• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.47.2010.tde-09022011-104300
Documento
Autor
Nome completo
Marcela Carolina Schild Vieira
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2010
Orientador
Banca examinadora
Kupermann, Daniel (Presidente)
Kupfer, Maria Cristina Machado
Souza, Octavio Almeida de
Título em português
Reflexos possíveis: o olhar de Winnicott e Lacan para constituição subjetiva
Palavras-chave em português
Constituição do sujeito
Donald Woods Winnicott (1896-1971)
Jacques Lacan (1901-1981)
Psicanálise
Resumo em português
As reflexões que compõem este estudo partem de inquietações geradas a partir da prática clínica com crianças, especialmente aquelas com distúrbios graves no desenvolvimento, como autismo e psicose. Seguindo as coordenadas oferecidas pela psicanálise, o analista tem a sua disposição uma extensa fundamentação teórica em torno do tema da constituição subjetiva, revelando múltiplos contornos conforme a filiação teórica-clínica adotada e impasses decorrentes da resistência em dialogar com perspectivas de compreensão distintas. A partir da discussão sobre os sentidos do processo de subjetivação para a psicanálise, esperamos demonstrar como é possível encontrar diferentes modelos de compreensão referentes ao que é o bebê, a relação primordial, o papel integrador do outro, a cultura e, por fim, o cuidado. Ao promover o diálogo entre múltiplas perspectivas, aponta-se para a necessidade de impulsionar a reflexão sobre o trabalho do analista, apostando que, por meio da interlocução entre Winnicott e Lacan, autores considerados tão distantes a um primeiro olhar, possam emergir giros teóricos significativos. Seguindo o percurso que ambos dedicaram ao tema da constituição subjetiva, apoiados na relação entre o bebê e o outro, vislumbra-se uma proposta de articulação entre a noção de dependência absoluta dos primeiros estágios da vida humana e a capacidade de o analista valorizar as diversas possibilidades de conceber a prática clínica. O espaço reflexivo promovido permitirá alcançar algumas conclusões, em especial, sobre uma concepção frente à prática psicanalítica orientada pela heterogeneidade e maleabilidade teórica. É preciso esclarecer que a proposta de dialogar não configura uma tentativa de converter uma teoria na outra, apoiada em comparações que visam localizar pressupostos comuns e eliminar as diferenças em função de uma pretensa harmonia. Por outro lado, não se trata também de exultar as diferenças a ponto de cunhar limites intransponíveis, o que só pode resultar em exposições reducionistas e estéreis. O desafio aqui enfrentado implica não ceder à tentação de simplificar o complexo, mas preservar a heterogeneidade produtiva tanto para uma teoria quanto para a outra, preservando um modelo de compreensão, a partir dos estágios precoces da subjetivação, suficientemente sensível às diferentes estratégias e demandas clínicas. Ao final do percurso, encontramos como ponto de convergência entre as teorias de Lacan e Winnicott a ênfase dada à função do outro no processo de constituição subjetiva e à resistência frente ao entendimento da psicanálise como uma prática de interiorização, o que se pode testemunhar pelo privilégio atribuído por ambos à situação de descentramento radical que inaugura a aventura subjetiva. Parece evidente, assim, que não se nasce sujeito, mas que uma subjetividade se instala pela garantia de algumas condições originárias e que, nesse encadeamento, transitamos incessantemente pela tênue linha entre aquilo que assegura que o sujeito possa advir, ou seja, sua possibilidade de subjetivação, até aquilo que passa a configurar o ponto de aprisionamento do ser ao desejo do outro
Título em inglês
Possible reflections: the perspective of Winnicott and Lacan to the subjective constitution
Palavras-chave em inglês
Constitution of the subject
Donald Woods Winnicott (1896-1971)
Jacques Lacan (1901-1981)
Psychoanalysis
Resumo em inglês
This study gathers some concerns borne from clinical practice with children, especially those with severe disturbances in development, such as autism and psychosis. Following the coordinates provided by psychoanalysis, the analyst works with an extensive theoretical framework around the theme of subjectivity, revealing multiple contours according with his clinical orientation, where the theoretical impasses usually arise from the resistance to dialogue with different perspectives of understanding the subject. Discussing the meanings of subjective constitution for psychoanalysis, we hope to demonstrate how you can find different models of understanding what the infant is, the primordial relation, the integrative role of the other, the culture and, finally, the concern. By promoting a dialogue among multiple perspectives, we expects to encourage reflection on the work of the analyst, betting that, through the dialogue between Winnicott and Lacan, authors whose are considered so far at first sight, a theoretical renewing could appear. Following the route that both devoted to the topic of subjective constitution, supported by the relationship between the baby and the other, the aim propose of this study is to articulate the notion of absolute dependence of early stages of human life and the ability of the analyst to deal with different possibilities to develop clinical practice. The reflections promoted some conclusions, especially on the perspective of a psychoanalytic practice guided by heterogeneity and plasticity theory. We must clarify that the proposed dialogue does not constitute an attempt to transform a theory into another one, based on comparisons that aim to find common understanding and to eliminate differences due to a false harmony. On the other hand, it is not also worried to establish a point of coining insurmountable limits by increasing the differences between them, which may result in exposures reductionist and sterile. The challenge faced here means not yielding to the temptation to simplify the complex, but to preserve the productive heterogeneity of both theory, preserving a model of understanding, from the early stages of subjectivity, sufficiently sensitive to different strategies and clinical demands. At the end of the journey, we find a point of convergence between the theories of Lacan and Winnicott focus on the function of the other in the process of subjective constitution and the resistance against the understanding of psychoanalysis as a practice of internalization, which on both theories we can recognize the privilege of a radical decentralization on the relations. It seems clear, therefore, that subject does not comes with birth, it is installed under warranty of some original conditions, where we are constantly moving on the thin line between what ensures that the subject could arise to the point of imprisoning the subjective into other's desire
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
vieira_me.pdf (638.50 Kbytes)
Data de Publicação
2011-04-12
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.