• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.47.2010.tde-16042010-113841
Documento
Autor
Nome completo
Camila Junqueira
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2010
Orientador
Banca examinadora
Coelho Junior, Nelson Ernesto (Presidente)
Celes, Luiz Augusto Monnerat
Figueiredo, Luiz Claudio Mendonca
Kupermann, Daniel
Souza, Octavio Almeida de
Título em português
Rumo à 'metapsicologia dos limites': o diálogo possível entre a teoria pulsional e a teoria das relações de objeto e algumas de suas consequências - Freud, Winnicott e Green
Palavras-chave em português
Metapsicologia
Psicanálise
Relações de objeto
Teoria psicanalítica
Resumo em português
Este trabalho fundamenta-se na compreensão da metapsicologia dos limites como parte da teoria psicanalítica que visa compreender a estruturação e o funcionamento dos limites do psiquismo, bem como parte da teoria psicanalítica que se destina a compreender a etiologia, o funcionamento e o tratamento das patologias-limite, manifestações decorrentes de falhas na constituição e no funcionamento dos limites do psiquismo. Tem como hipótese de pesquisa que o giro metapsicológico exigido pelos estados-limite se coloca menos no sentido de ampliar a diversidade de modelos teóricos e mais no sentido de fazer dialogar dois modelos teóricos que estão na base do pensamento psicanalítico, mas que foram historicamente separados e considerados incompatíveis, a saber: o modelo pulsional e o modelo das relações objetais. Os objetivos deste trabalho são os de (1) questionar os limites da oposição entre a teoria pulsional de Freud e a teoria relacional de Winnicott, (2) apresentar a alternativa que André Green propõe para essa aparente oposição, argumentando a favor da concepção de pulsão e objeto como um par inseparável, bem como (3) apresentar e discutir algumas consequências metapsicológicas do diálogo possível entre essas duas teorias a partir do estudo de Freud e de Winnicott, dando também destaque para as contribuições de André Green para esse diálogo a fim de verificar se a hipótese explicitada acima se sustenta. A presença do objeto na teoria freudiana e a presença do instinto na teoria winnicottiana num segundo momento do desenvolvimento emocional denotam certa abertura nessas teorias para o diálogo entre elas. A forte oposição entre essas teorias apontada pela literatura psicanalítica parece ser fruto de um momento histórico. Contudo, conclui-se também que o diálogo entre essas teorias deve ser realizado dentro de certos limites que contemplem a constatação que Freud e Winnicott se dedicaram ao estudo de dois níveis diferentes de apreensão do Self, que estão relacionados, mas não se sobrepõem. André Green, a princípio, desconsidera o limite desse diálogo a partir da argumentação de que a pulsão e o objeto formam um par inseparável, o que torna inadmissível uma teoria que se organize apenas em um desses pólos, promovendo, com isso, uma releitura de Freud e Winnicott e produzindo importantes avanços para a metapsicologia dos limites. Entretanto, mais recentemente, Green apresenta o que denomina de teoria dos gradientes, que corrobora com a constatação de que há limites nesse diálogo. O exame das consequências desse diálogo produziu algumas propostas, entre elas: uma nova reorganização da tópica psíquica a fim de incluir o não-psíquico, produto da desobjetalização e da clivagem, também denominado de terceira tópica; a compreensão das patologias-limite como um tipo específico de neurose narcísica; e o pensamento metapsicológico como auxílio ao analista aos desafios clínicos propostos por esses casos. Por fim, o exame realizado nesta tese demonstra que o giro metapsicológico exigido por essas patologias está na direção do diálogo entre a teoria pulsional e a teoria das relações de objeto, confirmando a hipótese inicial desta pesquisa
Título em inglês
Towards metapsychology of limits: the possible dialogue between drive theory and object relational theory and some of its consequences Freud, Winnicott and Green
Palavras-chave em inglês
Metapsychology
Object relations
Psychoanalysis
Psychoanalytic theory
Resumo em inglês
Understanding the metapsychology of limits as a part of the psychoanalytic theory which aim to understand the framing and the functioning of the psychic limits as well as a part of the psychoanalytic theory which aim to understand the etiology, the functioning and the treatment of the borderline cases, manifestations which occur due to failures at the constitutioning and functioning of the psychic limits. And departing of the hypothesis that the metapsychologycal turn demanded by the borderline states is less in the sense of amplify the diversity of metapsychological models and much more in the sense of set in dialogue two theoretical models which are in the base of the psychoanalytic thought, but which were historically split off and considered incompatible: the drive theory and the object relation theory. The aims of this research were (1) to question the limits of the opposition between Freuds drive theory and Winnicotts object relation theory, (2) to present the solution Andre Green propose to this apparent opposition, arguing in favor of the conception of drive and instinct as an inseparable pair, (3) to present and to discuss some of the metapsychological consequences of the possible dialogue between these two theories since study of Freuds and Winnicotts theories, also giving emphasis to the Greens contributions to this dialogue, in order to verify if the hypothesis describe above can be maintained. The presence of object in Freuds theory and the presence of instinct in Winnicotts theory in a second moment of the emotional development denote some overture on theses theories for dialogue. The strong opposition between then, pointed by the psychoanalytic literature, seems to be result of a historical moment. Nevertheless, it follows that the dialogue between these two theories must be done inside certain limits which regard the evidence that Freuds and Winnicotts studies concerned two different levels of apprehension of the Self, which are related, but not superpose each other. Andre Green, at first, disrespect the limits of this dialogue arguing in favor that drive and instinct constitute an inseparable pair, which turns unacceptable one theory which is organized upon one of these two poles, promoting then a re-reading of Freuds and Winnicotts theories and producing important advances for the metapsychology of limits. Meanwhile, more recently, Green brings up what he calls the gradients theory, which corroborate with the evidence that there are limits in this dialogue. The examination of the consequences of this dialogue have produced some proposals, among them: a new reorganization of the psychic topic in order to include the no-psychic, product of the desobjatalization and splitting process, also named third topic; the understanding of borderline pathologies as a specific type of narcissistic neurosis; and also the metapsychological thought as a help to the analyst in front of the clinical challenges proposed by these cases. Finally, the exam accomplished on this research give evidence that the metapsychological turn demanded the borderline states is towards a dialogue between drive theory and object relational theory, confirming the initial hypothesis of this research
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
junqueira_do.pdf (937.56 Kbytes)
Data de Publicação
2010-06-07
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.