• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
https://doi.org/10.11606/D.45.2001.tde-20210729-124634
Documento
Autor
Nome completo
Jaime Sodré Sousa Filho
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2001
Orientador
Título em português
Convexidade e finitude do número de geodésicas em variedades pseudo-Riemannianas: aplicações à teoria de relatividade geral
Palavras-chave em português
Geometria Diferencial
Resumo em português
De acordo com a relatividade geral, raios de luz sofrem uma deflexão ao passar por um corpo maciço denso. Dependendo das circunstâncias, pode ocorrer de um observador ver duas ou mais imagens de uma fonte de luz distante de sua esfera celeste. Este é o assim chamado efeito de lente gravitacional com multiplicidade de imagens. Motivado por tal interesse físico, nesta tese estudamos alguns modelos matemáticos relativamente simples de espaços-tempos ralativísticos, embora relevantes, variedades lorentzianas conformemente estacionárias, e fornecemos alguns resultados qualitativos sobre o número de imagens observadas em uma situação de lente gravitacional. Um problema natural para os astrofísicos é o da contagem do número de imagens que podem ser observadas em uma situação de lente gravitacional. Em terminologia matemática, uma situação de lente gravitacional pode ser modelada do seguinte modo. Consideramos uma variedade lorentziana (M, g) como modelo matemático para um espaço-tempo, fixamos uma curva temporal y como linha de mundo de uma fonte de luz, e um ponto p onde ocorre uma observação. Agora, o número de imagens vistas por um observador é igual ao número de segmentos geodésicos do tipo nulo que apontem para o futuro e que liguem y a p. Quando quer que haja dois ou mais de tais segmentos geodésicos, estamos numa situação de lente gravitacional com multiplicidade. Deste ponto de vista, pode-se perguntar se existem algumas propriedades topológicas e métricas de um espaço-tempo que garantam a finitude do número de imagens observadas no caso não-conjugado. Nesta tese é provado que se uma variedade riemanniana admitir uma função estritamente convexa, então o número de segmentos geodésicos que liguem dois pontos não-conjugados é finito. Nesta tese, introduzimos o conceito de função estritamente convexa do tipo nulo, damos alguns exemplos de variedades estacionárias e estáticas que admitem este tipo de função, ) e provamos que a existência de função estritamente convexa do tipo nulo implica a finitude do número de segmentos geodésicos do tipo nulo que apontem para o futuro e que liguem p e y
Título em inglês
not available
Resumo em inglês
not available
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2021-07-29
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.