• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.5.2012.tde-03072012-091938
Documento
Autor
Nome completo
Mariana Araujo Ribeiro Queiroz
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2012
Orientador
Banca examinadora
Barbosa, Egberto Reis (Presidente)
Fen, Chien Hsin
Machado, Luis dos Ramos
Título em português
Tratamento da distonia cervical com fisioterapia: estudo de 20 casos
Palavras-chave em português
Fisioterapia
Qualidade de vida
Torcicolo
Toxinas botulínicas tipo A
Resumo em português
INTRODUÇÃO: Apesar da terapia com toxina botulínica ser o tratamento de escolha para a distonia cervical, admite-se que um tratamento multidisciplinar, agregando a fisioterapia ao tratamento com toxina botulínica, poderia acrescentar maiores benefícios aos pacientes com distonia cervical; sendo assim, o objetivo primário deste estudo foi avaliar o efeito da associação da toxina botulínica a um protocolo de fisioterapia na gravidade da distonia cervical, incapacidade e dor; e o objetivo secundário foi avaliar o efeito desta associação na qualidade de vida de pacientes com distonia cervical. MÉTODOS: Participaram deste estudo controlado aberto quarenta de setenta pacientes com distonia cervical, tratados no Ambulatório de Distúrbios do Movimento do Departamento de Neurologia da Faculdade de Medicina do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo. Antes de serem submetidos à aplicação da toxina botulínica, os pacientes foram avaliados por um médico da equipe, e esperava-se que neste dia os pacientes estivessem sem a ação da medicação. Todos os pacientes avaliados foram convidados a participar do programa de fisioterapia, e conforme a disponibilidade de aderir ao programa dos mesmos, chegou-se ao número de vinte pacientes em G1 (fisioterapia e toxina botulínica) e vinte pacientes em G2 (toxina botulínica), sendo esta amostra de conveniência. Para G2, foram escolhidos os primeiros vinte pacientes consecutivos que não poderiam aderir ao programa fisioterapêutico. Os pacientes de G1 e G2 foram reavaliados após quarenta e cinco dias. As escalas utilizadas foram a Toronto Western Spasmodic Torticollis Rating Scale (TWSTRS) e a Short-Form Health Survey (SF-36). Foi proposto um novo modelo de tratamento para pacientes com distonia cervical que seriam submetidos a um protocolo fisioterapêutico, baseado em três principais abordagens: aprendizagem motora, cinesioterapia e estimulação elétrica funcional na musculatura antagonista ao padrão distônico. Os pacientes de G1 foram tratados por um período de quatro semanas, a frequência era diária (cinco vezes por semana) e a duração da sessão em média uma hora e quinze minutos. RESULTADOS: As características demográficas iniciais dos indivíduos não diferiram significativamente entre os dois grupos tratados, em apenas um dos itens avaliados (tempo de tratamento) houve diferença entre grupos no momento inicial. Os resultados dos tratamentos na qualidade de vida foram avaliados pela escala SF-36, esta dividida em dois grandes domínios: aspectos físicos e aspectos emocionais. Em relação aos aspectos físicos, G1 apresentou melhora significativa comparando-se antes e depois do tratamento (intragrupo) em três subdomínios: capacidade funcional, limitação por aspectos físicos e dor; em G2 não houve melhora significativa em nenhum dos quatro subdomínios. Houve também uma diferença entre G1 e G2 depois dos tratamentos (entre grupos) em dois subdomínios: limitação por aspectos físicos e dor. Em relação aos aspectos emocionais, em G1, houve melhora significativa nos seguintes subdomínios depois do tratamento (intragrupo): vitalidade, aspectos sociais e saúde mental. Houve também uma diferença entre G1 e G2 depois dos tratamentos (entre grupos) em dois subdomínios: vitalidade e saúde mental. Não houve melhora em G2 nos subdomínios dos aspectos emocionais. A avaliação das características e gravidade da distonia cervical, medida pela TWSTRS, demonstrou melhora significativa de G1 e G2 após os tratamentos que foram submetidos (intra grupos) em duas subescalas: gravidade (I) e incapacidade (II). Na subescala de dor (III), apenas G1 apresentou melhora intragrupo após o tratamento a que foi submetido; houve também, neste mesmo subdomínio, diferença significativa entre G1 e G2 depois dos tratamentos, entre grupos. CONCLUSÕES: O presente estudo avaliou possibilidade de que a utilização da toxina botulínica, junto a um protocolo de fisioterapia facilmente reprodutível, poderia agregar melhoras em sintomas como gravidade da doença, incapacidade, dor e qualidade de vida de uma população de indivíduos com distonia cervical, e os resultados obtidos permitiram negar as hipóteses nulas. Novas pesquisas são necessárias para confirmar esses achados e solidificar a reabilitação neurológica como um tratamento eficaz no manejo da distonia cervical
