• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.47.2009.tde-15092009-075946
Documento
Autor
Nome completo
Cassia Leal da Hora
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2009
Orientador
Banca examinadora
Debert, Paula (Presidente)
Andery, Maria Amalia Pie Abib
Hübner, Maria Martha Costa
Título em português
Procedimento go/no-go com estímulos compostos e relações condicionais emergentes em crianças com autismo
Palavras-chave em português
Autismo
Equivalência de Estímulos
Go/no-go
Localização dos estímulos
Matching-to-sample
Resumo em português
O procedimento matching-to-sample (MTS) tem sido amplamente utilizado para o estabelecimento de relações condicionais emergentes. Nesse procedimento, respostas de escolha são emitidas em diferentes localizações. Tal característica pode favorecer o estabelecimento de um controle inadvertido pela localização. No procedimento go/no-go com estímulos compostos, respostas são emitidas em uma única localização. Com o objetivo de avaliar se relações condicionais emergentes poderiam ser produzidas em crianças com autismo a partir do procedimento go/no-go com estímulos compostos, sem o estabelecimento de controle inadvertido pela localização, foram realizados dois estudos. No Estudo 1, quatro crianças autistas, que apresentaram controle pela localização no procedimento MTS, foram submetidas ao treino das relações AB e BC com o procedimento go/no-go com estímulos compostos no qual, respostas emitidas na presença dos estímulos compostos A1B1, A2B2, B1C1 e B2C2 eram seguidas de reforço e respostas na presença de compostos A1B2, A2B1, B1C2 e B2C1 não eram. Em seguida, os participantes realizaram testes para verificar a emergência de relações que não foram diretamente treinadas (BA, CB, AC e CA). Os resultados mostraram que apenas um dos quatro participantes atingiu critério de aprendizado no treino das relações condicionais e exibiu desempenhos consistentes com a emergência de relações de simetria, transitividade e equivalência após a reapresentação de sessões de treino e testes. Todos os participantes apresentaram o padrão de responder em todos os compostos apresentados. Como decorrência do Estudo 1, foi realizado um segundo estudo que pretendeu verificar se relações condicionais emergentes podem ser estabelecidas em indivíduos com diagnóstico de autismo a partir de um treino com o procedimento go/no-go com estímulos compostos em que a duração dos estímulos compostos aos quais o participante não deveria responder foi gradualmente aumentada com o objetivo de evitar respostas diante deles. Para tanto, outras três crianças diagnosticadas com autismo foram submetidas às mesmas fases experimentais do Estudo 1 dentre as quais algumas diferiam pela manipulação na duração dos compostos. Os resultados mostraram que apenas um dos participantes atingiu critério para realização dos testes de Simetria, mas não exibiu desempenho consistente com a emergência de tais relações. Os outros dois participantes não atingiram critério de aprendizagem na fase de Pré-treino ou de Treino, devido ao estabelecimento do padrão de responder em todos os compostos. Os resultados indicam ainda que o procedimento de aumento gradual na duração dos estímulos favoreceu o aprendizado das relações condicionais para um dos participantes, mas pode gerar o estabelecimento do controle inadvertido pela duração dos estímulos. Os participantes que realizaram o treino com o procedimento MTS não atingiram critério de aprendizagem e exibiram desempenhos indicativos do estabelecimento de controle inadvertido pela localização. Concluiu-se que o procedimento go/no-go com estímulos compostos, embora tenha permitido o estabelecimento de desempenhos emergentes para um dos participantes, pode gerar um padrão de responder em todos os compostos mesmo com o procedimento de aumento gradual na duração dos compostos diante dos quais o participante não deve responder.
Título em inglês
Go/no-go procedure with compound stimuli and emergent conditional relations in children with autism
Palavras-chave em inglês
Autism
Go/No-go
Matching-to-sample
Stimulus equivalence
Stimulus location
Resumo em inglês
Matching-to-sample procedure is widely used for establishing emergent conditional relations. However, adventitious control by location, rather than the conditional control, can be established with this procedure in individuals with autism. With the go/no-go procedure with compound stimuli, participants responses are emitted in a single location. Aiming to assess whether emergent conditional relations could be established in autistic children with a go/no-go procedure with compound stimuli, without the establishment adventitious control by location, two studies were conducted. Study 1 sought to verify if the go/no-go procedure with compound stimuli would establish emergent conditional relations in children diagnosed with autism who had control by the location in training with Matching-to-sample procedure. Four autistic children, who showed adventitious control by location in a matching-to-sample task, were submitted to AB and BC training with the go/no-go procedure with compound stimuli. Responses emitted in the presence of A1B1, A2B2, B1C1 and B2C2 compounds were followed by reinforcers and responses emitted in the presence of A1B2, A2B1, B1C2 and B2C1 were not. After that, participants were submitted to tests to verify emergence of conditional relations (BA, CB, AC and CA) that were not directly trained. The results showed that only one of the four participants met the learning criterion in training and exhibited emergent performances in tests only after retraining the baseline relations. In most of the training sessions, all participants responded to all compounds stimuli. These results show that refrain from responding is difficult to be established with the go/no-go procedure in children with autism. Study 2 was conducted to verify if refrain from responding would be established in children with autism if the duration of compounds that should not control responding in training was gradually increased. Other three children diagnosed with autism were submitted to the same procedure as conducted in Study 1, except that during pre-training and training duration of some compounds were gradually increased in some sessions. Results showed that only one participant met the learning criteria in training, but did not showed emergent performances in tests. The other two participants responded to all compounds in most of the sessions. The results indicate that the gradual increase of stimuli duration did not established refrain from responding for some participants and produced adventitious control by stimuli duration for most of them. Although one participant showed emergent performances with the go/no-go procedure with compound stimuli, this procedure can produce responses to all compounds stimuli even when some compounds duration is gradually increased.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2009-12-18
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.