• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Disertación de Maestría
DOI
https://doi.org/10.11606/D.5.2020.tde-29012020-132550
Documento
Autor
Nombre completo
Alex Rey Norberto
Dirección Electrónica
Instituto/Escuela/Facultad
Área de Conocimiento
Fecha de Defensa
Publicación
São Paulo, 2019
Director
Tribunal
Sorpreso, Isabel Cristina Esposito (Presidente)
Tannuri, Ana Cristina Aoun
Júnior, José Maria Soares
Raimundo, Rodrigo Daminello
Título en portugués
Modulação autonômica da frequência cardíaca e risco cardiovascular em mulheres na pós-menopausa
Palabras clave en portugués
Doença cardiovascular
Heart rate variability
Modulação autonômica da frequência cardíaca
Pós-menopausa
Sistema cardiovascular
Sistema nervoso autônomo
Resumen en portugués
Introdução: As mulheres no período da pós-menopausa precoce e tardia apresentam diferenças clínicas, como tempo de menopausa e intensidade dos sintomas, que influenciam a modulação autonômica da frequência cardíaca e o risco cardiovascular. A variabilidade da frequência cardíaca e o risco cardiovascular de Framingham são ferramentas clínicas de avaliação para o gerenciamento desse risco. Sabe-se que o escore de risco de Framingham possui algumas inconsistências para essa população, contudo existe uma lacuna na literatura sobre a modulação autonomica da frequencia cardiaca associada ao Framingham em mulheres na pós-menopausa. Objetivo: Avaliar a modulação autonômica da frequência cardíaca e o risco cardiovascular em mulheres na pós-menopausa precoce e tardia. Método: Estudo transversal e analítico desenvolvido no Ambulatório de Climatério no Setor de Ginecologia Endócrina e Climatério da Disciplina de Ginecologia do HC/FMUSP no período de janeiro a dezembro de 2018. A casuística incluiu 34 mulheres acima de 40 anos com diagnóstico de pós-menopausa, divididas em dois grupos: (1) pós-menopausa precoce (16) e (2) pós-menopausa tardia (18). Todas preencheram ficha sociodemográfica, clínica e o Índice Menopausal de "Kupperman-Blatt". A captação dos intervalos R-R foi realizada para determinação dos índices da variabilidade da frequência cardíaca. O risco cardiovascular foi obtido por intermédio do software online do estudo de Framingham. Utilizou-se análise descritiva dos dados, correlação de Spearman e Pearson, média móvel e regressão linear simples. Para a magnitude da diferença da variabilidade da frequência cardíaca aplicou-se o tamanho do efeito de Cohen's d. Resultados: As mulheres na pós-menopausa tardia apresentaram menor modulação parassimpática da frequência cardíaca, com rMSSD de 16,60 ms, (p < 0,05) e o risco cardiovascular de Framingham foi 4,95±2,55% no grupo precoce e 7,33±4,38% no tardia (p=0,18). A modulação parassimpática da frequência cardíaca associou-se ao tempo de pós-menopausa (p < 0,05) sem associação da idade, em paralelo o rMSSD demonstrou sofrer maior influencia do tempo de pós-menopausa (r=0,75), do que da idade (r=0,59). O risco cardiovascular de Framingham não se associou à modulação autonômica da frequência cardíaca e demonstrou maior influencia da idade (r=0,75) do que do tempo de pós-menopausa (r=0,16). Conclusão: A modulação parassimpática da frequência cardíaca apresenta-se diferente em mulheres na pós-menopausa precoce e tardia e não se associou ao risco cardiovascular de Framingham. O risco cardiovascular de Framimingham apresenta-se baixo em ambos os grupos, sem diferença entre eles. A modulação autonômica parassimpática demonstrou sofrer maior influencia do tempo de pós-menopausa do que da idade enquanto o risco de Framingham demonstrou sofrer maior influencia da idade
Título en inglés
Autonomic modulation of the heart rate and cardiovascular risk in postmenopausal women
Palabras clave en inglés
Autonomic modulation of the heart rate
Autonomic nervous system
Cardiovascular disease
Cardiovascular system
Heart rate variability
Postmenopause
Resumen en inglés
Introduction: Women in early and late postmenopausal have clinical differences, such as menopause time and symptoms intensity, which influence the autonomic modulation of heart rate and cardiovascular risk. Heart rate variability and Framingham cardiovascular risk are clinical assessment tools for managing this risk. The Framingham risk score is known to have some inconsistencies for this population. However, there is a lack in the literature about autonomic modulation of heart rate associated with Framingham in postmenopausal women. Objective: To evaluate the autonomic modulation of heart rate and cardiovascular risk in early and late postmenopausal women. Method: Analytical and cross-sectional study conducted at the Ambulatório de Climatério no Setor de Ginecologia Endócrina e Climatério da Disciplina de Ginecologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo from January to December 2018. The sample included 34 women over 40 years with postmenopausal diagnosis, divided into two groups: (1) early postmenopause (16) and (2) late postmenopause (18). All completed the sociodemographic, clinical and Menopausal Index of "Kupperman-Blatt". R-R intervals were captured using a heart rate monitor to determine heart rate variability indices. Cardiovascular risk was obtained through the online software of the Framingham study. Descriptive data analysis, Spearman and Pearson correlation, moving average and simple linear regression were used. To quantify the magnitude of the difference in heart rate variability indices, the Cohen's d effect size was applied. Results: Late postmenopausal women had lower parasympathetic modulation of heart rate, with rMSSD of 16.60 ms, HF ms2 of 90.50 and SD1 of 11.75 ms2, (p < 0.05) and cardiovascular risk of Framingham was 4.95 ± 2.55% in the early group and 7.33 ± 4.38% in the late group, both considered low risk (p = 0.18). Parasympathetic modulation of heart rate was associated with postmenopausal time (p < 0.05) without age association. In parallel, rMSSD was shown to be more influenced by postmenopausal time (r = 0.75) than age (r = 0.59). Framingham's cardiovascular risk was not associated with autonomic modulation of heart rate and showed greater influence of age (r = 0.75) than postmenopausal time (r = 0.16). Conclusion: Parasympathetic modulation of heart rate is different in early and late postmenopausal women and was not associated with Framingham cardiovascular risk. Framimingham's cardiovascular risk is low in both groups, with no difference between them. Parasympathetic autonomic modulation was more influenced by postmenopausal time than age, while Framingham risk was more influenced by age
 
ADVERTENCIA - La consulta de este documento queda condicionada a la aceptación de las siguientes condiciones de uso:
Este documento es únicamente para usos privados enmarcados en actividades de investigación y docencia. No se autoriza su reproducción con finalidades de lucro. Esta reserva de derechos afecta tanto los datos del documento como a sus contenidos. En la utilización o cita de partes del documento es obligado indicar el nombre de la persona autora.
AlexReyNorberto.pdf (2.61 Mbytes)
Fecha de Publicación
2020-01-29
 
ADVERTENCIA: Aprenda que son los trabajos derivados haciendo clic aquí.
Todos los derechos de la tesis/disertación pertenecen a los autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Tesis y Disertaciones de la USP. Copyright © 2001-2020. Todos los derechos reservados.