• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.48.2016.tde-05042016-133652
Documento
Autor
Nome completo
Alexsandro do Nascimento Santos
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Bontempi Junior, Bruno (Presidente)
Boto, Carlota Josefina Malta Cardozo dos Reis
Carvalho, José Sergio Fonseca de
Chiozzini, Daniel Ferraz
Dallabrida, Norberto
Título em português
Origens da Faculdade de Educação da USP: o Departamento de Educação da F.F.C.L. (1962-1969)
Palavras-chave em português
Ciências e letras
Departamento de educação
Faculdade de Educação da USP
Faculdade de filosofia
Intelectuais da educação
Reforma universitária
Resumo em português
Esta pesquisa se propôs a analisar os momentos finais do percurso de autonomização do campo educacional na Universidade de São Paulo, concluído em 1970, com a criação da Faculdade de Educação. Para isso, elegeu como objeto o Departamento de Educação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras. Compreendendo a incorporação do antigo Instituto de Educação à Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (1938) como marco inicial de um conjunto de conflitos e negociações entre agentes do campo educacional e os demais agentes do campo intelectual para a afirmação de posições no espaço institucional da USP, assume-se a hipótese de que esses conflitos e negociações se reorganizaram a partir dos constrangimentos e possibilidades surgidas no início da década de 1960, com a promulgação da Lei Federal nº 4.024/1961. Tal norma permitiu a emergência ainda que contraditória da departamentalização e do início do processo de superação das cátedras no ensino superior brasileiro, delegando a cada universidade a escolha pela manutenção do regime até então em vigor ou por sua substituição. Na USP, os Estatutos aprovados em 1962 deslocaram para cada unidade a definição de como enfrentaria a questão. A Faculdade de Filosofia optou pelo caminho da departamentalização, construindo seu novo Regulamento em 1963. O Departamento de Educação foi criado neste contexto, unindo as cátedras de Administração Escolar e Educação Comparada, História e Filosofia da Educação, Didática Geral e Especial e a disciplina autônoma de Orientação Educacional. Metodologicamente, este trabalho inscreve-se na perspectiva da história dos intelectuais (RIOUX, 1983; SIRINELLI, 1986, 1999, 2003), em diálogo com a produção de pesquisadores do campo da história da educação brasileira interessados nas questões da formação das elites intelectuais e da formação, ideias e ações dos intelectuais da educação (BONTEMPI Jr., 1995, 1999, 2001; WARDE 1995, 1998, 2003, entre outros). Dialogou-se, também, com o campo da sociologia, a partir da produção de Pierre Bourdieu sobre o campo universitário francês (BOURDIEU, 2011). As fontes privilegiadas foram: a) a documentação institucional produzida pela Universidade; b) as notícias veiculadas na imprensa paulista no período; c) dissertações de mestrado, teses de doutorado e livre docência produzidas logo após a reestruturação da USP e que analisavam suas consequências (CHAMILIAN, 1971; ANTUNHA, 1974); d) registros dos programas do curso de Pedagogia no período; e) nove entrevistas realizadas pelo pesquisador com ex-alunas e docentes da USP que se formaram pedagogas no período de 1962 a 1973. A investigação concluiu que a dinâmica de criação e funcionamento do Departamento de Educação da Faculdade de Filosofia dialogou com a criação e funcionamento de outras instâncias de legitimação do campo educacional na Universidade especialmente o Centro Regional de Pesquisas Educacionais de São Paulo e o Colégio de Aplicação e que, uma vez consolidado, aquele Departamento estruturou um conjunto de condições específicas que explicam parte importante da organização da Faculdade de Educação autônoma da USP. Os quadros intelectuais, as diretrizes d a formação dos estudantes e as estruturas e posições de poder que marcavam aquele Departamento foram preservadas quando da autonomização da escola de professores da Cidade Universitária.
Título em inglês
The Origins of the USP School of Education: the Education Department at the Faculty of Philosophy, Sciences and Humanities (1962-1969)
Palavras-chave em inglês
Education department
Education scholars
Faculty of philosophy
Sciences and humanities
University reform
USP School of Education
Resumo em inglês
This research sought to analyze the final stages of the process through which education scholars at the University of São Paulo (USP) gained institutional autonomy, concluding in 1970 with the creation of the School of Education. The focus of this study is therefore the Education Department at the Faculty of Philosophy, Sciences and Humanities. It is hypothesized that the conflicts and negotiations among education scholars and other intellectuals at USP began in 1938, after the Education Institute was incorporated into the Faculty of Philosophy, Sciences and Humanities. These institutional conflicts and negotiations are presumed to have evolved as a result of the new possibilities that emerged in the early 1960s, with the passing of Federal Law n 4.024/1961 (National Education Guidelines). Such law enabled the departmentalization of higher education in Brazil, while delegating to Universities the choice of maintaining or substituting the old cátedra (chair or professorship) model. At the University of São Paulo, the 1962 Statute granted academic units the power to define how the new mandates would be implemented. As such, the Faculty of Philosophy embraced departmentalization and issued a set of Bylaws in 1963. The Education Department was founded amidst these changes, by uniting the professorships of School Management and Comparative Education, History and Philosophy of Education, General and Content-Specific Pedagogy, as well as the independent discipline of Educational Counseling. Methodologically, this research falls into the study of intellectual history (RIOUX, 1983; SIRINELLI, 1986, 1999, 2003), and it contributes to the work of education historians interested in the formation of the Brazilian intellectual elite as well as the ideas and actions of education scholars (BONTEMPI Jr., 1995, 1999, 2001; WARDE 1995, 1998, 2003, among others). It also engages in dialogue with Pierre Bourdieus sociological analysis of higher education in France (BOURDIEU, 2011). The study draws from sources such as: a) institutional documents; b) 1960s and 70s news outlets from São Paulo press, c) doctoral dissertations and masters theses concluded immediately after the reorganization of the University, focusing on the consequences of such changes (CHAMILIAN, 1971; ANTUNHA, 1974), records of academic programs taken up by Pedagogy professors during the period under consideration and a set of nine interviews conducted by the author with former students and professors of the USP School of Education who graduated between 1962 and 1973. The study concludes that the dynamics put in place with the creation of the Education Department at the Faculty of Philosophy, Sciences and Humanities coincided with other sources of legitimization of education scholarship at the University particularly, the founding of the São Paulo Regional Center for Educational Research (CRPE/SP) and the Universitys Research School. It argues that, once established, the Department built up a set of conditions that were sustained until the later organization of the School of Education as an autonomous entity within the University. In fact, the intellectual hierarchies of the Department, as well as the guidelines that framed students academic trajectories were preserved upon the official separation of the USP teachers school.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2016-04-29
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.