• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.47.2016.tde-10052016-102909
Documento
Autor
Nome completo
Carla Regina Silva Soares
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2016
Orientador
Banca examinadora
Svartman, Bernardo Parodi (Presidente)
Borba, Patrícia Leme de Oliveira
Silva, Luis Guilherme Galeão da
Título em português
Relações entre família, políticas de assistência social e vulnerabilidade social: um estudo a partir de entrevistas com mulheres usuárias do SUAS
Palavras-chave em português
Assistência social
Entrevista
Família
Vulnerabilidade social
Resumo em português
A centralidade na família é uma das principais diretrizes adotadas pela Política Nacional de Assistência Social (PNAS) implementada por meio do Sistema Único de Assistência Social (SUAS). A noção de matricialidade sociofamiliar configura-se como base para a formulação de serviços específicos de abordagem familiar nos níveis de proteção social básica e especial, que visam o acompanhamento longitudinal de famílias em situação de vulnerabilidade social, definida neste contexto pela condição de desvantagem em decorrência da pobreza, da privação de renda e de acesso aos serviços e bens públicos, da fragilização de vínculos afetivos, relacionais e de pertencimento. Objetivou-se com esse estudo identificar como as mulheres usuárias do SUAS percebiam e definiam as vulnerabilidades do próprio núcleo familiar, assim como verificar se a concepção de vulnerabilidade social proposta pela PNAS é condizente com as problemáticas apresentadas pelas famílias usuárias do SUAS. A pesquisa qualitativa foi executada por meio de entrevistas de longa duração com temas advindos da observação participante realizada ao longo de três anos de acompanhamento de mulheres usuárias do SUAS por meio de abordagem grupal em serviço de Assistência Social do bairro do Butantã na cidade de São Paulo. Participaram do estudo oito mulheres, acima de 18 anos, usuárias do SUAS e residentes da zona oeste de São Paulo. As depoentes têm entre 35 e 51 anos de idade, estudaram entre a 5ª e a 8ª série do Ensino Fundamental II, cinco delas são migrantes, quatro vivem com os companheiros e filhos e quatro residem com os filhos em uma organização familiar monoparental, três são beneficiárias da Previdência Social, duas estão inseridas em trabalhos formais, duas em trabalhos informais e uma não trabalha. Todas relataram ter sofrido episódios de violência e violação de direitos, principalmente observados na dificuldade de acesso a serviços sociais básicos. Os depoimentos marcaram dificuldades experimentadas ao longo da vida das mulheres e a tônica dos relatos destacou as preocupações atreladas ao papel de mãe e à luta cotidiana que enfrentam para educar, orientar, sustentar e estar junto aos filhos, sobretudo daqueles que se encontram na fase da infância e da adolescência. À luz da noção de enraizamento, proposta por Simone Weil, foi possível identificar que as depoentes apresentam e enfrentam cotidianamente dificuldades ligadas ao desenraizamento urbano, elucidado especialmente na carência de participação comunitária e política. Nesse cenário, a condição de vulnerabilidade pela qual as famílias são definidas no âmbito da política de assistência social, revela certa ambiguidade, pois ao mesmo tempo em que permite oferecer a essas famílias alguma modalidade de apoio também as coloca numa posição estigmatizada de beneficiárias das políticas públicas. Com isso, considerou-se que apesar da concepção de vulnerabilidade proposta pela PNAS ser condizente com as problemáticas apresentadas pelas usuárias, verifica-se uma lacuna em relação à dimensão subjetiva da formação de cada grupo familiar e suas necessidades específicas a fim de apoiá-los para a promoção de uma mudança efetiva
Título em inglês
Relations amongest family, social assistance policies and social vulnerability: a study based on surveys with SUASs female users
Palavras-chave em inglês
Family
Interview
Social assistance
Social vulnerability
Resumo em inglês
One of the main guidelines followed by the Política Nacional de Assistência Social (National Social Assistance Policy) and implemented by the Sistema Único de Assistência Social (Unified System of Social Assistance) is the family centrality. The notion of a social-family matriarchy sets itself up as a formulation basis for a family-approach specific services in basic social protection levels and particularly aimed at the longitudinal families follow-up, in a socially vulnerable situation, defined in this context by the disadvantage position due poverty, deprivation of income and access to public goods and services, and by the bonding and belonging tie weakening. The objective of this study is to identify how women USAS users perceived and defined the vulnerabilities of their own household, as well as verify that the idea of social vulnerability proposed by NSAP is consistent with the problems presented by the USAS family users. The qualitative research was performed through long-time interviews about issues brought by the participant observation carried out over three years of women USAS users follow-up through group approach in Social Assistance Service from the Butantã neighborhood, in São Paulo. The study included eight women, above 18 years, USAS users and residents in the West Zone of São Paulo. The interviewees are between 35 and 51 years old, they studied between the 5th and 8th grades of the Elementary School II, five of them live with their partner and children, four of them live with their children in a single-parent family institution, three of them are Social Security beneficiaries, two are hired in formal jobs, another two are hired in informal jobs and one of them doesnt work. All of them reported having suffered episodes of violence and rights violation (mainly observed in the poor access to basic social services). The statements marked difficulties experienced over their lives and the tone of the reports highlighted the concerns linked to the mother role and the daily struggle they face to instruct, guide, support and be with their children, especially those who are at the childhood and adolescence phases. In the light of the notion of rooting proposed by Simone Weil, it was possible to identify that the interviewees present and face daily difficulties concerning the urban uprooting, cleared primarily by the lack of community and politic participation. In this scenario, the vulnerable condition in which families are defines in the Social Assistance Policy reveals some ambiguity - because while it allows to offer these families a type of support, it also puts them into a stigmatized position as Public Policies beneficiaries. As follows, it is considered that although the vulnerability concept proposed by the NSAP be consistent according to the problems presented by the users, there is a gap concerning the development of each familiar group subjective dimension and their specific needs, in order to support them to promote an effective change
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
soares_corrigida.pdf (1.73 Mbytes)
Data de Publicação
2016-05-17
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.