• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tesis Doctoral
DOI
10.11606/T.47.2012.tde-25072012-100222
Documento
Autor
Nombre completo
Liana Gama do Vale
Dirección Electrónica
Instituto/Escuela/Facultad
Área de Conocimiento
Fecha de Defensa
Publicación
São Paulo, 2012
Director
Tribunal
Taille, Yves Joel Jean Marie Rodolphe de La (Presidente)
Alencar, Heloisa Moulin de
Freitas, Lia Beatriz de Lucca
Menin, Maria Suzana de Stefano
Souza, Maria Thereza Costa Coelho de
Título en portugués
Desenvolvimento moral: a generosidade relacionada à justiça e à gratidão sob a ótica das crianças
Palabras clave en portugués
Desenvolvimento moral
Generosidade
Gratidão
Justiça
Virtudes
Resumen en portugués
Neste trabalho, nos dedicamos ao estudo da generosidade, investigando, em um contexto psicogenético, os juízos morais das crianças relativos aos seguintes temas: a generosidade em contraposição à justiça (para consigo mesmo) e generosidade e gratidão. Participaram desta pesquisa 60 alunos de uma escola particular da cidade do Rio de Janeiro RJ, com 6, 9 e 12 anos, igualmente divididos quanto ao sexo e à idade. Realizamos entrevistas individuais baseadas em histórias sobre os temas em questão. Dos resultados encontrados, destacamos que, diante de um conflito entre a generosidade e a justiça (para consigo mesmo), os juízos das crianças de 6 anos nos remetem mais à generosidade, e os critérios utilizados pelos mais velhos, para hierarquizar as duas dimensões morais, estão atrelados a uma noção geral de justiça. No que diz respeito ao tema da generosidade e gratidão, verificamos que a maioria das crianças de todas as idades pesquisadas não atribui obrigatoriedade ao agradecimento e/ ou à retribuição a uma manifestação de generosidade. Embora desprovida de obrigatoriedade, a retribuição é indicada e admirada, nas suas variadas formas, pelos participantes. Essa indicação e admiração, todavia, não fazem da retribuição um critério que os leve a agir generosamente, nos mostrando, assim, sinais de autonomia nos juízos relacionados à generosidade desde a mais tenra infância. Ao indicarem um agradecimento ou uma retribuição à ação generosa, as crianças mais novas ora ressaltam o aspecto concreto da recompensa, ora se referem à materialidade das regras da polidez, ainda exteriores à consciência. Dessa forma, ora visualizamos a incipiência de suas ferramentas intelectuais, ora nos deparamos com características da heteronomia infantil em seus juízos sobre o tema. A recompensa com uma ação concreta predomina nas sugestões espontâneas de agradecimento e/ ou retribuição das crianças de 9 e 12 anos, e a demonstração verbal de reconhecimento prevalece entre os mais velhos quando comparada exclusivamente à recompensa material. Tal reconhecimento pressupõe uma avaliação das intenções daquele que agiu generosamente, imprescindível na manifestação da gratidão. Como as crianças mais novas ainda conferem maior importância aos efeitos de um ato do que à intenção de seu autor, parece-nos válido afirmar que não é a gratidão propriamente dita que comparece em seus discursos, mas uma concepção mais elementar da virtude, o que nos leva a admitir um desenvolvimento da mesma ao longo da infância. Nossos resultados também confirmam a íntima relação do sentimento de simpatia com a generosidade, já apontada por outras pesquisas da área. Uma comoção com o sofrimento alheio comparece nas argumentações das crianças que decidiram pela ação generosa para com o outro. Com porcentagens altas em todas as faixas etárias pesquisadas, esse argumento predomina na menor idade e decresce nas idades seguintes. Tal resultado nos mostra que é mesmo a simpatia que inspira as crianças pequenas a decidirem pela manifestação da virtude. Essa sensibilidade para com outrem também interfere nos juízos dos participantes mais velhos, mas, no transcurso do desenvolvimento, princípios de reciprocidade e justiça também passam a regular decisões que culminam na generosidade
Título en inglés
Moral development: generosity related to justice and gratitude from the viewpoint of children
Palabras clave en inglés
Generosity
Gratitude
Justice
Moral development
Virtues
Resumen en inglés
In this work, we dedicate ourselves to the study of generosity, investigating, in a psychogenetic context, children's moral judgment relating to the following themes: generosity as opposed to justice (for oneself) and generosity and gratitude. Participated in this survey, 60 pupils from a private school in the city of Rio de Janeiro - RJ, with 6, 9 and 12 years of age, equally divided as to sex and age. We conducted one-on-one interviews based on stories about the themes in question. Of the results found, we highlighted that, faced with a conflict between generosity and justice (to oneself), the judgment of 6 year old children refer to generosity, and the criteria used by the older ones, to organize into a hierarchy the two moral dimensions, are tied to a general notion of justice. On the subject of generosity and gratitude, we find that the majority of children of all ages surveyed do not assign an obligation as to what concerns gratitude and/or consideration as a reciprocation to an expression of generosity. Although devoid of obligation, reciprocation is indicated and admired, in its various forms, by the participants. This indication and admiration, however, does not make reciprocation a criterion that makes them act generously, thus showing us signs of autonomy in judgments related to generosity from an early childhood. When indicating an appreciation or a reciprocation to the generous action, younger children either point out the specific aspects of reward, or refer to the materiality of the rules of politeness, still exterior from their consciousness. In this way, we see how incipient are their intellectual tools, or we are faced with characteristics of infant heteronomy on their judgment of the theme. Rewards with a concrete action predominates in spontaneous suggestions of gratitude and/or reciprocation in children of 9 and 12 years old, and a verbal demonstration of gratitude prevails among the elderly when compared exclusively to material reward. Such recognition requires an evaluation of the intentions of that who acted generously, essential in the expressions of gratitude. As younger children still attach great importance to the effects of an act than to the intention of its author, it is valid to say that it is not gratitude itself that appears on their speech, but a more elementary conception of virtue, which leads us to admit its development throughout childhood. Our results also confirm the close relationship of the feeling of sympathy with generosity, already pointed out by other researches in this area. A commotion with the suffering of others appears in the arguments of children who decided for the generous action with each other. With high percentages in all age groups surveyed, this argument predominates in the lowest age and decreases in the following ages. This result shows that it is sympathy that inspires the young children to decide for the manifestation of virtue. This sensitivity to others also interferes in the judgment of the older participants, but, in the course of the development, principles of reciprocity and justice also regulate decisions that culminate in generosity
 
ADVERTENCIA - La consulta de este documento queda condicionada a la aceptación de las siguientes condiciones de uso:
Este documento es únicamente para usos privados enmarcados en actividades de investigación y docencia. No se autoriza su reproducción con finalidades de lucro. Esta reserva de derechos afecta tanto los datos del documento como a sus contenidos. En la utilización o cita de partes del documento es obligado indicar el nombre de la persona autora.
vale_do.pdf (936.63 Kbytes)
Fecha de Publicación
2012-08-03
 
ADVERTENCIA: Aprenda que son los trabajos derivados haciendo clic aquí.
Todos los derechos de la tesis/disertación pertenecen a los autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Tesis y Disertaciones de la USP. Copyright © 2001-2020. Todos los derechos reservados.