• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.47.2016.tde-29092016-155752
Documento
Autor
Nome completo
Tiago Rodrigo Marin
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2016
Orientador
Banca examinadora
Massola, Gustavo Martineli (Presidente)
Andriolo, Arley
Aranha, Carmen Sylvia Guimaraes
Barros, Denise Dias
Schmidt, Maria Luisa Sandoval
Título em português
O ser-artístico do homem: o humanismo da arte urbana
Palavras-chave em português
Arte (Psicologia)
Arte contemporânea
Arte urbana
Fenomenologia
Humanismo
Psicologia social
Resumo em português
O que faz a arte ser arte é o principal tema deste trabalho, que inicia suas considerações a partir da resistência encarada pela arte urbana, desde sua origem, a ser respeitada como arte. Compreendemos a arte urbana não apenas como o graffiti, mas também a arte de rua e outros fazeres artísticos que se relacionam com o espaço urbano de maneira direta e retroativa, construindo um medium para esta arte. Apresentamos seu desenvolvimento histórico, especialmente na cidade de São Paulo, mas já considerando os limites da história da arte para compreender a arte contemporânea. Consideramos que grande parte do debate não se concentra no desenvolvimento da arte urbana, mas em todo o processo histórico de sedimentações de conceitos e imposições sobre o que a arte deve ser para ser assim compreendida. Assim, buscamos o que é o ser-artístico, da arte e do homem. Nossas buscas debruçam-se sobre a Estética, desde seus primórdios até a sua destruição fenomenológica feita por Heidegger, para elucidar a cisão entre o que se diz sobre a arte e o que ela é em sua essência. Em seguida, consideramos que Heidegger localiza na arte condições ontológicas que eram até então pertinentes apenas ao homem e, com isso, buscamos o que há de essencialmente artístico na existência humana especialmente nos dias contemporâneos, quando o homem vive a partir de ficções que consegue construir em sua abstração social. Considerando a arte como uma ação humana em seu sentido arendtiano o que nos obriga a uma reconstrução hermenêutica da filosofia de Arendt , buscamos a relação entre a arte com o ser em coletivo, tornado socialmente abstrato e dividido em identidades artificiais. Assim, analisamos a arte urbana como uma possibilidade de um enraizamento pelo dissenso, pela não obrigatoriedade de consensos sociais arbitrários. O enraizamento pelo dissenso, artístico e humano, que defendemos a partir da arte urbana, nos leva a uma discussão sobre Ética e sensus communis, e quais esperanças podemos tecer neste cenário. Por fim, compreendemos a arte, e, em nosso caso particular, a arte urbana, como uma possibilidade humanismo tal qual defendido por Heidegger: a proximidade do homem com sua essência, com a busca pela verdade do Ser em sua clareira
Título em inglês
Mens artistic-being: the humanism of urban art
Palavras-chave em inglês
Art (Psychology)
Contemporary art
Humanism
Phenomenology
Social psychology
Urban art
Resumo em inglês
What makes art be art is the main theme of this work, which begins its considerations from the resistence faced by urban art since its origins, of being respected as art. We understand as urban art not only the graffiti, but also street art and other artistic doings that are related to urban space directly and retroactively, building a medium to urban art. We present its historical development especially in the city of São Paulo, but already considering the limits of art history to understand contemporary art. We consider that a great part of this debate does not focus on the development of urban art, but throughout the historic sedimentation process of concepts and impositions on what art must be in order to be respected. We intend to understand what is the artistic-being, of art and men. Our searches lay on Aesthetics, from its beginnings to its phenomenological destruction made by Heidegger, to elucidate the scission between what is said about art and what art is in its essence. We consider that Heidegger has located ontological conditions in art that was previously intrinsic only to men. Therefore, we look for what exists of essentially artistic in human existence especially in contemporary days, when men live through fictions that one can build from one social abstraction. Considering art, in its Arendt sense, as a human action what makes us do an hermeneutic reconstruction of Arendts philosophy we investigate the relationship between art and being man in a collective context becoming a socially abstract being divided by artificial identities. We have analyzed urban art as a possibility of social rooting by the dissensus, that needs no arbitrary social consensus. The social rooting by the human and artistic dissensus that we constructed parting from urban art, brings us into a discussion about sensus communis and Ethics, and what hopes can we weave on this scenario. Finally, we understand the art, and in our particular case, urban art, as a potential humanism as it is defended by Heidegger: men's proximity to its essence, the searching for the truth of the Being in its brightness
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2016-09-29
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.