• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Mémoire de Maîtrise
DOI
10.11606/D.47.2010.tde-30072010-112024
Document
Auteur
Nom complet
Angelica Lie Takushi
Adresse Mail
Unité de l'USP
Domain de Connaissance
Date de Soutenance
Editeur
São Paulo, 2010
Directeur
Jury
Rodrigues, Avelino Luiz (Président)
Delouya, Daniel
Endo, Paulo César
Titre en portugais
Um estudo psicanalítico sobre a constituição da maternidade em mulheres que apresentaram transtornos mentais no puerpério
Mots-clés en portugais
Constituição do sujeito
Feminilidade
Maternidade
Psicanálise
Puerpério
Resumé en portugais
Atualmente nos deparamos com um grande número de mulheres que apresentaram transtornos mentais após o nascimento de seu bebê, durante o período do puerpério. Trata-se de uma situação que pode trazer importantes consequências, como o prejuízo do desenvolvimento do bebê ocasionado a partir de uma relação mãe-bebê prejudicada, uma vez que a constituição do sujeito passa pelas primeiras experiências que ele tem com seu primeiro objeto, a figura materna. O presente estudo tem como objetivo compreender o processo de constituição da maternidade dentro de sua articulação com a constituição de sujeito e da feminilidade em mulheres que apresentaram transtornos mentais no puerpério, assim como as questões que possam ter contribuído para o desencadeamento desses transtornos. Trata-se de uma pesquisa clínica, na qual se utilizou o método psicanalítico para a análise do material, que foi obtido por meio de sessões de psicoterapia com duas mulheres atendidas com essa questão pelo período de quase dois anos em uma Unidade Básica de Saúde. A análise do material clínico mostrou que há uma intensa ambivalência na relação dessas pacientes com suas mães, marcada pelos sentimentos de amor e ódio, sendo que, na realidade psíquica das pacientes, há uma grande hostilidade por parte da mãe. Há uma intrusão materna que se configura como excesso, sendo o excesso entendido aqui como uma violência operada pelo discurso materno, que compreendemos a partir das concepções de Piera Aulagnier. Dentro dessa relação marcada pela ambivalência e principalmente pela violência, que deixaram profundas marcas no psiquismo das pacientes, houve uma frágil constituição de sujeito e de feminilidade, o que acabou provocando o desencadeamento dos transtornos mentais a propósito do nascimento de seus filhos, da constituição de suas maternidades, momento em que há uma identificação maior com a figura materna. Trabalhamos a questão do matricídio enquanto uma separação da mãe na vida psíquica, concepção trazida por Danièle Brun, que, também podemos entender como um desfusionamento do corpo materno, um processo necessário para que a filha possa adquirir autonomia em relação à mãe e caminhar rumo a sua feminilidade, poder ser mulher, adulta, mãe. O masoquismo também foi encontrado nas pacientes e compreendemos esse masoquismo como o elaborado por Claude Le Guen, como uma defesa da menina contra essa ambivalência que ela encontra nas suas relações com o objeto materno, uma forma de ela preservar o objeto, voltando a agressividade para si, ao mesmo tempo em que recebe um maior investimento objetal, ao mostrar-se mais dócil. Consideramos que para as mulheres deste estudo o processo psicoterápico pôde proporcionar a oportunidade de que questões que não podiam ser sequer pensadas, como a violência e intrusão materna, o desejo de matricídio, infanticídio, pudessem ser elaboradas e inseridas em uma rede de representações psíquicas, dando significados e ajudando as pacientes a entenderem o processo que estavam vivenciando, podendo trabalhar essas questões, elaborar a experiência da maternidade e tudo o que ela abarcava
Titre en anglais
A psychoanalytical study on the formation of motherhood in women that presented mental disorders in puerperium
Mots-clés en anglais
Constitution of subject
Femininity
Motherhood
Psychoanalysis
Puerperium
Resumé en anglais
Nowadays we come across a large number of women that presented mental disorders after the birth of their babies, during the puerperium period. This is a situation that can produce important consequences, such as impairment of the babys development originating from an impaired mother-baby relationship, as the constitution of the subject has its first experiences with its first object, the maternal figure. This study aims to comprehend the motherhood formation process within its collaboration with the constitution of subject and of femininity in women that presented mental disorders in puerperium, besides the issues that might have contributed toward the triggering of these disorders. It consists of a clinical survey, in which the psychoanalytical method was used for analysis of the material, obtained by means of psychotherapy sessions with two women attended with this condition for almost two years in a Basic Healthcare Unit. The clinical material analysis showed intense ambivalence in these patients relationship with their mothers, marked by feelings of love and hate, whereas in the psychic reality of the patients, there is great hostility felt by the mother. There is maternal intrusion in the form of excess, understood as a form of violence produced by maternal discourse, which we comprehend based on the conceptions of Piera Aulagnier. Within this relationship characterized by ambivalence and particularly by violence, which have left profound marks on the patients psyche, there was weak constitution of subject and of femininity, which ended up provoking the triggering of the mental disorders concerning the birth of their children, the formation of their motherhoods, a time when there is greater identification with the maternal figure. We worked on the issue of matricide as a separation from the mother in psychic life, a conception brought by Danièle Brun, which we can also understand as a splitting of the maternal body, a necessary process for the daughter to be able to acquire autonomy in relation to the mother and to move toward her femininity, toward being a woman, an adult, a mother. Masochism was also found in the patients and we comprehend this masochism as that elaborated by Claude Le Guen, as a defense of the girl against this ambivalence that she encounters in her relationships with the maternal object, a means of preserving the object, focusing the aggressiveness on herself, at the same time as she receives a greater objectal investment, by appearing more docile. We consider that for the women from this study the psychotherapeutic process was able to provide the opportunity for issues that could not even be thought about, such as violence and maternal intrusion, the will to commit matricide or infanticide, to be elaborated and included in a network of psychic representations, providing meanings and helping the patients understand the process that they were experiencing, with the ability to work on these issues, prepare the experience of motherhood and everything that it involved
 
AVERTISSEMENT - Regarde ce document est soumise à votre acceptation des conditions d'utilisation suivantes:
Ce document est uniquement à des fins privées pour la recherche et l'enseignement. Reproduction à des fins commerciales est interdite. Cette droits couvrent l'ensemble des données sur ce document ainsi que son contenu. Toute utilisation ou de copie de ce document, en totalité ou en partie, doit inclure le nom de l'auteur.
Takushi_me.pdf (901.43 Kbytes)
Date de Publication
2010-10-29
 
AVERTISSEMENT: Apprenez ce que sont des œvres dérivées cliquant ici.
Tous droits de la thèse/dissertation appartiennent aux auteurs
Centro de Informática de São Carlos
Bibliothèque Numérique de Thèses et Mémoires de l'USP. Copyright © 2001-2019. Tous droits réservés.