as well as Holocene colluvial and alluvial deposits.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Gesicki__mestrado.pdf (19.97 Mbytes)
Data de Publicação
2014-03-25
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.