• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.1984.tde-13122011-180757
Documento
Autor
Nome completo
Giovanni Guido Cerri
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 1984
Orientador
Banca examinadora
Magalhaes, Alvaro Eduardo de Almeida (Presidente)
Bohm, Gyorgy Miklós
Laudanna, Antonio Atilio
Pontes, Walter Bomfim
Rodrigues, Joaquim Jose Gama
Título em português
Contribuição da ultra-sonografia no diagnóstico da forma hepato-esplênica da esquistossomose mansônica
Palavras-chave em português
Esquistossomose mansônica
Hipertensão portal
Ultra-sonografia
Resumo em português
O trabalho discute a utilidade da ultra-sonografia, no diagnóstico da forma hepato-esplênica da esquistossomose mansônica. O autor estudou, pela ultra-sonografia, 103 pacientes com esquistossomose hepato-esplênica comprovada e observou os sinais encontrados no fígado, vias biliares, baço e circulação portal. Foi determinada a freqüência dos diferentes sinais presentes no grupo de pacientes esquistossomóticos e feita correlação com as alterações anátomo-patológicas da doença. Os valores dos calibres das veias esplênica, porta e mesentêrica superior dos nossos pacientes esquistossomóticos foram comparados aos encontrados em 50 pacientes sem anormalidades hepáticas (grupo-controle). As alterações encontradas no fígado incluíram espessamento da parede da veia porta e seus ramos, nódulos parenquimatosos, atrofia do lobo direito e hipertrofia do lobo esquerdo. O espessamento da parede dos vasos portais correlaciona-se a fibrose peri-portal encontrada no exame anátomo-patológico e foi sinal muito freqüente. A atrofia do lobo direito e a hipertrofia do lobo esquerdo devem estar relacionadas ao hiperfluxo pela veia esplênica. Os nódulos parenquimatosos representam os granulomas que, pelas suas pequenas dimensões, são raramente visualizados pela ultra-sonografia. A vesícula biliar apresentou espessamento de sua parede em número significativo dos pacientes estudados. O baço encontrou-se aumentado de volume em todos os pacientes, atingindo geralmente grandes proporções. Em pequeno número de casos observou-se padrão multinodular que foi atribuído aos nódulos sideróticos encontrados ocasionalmente na esquistossomose. A média dos calibres da veia porta, veia esplênica e veia mesentérica superior, nos pacientes esquistossomóticos, foi estatisticamente superior à dos pacientes do grupo-controle. O aumento do calibre foi mais acentuado para a veia esplênica do que para a veia mesentérica superior. Os vasos colaterais estudados foram a veia umbilical, a veia gástrica esquerda e os vasos gástricos curtos, não apresentando características particulares para esta doença. A trombose da veia porta foi encontrada em raros casos. Os principais sinais sonográficos da esquistossomose hepato-esplênica incluem fibrose peri-portal, hipertrofia do lobo esquerdo, espessamento da parede da vesícula biliar, nódulos hepáticos, padrão multinodular do baço e aumento do calibre dos vasos portais. Sinais sonográficos freqüentes porém inespecíficos, incluem esplenomegalia e vasos colaterais. O autor considera o exame ultra-sonográfico método importante no diagnóstico não invasivo da esquistossomose hepato-esplênica
Título em inglês
Ultrasonography in the diagnosis of the hepatosplenic form of schistosomiasis mansoni
Palavras-chave em inglês
Portal hypertension
Schistosomiasis mansoni
Ultrasonography
Resumo em inglês
The paper discusses the usefulness of ultrasonography in the diagnosis of the hepatosplenic form of schistosomiasis mansoni. The author studied, sonographically, 103 patients with comproved hepatosplenic schistosomiasis and observed the signs found in the liver, biliary tract, spleen, and portal system. The frequency of the different signs present in the group of schistosomotic patients had been determined and the correlation with the anatomopathological alterations of the disease was done. The values of the diameter of the splenic, portal and superior mesenteric veins in the schistosomotic patients was compared with the ones found in 50 patients without hepatic abnormalities. The alterations found in the liver includes the thickening on the wall of the portal vein and its branches; atrophy of the right lobe and hypertrophy on the left lobe and hepatic nodules. The thickening of the wall of the portal vessels is correlated to the periportal fibrosis found in the anatomopathologic examination and is a very frequent sign. The atrophy of the right lobe and the hypertrophy of the left lobe is most probably related to the higher vascular flow through the splenic vein. The hepatic nodules represent granulomas that, due to their small dimentions, are seldom visualized by ultrasonography. The thickening of the gallbladder wall, was found in a significant number of the studied patients. The spleen presented an enlarged volume in all patients, reaching generally big proportions. In a small number of cases a multinodular pattern was observed and it has been atributed to the siderhotic nodules occasionally found in schistosomiasis. The average of the diameters of the portal, splenic and superior mesenteric veins of the patients with schistosomiasis was statistically higher than the ones found in the control group. The enlargement of the diameter was more accentuated in the splenic vein rather than in the superior mesenteric vein. The collateral vessels studied were the umbilical vein, the left gastric vein and the short gastric vessels, not presenting particular characteristics for this disease. Thrombosis of the portal vein was rarely found. The main sonographic signs of the hepatosplenic schistosomiasis include periportal fibrosis, hypertrophy of the left lobe, thickening of the wall of the gallbladder, granulomas, multinodular pattern of the spleen and enlargement of the diameter of the portal vessels. Frequent sonographical signs, but nonspecific, include splenomegaly and collateral vessels. The author considers the ultrasonographic examination an important method in the non invasive diagnosis of this disease
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2011-12-19
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.