• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.5.2008.tde-17122008-104415
Documento
Autor
Nome completo
Ana Cristina Silvestre da Cruz
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2008
Orientador
Banca examinadora
Ceccon, Maria Esther Jurfest Rivero (Presidente)
Diniz, Edna Maria de Albuquerque
Ymayo, Marcos Roberto
Título em português
Prevalência de asfixia perinatal e encefalopatia hipóxico-isquêmica em recém-nascidos de termo considerando dois critérios diagnósticos e o tipo de assistência obstétrica
Palavras-chave em português
Asfixia neonatal
Hipóxica-isquêmica encefálica
Índice de Apgar
Recém-nascido
Resumo em português
INTRODUÇÃO: A asfixia perinatal é uma das principais causa de óbito nos recémnascidos (RN) de termo acima de 2500g no Brasil, sendo também a causa mais importante de encefalopatia e lesão cerebral permanente em crianças. Não existindo ainda um consenso acerca de qual seria o melhor critério para seu diagnóstico. OBJETIVOS: Verificar a prevalência de asfixia e de encefalopatia hipóxico-isquêmica segundo dois critérios diagnósticos, avaliar influência do tipo de parto e a evolução neurológica. MÉTODO: Corte transversal prospectivo, onde foram incluídos 30 recém-nascidos que apresentaram asfixia segundo dois critérios diagnósticos: critério 1 foi preconizado pela AAP/ACOG de 1996 (pH de cordão 7,0, disfunção múltipla de órgãos, manifestações neurológicas na primeira semana de vida além do Apgar entre 0-3 no quinto minuto); o critério 2 foi de Buonocore em 2002, modificado (pH de cordão 7,2, Apgar de 4-6 no quinto minuto e necessidade de fração de oxigênio inspirada 0,40 manter saturação de 86%); num período de dois anos (2004/2006) sendo excluídos aqueles que pudessem apresentar encefalopatia por outras causas como malformações, infecções congênitas, erro inato do metabolismo. Para realizar o diagnóstico foram colhida gasometria de cordão dos recémnascidos a termo que apresentaram Apgar de quinto minuto 6 e feitas provas de função cardíaca, hepática, renal e controle hematológico além da avaliação neurológica pelos critérios clínicos de Sarnat e Sarnat de 1976, para verificar o grau de encefalopatia. RESULTADOS: Durante este período a prevalência observada de asfixia foi de 3,2 por 1000 nascimentos a termo (IC a 95% - [2,1 por mil; 4,5 por mil]) e de encefalopatia de 1,7 por 1000 nascimentos a termo (IC a 95% - [0,8 por mil; 2,5 por mil]). A taxa de mortalidade foi de 16,7% e 36,7% evoluíram com encefalopatia grave. Não houve correlação estatística da asfixia e nem da encefalopatia quanto às características maternas, exceto uma tendência maior nas nulíparas e primíparas com parto normal. Quanto à indicação do parto 46,7% apresentava trabalho de parto sem intercorrências, mas pelo critério 1 houve maior número com sofrimento fetal relacionado à maior gravidade da asfixia. O sexo mais freqüente foi o masculino e em ambos os grupos apresentaram acidose metabólica e respiratória e alterações enzimáticas principalmente cardíacas e hepáticas e, função renal com aumento da creatinina. Foi observado que para Sarnat estágios 1 e 2, leve e moderada, houve uma maior proporção de recém-nascidos no critério 2 enquanto que para o Sarnat estágio 3, grave, a maior proporção foi com o critério 1 Resumo (p = 0,016). Enquanto o Apgar de primeiro minuto não mostrou correlação com a gravidade da encefalopatia, 85% dos recém-nascidos com encefalopatia leve/moderada tiveram Apgar de quinto minuto entre 4-6 e a maioria com quadro grave o Apgar foi entre 0-3 (p = 0,018). Houve uma tendência de acordo com o aumento da gravidade da encefalopatia a uma redução do dióxido de carbono sanguíneo, bicarbonato e aumento negativo do excesso de base além do aumento de enzima cardíaca (creatina fosfoquinase), mas não foi estatisticamente significante. CONCLUSÃO: Não houve correlação estatística entre asfixia e a gravidade da encefalopatia com fatores maternos. Todos os recém-nascidos apresentaram acidose respiratória e metabólica e entre as alterações enzimáticas cardíacas foram as mais importante. Em relação ao índice de Apgar, a nota de quinto minuto mostrou melhor correlação com a gravidade evolutiva dos pacientes. Com o critério 1 (Academia Americana de Pediatria) houve melhor correlação com a mortalidade, no entanto por ser muito rigoroso acaba por excluir recém-nascidos que evoluem com quadros de encefalopatia grave