Título em inglês
Cervical dystonia and physical therapy: a case study of 20 subjects
Palavras-chave em inglês
Botulinum toxins type A
Cervical dystonia
Physical therapy
Quality of life
Resumo em inglês
INTRODUCTION: Despite the fact that therapy with botulinum toxin is considered the best treatment for cervical dystonia, it is assumed that a multidisciplinary treatment, adding physical therapy to the botulinum toxin treatment could provide additional gains to patients with cervical dystonia. The primary objective of this study was to evaluate the effect of the combination of botulinum toxin and physical therapy on severity of cervical dystonia, disability and pain. The secondary objective was to evaluate the effect of this combination on the quality of life in patients with cervical dystonia. METHODS: forty patients of seventy with cervical dystonia from the Ambulatório de Distúrbios do Movimento do Departamento de Neurologia da Faculdade de Medicina do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo attended this open- controlled study. Before receiving an application of botulinum toxin, the patients were evaluated by a neurologist and it was assumed that patients were not under any effect of the medication (botulinum toxin). All patients were asked to participate in a physical therapy program, and according to the patients availability to join the program, we reached the number of twenty patients in G1 (physical therapy and botulinum toxin) and in G2 (botulinum toxin only), the first twenty consecutive patients who couldnt participate in the physical therapy program were chosen. This was a convenience sample. Patients of G1 and G2 were revaluated after forty five days, and the evaluation scales used was the Toronto Western Spasmodic Torticollis Rating Scale (TWSTRS) and Short-Form Health Survey (SF-36). A new model of physical therapy treatment was applied to patients with cervical dystonia, and it was based on three main approaches: motor learning, kinesiotherapy and functional electrical stimulation on the antagonist muscles of the dystonic pattern. The patients in G1 were treated daily for a period of four weeks, and each session lasted one hour and fifteen minutes. RESULTS: The demographic characteristics of individuals didnt differ significantly between two treated groups, but there was a difference between groups in the initial moment (baseline) in only one feature evaluated (time of treatment). The SF-36 scale was used to evaluate the results of the treatments for quality of life, and was divided into two big domains: physical and emotional aspects. When analyzing physical aspects, G1 showed a significant improvement when comparing before and after the proposed treatment (inside group) in three subdomains: physical functioning, role-physical and body pain; in G2 there was no improvement in any of the four subdomains. A difference between G1 and G2, after the treatments (between groups), was also seen in two subdomains: role-physical and body pain. In relation to emotional aspects, in G1, after the treatment (intra-group), there was a significantly improvement in vitality, social functioning and mental health. There was also a difference between G1 and G2 after the treatment (between groups) in two subdomains: vitality and mental health. There was no improvement in G2 in any domains of the social aspects. Severity of cervical dystonia showed a significant improvement of G1 and G2 after treatments (intra-group) in two subdomains: severity (I) and disability (II). In subscale pain (III), only patients of G1 showed a significant improvement intra-group after the treatment; in this subdomain there was also a significant difference between groups after the treatments (G1 and G2). CONCLUSIONS: The present study showed that botulinum toxin, combined with an easily reproducible physical therapy protocol, could improve symptoms like severity of cervical dystonia, disability, pain and quality of life, in a population of individuals with cervical dystonia, and these results makes it possible to deny the null hypothesis. Other studies are needed to confirm these findings and solidify neurologic rehabilitation as an effective cervical dystonia treatment approach
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2012-07-03
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.