• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.47.2011.tde-20072011-145143
Documento
Autor
Nome completo
Simone Correa Silva
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2011
Orientador
Banca examinadora
Freitas, Laura Villares de (Presidente)
Benute, Glaucia Rosana Guerra
Morato, Henriette Tognetti Penha
Título em português
Cuidando de ser psicólogo no hospital: uma cartografia de experiências sobre a construção de um lugar, contadas sob inspiração da psicologia analítica de C. G. Jung
Palavras-chave em português
Formação do psicólogo
Mitos
Psicologia da Saúde
Psicologia hospitalar
Psicologia Junguiana
Resumo em português
O ofício do psicólogo numa instituição hospitalar é como uma arte que se modula dia-apósdia de trabalho e revela realidades desafiadoras no que se refere à sua inserção e à sua prática. A proposta deste estudo foi discutir o processo de construção do lugar do psicólogo no hospital geral com inspiração no referencial da psicologia analítica. Adotei a cartografia como metodologia de trabalho, utilizando narrativas obtidas a partir de diários de bordo que descreveram inquietações, questionamentos e reflexões sobre situações vivenciadas ao longo do percurso de minha prática enquanto psicóloga num hospital geral do município de São Paulo. O termo lugar, que transcende o espaço físico, foi entendido como disponibilidade emocional mediante situações diversas que se dão em termos de tempo e espaço no hospital. Refere-se a um jeito próprio de ocupar uma morada e que se configura por uma atitude clínica, no seu sentido etimológico. Apropriar-se de seu lugar é um processo de construção, fundamentação e manutenção, permeado por variáveis tais como: formação, supervisão, análise pessoal, conhecimento sobre a realidade e contexto da instituição e apropriação de uma persona criativa para transitar nesse contexto que corresponde a um self institucional. Essa construção se mostra em sincronia com o processo de individuação do psicólogo, em seus aspectos de desenvolvimento profissional. Considerando-se, inclusive, que, no seu trabalho dentro do hospital, sua individuação se cruza com a dos outros personagens que também transitam neste contexto. Através de sua postura de prontidão, o psicólogo ausculta as demandas que lhe são confiadas, clarificando sentidos e cuidando para que o encontro aconteça como possível o for e num processo percorrido junto e de modo que ao outro seja devolvido seu potencial de responsabilidade e cuidado. Importante atentar, inclusive, para sua atitude dentro da equipe e em relação ao modo pelo qual recebe e dá atenção às solicitações de intervenções. Também se faz necessária uma conciliação e flexibilização entre o tempo kairótico e o cronológico: entre a necessidade emocional do paciente, a disponibilidade pessoal do psicólogo e as emergências e urgências práticas do contexto hospitalar. O mito de Héstia pode inspirar-lhe uma atitude acalentadora ao sofrimento e incômodo humanos. Tal como a disponibilidade emocional do psicólogo, a lareira de Héstia é o lugar da passagem e deve sempre ser mantida acesa; ela proporciona o estar para que se restabeleça um cuidar de ser e de resgatar novos modos de continuar sendo. Já a presença inspiradora de Hermes abre caminhos para a transição rumo ao porvir, encaminhando sentidos aos impasses do cotidiano hospitalar. Um questionamento que também se mostrou relevante, pois embasa o lugar da Psicologia em qualquer contexto, refere-se ao que interpela o lugar que cabe à Psicologia enquanto ciência e a qual convocação esta se dirige, atualmente. O lugar do psicólogo no hospital, assim como em qualquer outro local, existe por sua legitimidade. Precisamos apenas reconhecê-lo e habitá-lo. Para isso, não podemos esperar que nos seja indicado; nós devemos clarificá-lo por uma atitude própria
Título em inglês
Being psychologist in a hospital: a cartography of experiences of the making of a place, under C. G. Jungs analytical psychology inspiration
Palavras-chave em inglês
Health care psychology
Hospitals - Psychological aspects
Junguian psychology
Myths
Psychologist education
Resumo em inglês
The profession of a psychologist in a hospital institution is like an art that adjusts with every day of work and reveals challenging realities in relation to its insertion and its practice. The aim of this study was to discuss the process of the construction of the psychologists place in a general hospital inspired by references to analytical psychology. I adopted cartography as the work methodology, using narratives obtained from logbooks which described restlessness, questioning and reflections about situations experienced over the course of my work while I was a psychologist at a general hospital in the municipality of Sao Paulo. The term place, which transcends the physical environment, was understood as emotional availability by means of various situations that occur in terms of time and space in the hospital. It refers to a particular way of occupying a residence and which is shaped by a clinical attitude, in its etymological sense. The appropriation of ones place is a process of construction, foundation, and maintenance, permeated by variables such as: formation, supervision, personal analysis, knowledge in relation to the institutions reality and context and the appropriation of a creative persona to make ones way through this context which corresponds to an institutional self. This construction shows itself to be in synchrony with the psychologists process of individuation, in its aspects of professional development. Also taking into account that in such work for the hospital, ones individuation crosses with that of the other characters that are also making their way through this context. Through a posture of readiness, demands are entrusted to the psychologist who listen to them, clarifying meanings so that the meeting happens as possible it can be and in a process travelled together and in such a way that the other person is given back their potential for responsibility and care. It is also important to pay attention to ones attitude within the team and in relation to the way in which you receive and deal with the requests for interventions. It is also necessary a reconciliation and flexibility between kairotic time and chronological time, between the patients emotional needs, the psychologists personal availability and the practical emergencies and pressures of the hospital context. The myth of Hestia may inspire a soothing attitude to human suffering and discomfort. In the same way as the psychologists emotional availability, Hestias hearth is a place of passage and should always be kept lit; it provides the being in order to reestablish a care to be and to rescue new ways to continue being. Meanwhile Hermes inspiring presence paves the way for the transition towards what is still to come, forwarding meanings to the impasses of daily hospital life. A question that also showed to be relevant, as it lays the foundations for Psychologys place in any whatsoever context, refers to that which challenges Psychologys place as a science and to what calling it is currently directed. The psychologists place in the hospital, as in any other place, exists due to its legitimacy. We need merely recognize it and inhabit it. For this reason, we cannot expect that it is shown to us; we have to clarify it by our own attitude
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
correasilva_me.pdf (844.33 Kbytes)
Data de Publicação
2011-09-16
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.