• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.47.2010.tde-20072010-155216
Documento
Autor
Nome completo
Edson Massayuki Huziwara
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2010
Orientador
Banca examinadora
Tomanari, Gerson Aparecido Yukio (Presidente)
Debert, Paula
Lopes Junior, Jair
Mijares, Miriam Garcia
Pergher, Nicolau Kuckartz
Título em português
Controles por seleção e rejeição em discriminações condicionais em humanos e pombos
Palavras-chave em português
Controle do estímulo
Discriminação condicional
Equivalência de estímulos
Inferência transitiva
Movimentos oculares
Resumo em português
O estudo do responder controlado por relações de seleção ou rejeição insere-se no âmbito de investigações sobre as condições necessárias e suficientes para a formação de classes de estímulos equivalentes. O presente projeto pretendeu investigar aspectos relacionados ao tema em experimentos conduzidos com humanos e pombos. O primeiro experimento teve por objetivo avaliar se o registro do comportamento de olhar, em termos do tempo de observação dos estímulos e padrões de rastreamento exibidos ao longo do treino de discriminações condicionais, poderia fornecer medidas auxiliares sobre o processo de aquisição dos controles por seleção e rejeição durante o treino de discriminações condicionais em participantes humanos. Para esta finalidade era importante preparar uma situação experimental que, previsivelmente, gerasse diferenças nos resultados da aprendizagem discriminativa. Desse modo, seria possível verificar se o olhar poderia fornecer dicas adicionais sobre o estabelecimento do responder controlado por relações de seleção ou rejeição. Estudos anteriores mostraram que, em procedimentos de MTS, utilizar o teclado ou o mouse produz diferentes resultados nos testes de formação de classes. Objetivou-se assim verificar se diferentes topografias de resposta gerariam resultados diferentes na aquisição das discriminações condicionais e nos testes de formação de classes e, adicionalmente, se gerariam padrões de rastreamento diferentes em termos do tempo de observação dos estímulos. Estudantes universitários foram submetidos aos treinos de discriminações condicionais envolvendo seis conjuntos de estímulos (treinos EF, DE, CD, BC e AB) enquanto utilizam um equipamento que registrava o comportamento de olhar. Os resultados sugerem que diferentes topografias de respostas dão origem a diferentes padrões de rastreamento dos estímulos, entretanto não foram encontradas evidências de que tais padrões estariam relacionados ao estabelecimento de relações controladas por seleção ou rejeição. O segundo experimento teve por objetivo verificar a existência de relações de transitividade a partir de um treino condicional envolvendo estímulos temporais. Foram utilizados 12 pombos (Columba lívia) experimentalmente ingênuos e mantidos a 80% do seu peso ad lib. O equipamento utilizado consistia em uma caixa experimental padrão contendo três discos de respostas dispostos horizontalmente. Uma tentativa de treino ocorria da seguinte forma: a luz ambiente e o disco central de respostas eram acesos ao mesmo tempo. Se, por exemplo, o estímulo temporal programado fosse de 4 s, uma luz branca no disco central permanecia ligada por esse período. Após 4 s, a luz do disco central era apagada e cores eram apresentadas nos discos laterais. Uma bicada em qualquer um dos discos laterais encerrava a tentativa. Respostas corretas eram seguidas por um curto período de acesso ao comedouro e um IET de 20 s. Respostas incorretas eram seguidas pelo IET e pela reapresentação da mesma tentativa (procedimento de correção). O procedimento era composto por três fases de treino: nas tentativas do Treino A, os sujeitos aprenderam a bicar o disco iluminado pela cor vermelha diante do modelo 1 s e a bicar o disco iluminado pela cor verde diante de 4 s. Nas tentativas do Treino B, eles aprenderam a bicar o disco iluminado pela cor azul diante de 4 s e a bicar o disco iluminado pela cor amarela diante de 16 s. Durante o Treino C, os sujeitos aprenderam a bicar o disco iluminado pela cor azul diante do modelo verde e a bicar o disco iluminado pela cor amarela diante do modelo vermelho. Considerando os treinos A e B, as cores azul e verde foram relacionadas ao mesmo estímulo temporal 4 s, enquanto que as cores vermelho e amarelo não partilharam qualquer estímulo comum durante o treino anterior. Os resultados sugerem que as relações entre azul e verde foram adquiridas mais rapidamente, fato de parece comprovar a formação de relações de transitividade em fases ix anteriores do treino
Título em inglês
Select control and reject control in conditional discriminations in humans and pigeons
Palavras-chave em inglês
Conditional
Eye movements
Stimulus control
Stimulus equivalence
Transitive inference
Resumo em inglês
The study of responding controlled by selection or rejection relations is within the scope of research on the necessary and sufficient conditions for the formation of equivalent stimuli classes. This project sought to investigate aspects related to this subject by performing experiments with humans and pigeons. The first experiment evaluated whether the record of eye movement - in terms of stimuli observation time and tracking patterns exhibited throughout conditional discrimination training - could provide ancillary measures on the acquisition process of control by selection rejection during the conditional discrimination training on human participants. For this purpose it was important to prepare an experimental situation that predictably generate differences in the discriminative learning outcomes. Thus, it would be possible to verify if the eye movement could provide additional clues about the establishment of responding controlled by relations of selection or rejection. Previous studies have shown that using the keyboard or mouse, in MTS tasks, produces different results in class formation testing. The objective was, therefore, to check if different response topographies would generate different results in conditional discrimination acquisition and class formation tests and, furthermore, if it would generate different tracking patterns, in terms of stimuli observation time. College students were subjected to conditional discriminations training involving six sets of stimuli (training EF, DE, CD, BC and AB) while using a device that recorded eye movement. Results suggest that different response topographies originate different patterns of stimulus tracking, however there was no evidence that such patterns referred to the establishment of relations controlled by selection or rejection. The second experiment sought verifying the existence of transitivity relations from conditional training involving temporal stimuli. Subjects were 12 pigeons (Columba livia) experimentally naive and kept at 80% of their ad lib weight. The equipment used consisted of a box containing three standard experimental response keys horizontally arranged. A training attempt occurred as follows: house light and the central key were lit at the same time. If, for example, the programmed interval was 4 s, a white light in the central key remained on for that period. After 4 s, the light from the central key was turned off and colors were presented on the side keys. A peck on either of the side keys ended the attempt. Correct answers were followed by a short period of access to the feeder and an ITI of 20 s. Incorrect answers were followed by the ITI and the repetition of the same trial (correction procedure). The procedure consisted of three phases of training: in Training A attempts, the subjects learned to choose the red colored key when the 1 s model was presented, and to choose the green colored key when the 4 s model was presented. In Training B attempts, they learned to choose the blue colored key when the 4 s model was presented and to choose the yellow colored key when the 16 s model was presented. During Training C, subjects learned to choose the blue colored key when green color was presented and to choose yellow colored key when red color model was presented. Regarding A and B trainings, blue and green stimuli were related to the same temporal stimulus 4 s, while red and yellow ones did not share any common temporal stimulus during earlier training. Results suggest that relations between blue and green were acquired more quickly, a fact that seems to demonstrate formation of transitivity relations in earlier stages of training
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
huziwara_do.pdf (1.34 Mbytes)
Data de Publicação
2010-09-10
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.