Título em inglês
Prevalence of perinatal asphyxia and hypoxic-ischemic encephalopathy in term newborns considering two diagnostic criteria and the type of obstetric assistance
Palavras-chave em inglês
Hypoxic-ischemic brain
Index of Apgar
Neonatal asphyxia
Newborn
Resumo em inglês
INTRODUCTION: The perinatal asphyxia is one of the main causes of death in newborns and also the most important cause of encephalopathy and permanent cerebral lesion in children. OBJECTIVES: To check the prevalence of asphyxia and of hypoxic-ischemic encephalopathy in term newborns, using two diagnostic criteria; to assess whether the diagnostic criterion used and the type of obstetric assistance are related to the grade of seriousness of the asphyxia and of the encephalopathy. Methods: Prospective transversal cut study carried out in a public hospital in the East Zone of São Paulo, in which 30 term newborns with perinatal asphyxia were included and classified in two groups, according to two diagnostic criteria adopted: criterion 1 recommended by American Academy of Pediatrics (1996), and which considers as bearer of perinatal asphyxia the newborn presenting: cord pH 7.0, multiple organ dysfunction, neurological manifestations in the first week of life and Apgar value in the fifth minute of life between 0-3. Criterion 2 defined by Buonocore in 2002 and which consists in: cord pH 7.2, Apgar value in the fifth minute of life between 4-6 and fraction inspired of oxygen need 0.40 to maintain a saturation of 86%. To confirm the diagnosis, the following laboratorial examinations were carried out: gasometry, hepatic, renal and cardiac function tests, besides the hematological control. To assess the neurological function and verify the grade of hypoxic-ischemic encephalopathy, the clinical criteria of Sarnat and Sarnat were used. RESULTS: The prevalence of perinatal asphyxia observed in this case was of 3.2 per 1,000 term births (IC at 95% - [2.1 per one thousand; 4.5 per one thousand]) and of hypoxic-ischemic encephalopathy was of 1.7 per 1,000 term births (IC at 95% - [0.8 per one thousand; 2.5 per one thousand]). As regards the criteria used, the newborns of criterion 1 statistically presented more fetal suffering when compared to those of criterion 2, and this fact was also related to the grade of seriousness of the asphyxia. The newborns of the two groups presented cardiac changes with elevation of the specific enzyme, hepatic changes with elevation of the glutamic pyruvic and oxaloacetic transaminases and renal changes proven by elevation of creatinine, besides the relevant respiratory and metabolic acidosis. The newborns with serious metabolic acidosis and high levels of creatine phosphokinase had a greater degree of neurological impairment. In 85% of newborns with light/moderate encephalopathy was verified an Apgar value at fifth minute of life between 4-6, and in newborns with serious encephalopathy this value was between 0-3 (p = 0.018). A positive trend for Summary the presence of asphyxia and encephalopathy was found in children of primiparous mothers and born during normal parturition. When assessing the degree of neurological impairment through the criteria of Sarnat and Sarnat, A greater proportion of newborns of criterion 2 were found in the lighter degrees. In degree 3, which is the most serious, a greater proportion of newborns of criterion 1 (p = 0,016) was found. The mortality rate in these cases was of 16.7%, and most of the newborn were of criterion 1. CONCLUSION: The prevalence of perinatal asphyxia and hypoxic -ischemic encephalopathy is as mentioned in the world literature, and smaller than found in Brazil. Criterion 1 was the one that showed a better correlation with the mortality of patients. However, as it is too rigorous, it may exclude the newborn that survive and develop hypoxic-ischemic encephalopathy. As regards the type of obstetric assistance, despite the fact that no statistically significant difference was observed, there was a positive trend to the presence of asphyxia and encephalopathy in children of primiparous mothers born during normal parturition
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2008-12-22
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.