• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Mémoire de Maîtrise
DOI
https://doi.org/10.11606/D.45.2001.tde-20210729-124634
Document
Auteur
Nom complet
Jaime Sodré Sousa Filho
Adresse Mail
Unité de l'USP
Domain de Connaissance
Date de Soutenance
Editeur
São Paulo, 2001
Directeur
Titre en portugais
Convexidade e finitude do número de geodésicas em variedades pseudo-Riemannianas: aplicações à teoria de relatividade geral
Mots-clés en portugais
Geometria Diferencial
Resumé en portugais
De acordo com a relatividade geral, raios de luz sofrem uma deflexão ao passar por um corpo maciço denso. Dependendo das circunstâncias, pode ocorrer de um observador ver duas ou mais imagens de uma fonte de luz distante de sua esfera celeste. Este é o assim chamado efeito de lente gravitacional com multiplicidade de imagens. Motivado por tal interesse físico, nesta tese estudamos alguns modelos matemáticos relativamente simples de espaços-tempos ralativísticos, embora relevantes, variedades lorentzianas conformemente estacionárias, e fornecemos alguns resultados qualitativos sobre o número de imagens observadas em uma situação de lente gravitacional. Um problema natural para os astrofísicos é o da contagem do número de imagens que podem ser observadas em uma situação de lente gravitacional. Em terminologia matemática, uma situação de lente gravitacional pode ser modelada do seguinte modo. Consideramos uma variedade lorentziana (M, g) como modelo matemático para um espaço-tempo, fixamos uma curva temporal y como linha de mundo de uma fonte de luz, e um ponto p onde ocorre uma observação. Agora, o número de imagens vistas por um observador é igual ao número de segmentos geodésicos do tipo nulo que apontem para o futuro e que liguem y a p. Quando quer que haja dois ou mais de tais segmentos geodésicos, estamos numa situação de lente gravitacional com multiplicidade. Deste ponto de vista, pode-se perguntar se existem algumas propriedades topológicas e métricas de um espaço-tempo que garantam a finitude do número de imagens observadas no caso não-conjugado. Nesta tese é provado que se uma variedade riemanniana admitir uma função estritamente convexa, então o número de segmentos geodésicos que liguem dois pontos não-conjugados é finito. Nesta tese, introduzimos o conceito de função estritamente convexa do tipo nulo, damos alguns exemplos de variedades estacionárias e estáticas que admitem este tipo de função, ) e provamos que a existência de função estritamente convexa do tipo nulo implica a finitude do número de segmentos geodésicos do tipo nulo que apontem para o futuro e que liguem p e y
Titre en anglais
not available
Resumé en anglais
not available
 
AVERTISSEMENT - Regarde ce document est soumise à votre acceptation des conditions d'utilisation suivantes:
Ce document est uniquement à des fins privées pour la recherche et l'enseignement. Reproduction à des fins commerciales est interdite. Cette droits couvrent l'ensemble des données sur ce document ainsi que son contenu. Toute utilisation ou de copie de ce document, en totalité ou en partie, doit inclure le nom de l'auteur.
Date de Publication
2021-07-29
 
AVERTISSEMENT: Apprenez ce que sont des œvres dérivées cliquant ici.
Tous droits de la thèse/dissertation appartiennent aux auteurs
CeTI-SC/STI
Bibliothèque Numérique de Thèses et Mémoires de l'USP. Copyright © 2001-2021. Tous droits réservés.