• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2010.tde-19042010-105319
Documento
Autor
Nome completo
Marcia Ferreira da Costa
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2010
Orientador
Banca examinadora
Strauss, Edna (Presidente)
Alves, Venancio Avancini Ferreira
Duarte, Maria Irma Seixas
Lanzoni, Valeria Pereira
Ribeiro, Maria de Fatima Gomes de Sá
Título em português
Esteato-hepatite não alcoólica e esteatose em hepatite crônica pelo vírus C: prevalência e relações entre dados demográficos e clínico-laboratoriais com parâmetros histopatológicos
Palavras-chave em português
Fígado gorduroso
Fígado/anatomia & histologia
Hepatite C crônica
Hepatopatias
Resumo em português
A hepatite crônica pelo vírus C é a principal causa de doença hepática crônica progressiva e complicações relacionadas, como a cirrose hepática e o carcinoma hepatocelular. O estadiamento de fibrose e a graduação da atividade necroinflamatória são excelentes preditores de progressão da doença na hepatite crônica pelo vírus C (HCVC). A epidemia global de obesidade e diabetes mellitus é responsável pela crescente incidência da doença hepática gordurosa não alcoólica, caracterizada por achados histológicos que variam da esteatose pura até a esteato-hepatite não alcoólica (EHNA), com potencial risco de evolução para a cirrose hepática e suas complicações. Na HCVC, fatores virais e do hospedeiro podem contribuir para a associação com a doença hepática gordurosa não alcoólica. Não há consenso sobre a prevalência de esteatose e esteato-hepatite não alcoólica em pacientes com HCVC, com ampla variabilidade na dependência do genótipo viral, fatores metabólicos da população em estudo e variáveis histológicas utilizadas para a definição. Objetivos: a) Definir a prevalência de esteatose hepática e da esteato-hepatite não alcoólica em pacientes com hepatite crônica pelo vírus C; b) Avaliar a relação entre variáveis clínico-laboratoriais e diferentes graduações de parâmetros histopatológicos; c) Avaliar a influência da EHNA na progressão da fibrose; d) Determinar os fatores virais e do hospedeiro associados a diferentes grupos histológicos, assim definidos: hepatite crônica pelo vírus C (HCVC), hepatite crônica com esteatose (>5%), hepatite crônica associada à esteato-hepatite não alcoólica (esteatose + fibrose perissinusoidal); e) Determinar fatores virais e do hospedeiro associados aos grupos HCVC, HCVC com esteatose e HCVC com EHNA, considerando estadiamento maior de fibrose à biópsia inicial. Métodos: Em 81 pacientes com HCVC seguidos no ambulatório de hepatites crônicas, parâmetros clínico-laboratoriais foram relacionados ao estadiamento da fibrose em biópsias pareadas. Dentre os dados clínicos, a síndrome metabólica foi definida pelo critério do ATP III. À biópsia inicial, achados histopatológicos de HCVC e doença hepática gordurosa não alcoólica foram graduados como ausente/leve ou moderado/intenso. Posteriormente, excluindo os pacientes com o genótipo do VHC tipo 2, dados clínicos e laboratoriais e estágios de fibrose 0-1 ou 2-4 foram analisados em pacientes com hepatite crônica pelo vírus C divididos em três grupos: HCVC sem esteatose, HCVC com esteatose e HCVC com esteato-hepatite não alcoólica (EHNA), definida pela associação com balonização e fibrose perissinusoidal. Resultados: A idade avançada esteve associada a estágio maior de fibrose e atividade inflamatória portal e periportal; o escore de APRI AST / Platelets Relation Índex foi associado a estágios maiores de fibrose e maior atividade necroinflamatória. Na análise multivariada, o perfil lipídico da síndrome metabólica foi associado à fibrose perivenular enquanto a glicemia elevada esteve associada ao hialino de Mallory-Denk. Esteatose isolada esteve presente em 35 (43.2%) e associada a EHNA em 21 (25.9%) dos pacientes. O genótipo 3 do vírus da hepatite C foi mais prevalente nos pacientes com HCVC com esteatose ou EHNA, porém evolução para estágios maiores de fibrose associou-se ao genótipo viral 1 (p= 0.000). A presença de HCVC + EHNA esteve associada com fibrose 2 em pacientes com menos de 45 anos, independentemente do sexo. Sobrepeso ou obesidade também estiveram associados à fibrose intensa (p< 0.05). Em biópsias pareadas, o perfil lipídico de síndrome metabólica foi o único parâmetro associado com progressão da fibrose (p= 0.012). Conclusão: a) A associação de esteatose e esteato-hepatite não alcoólica é elevada em pacientes com HCVC, sendo mais frequente no genótipo viral 3; b) Fatores metabólicos, como o sobrepeso ou obesidade e a presença do perfil lipídico da síndrome metabólica, estiveram associados à esteatose e EHNA em pacientes com HCVC; c) A associação de NASH com hepatite crônica pelo vírus C pode modificar a evolução da doença e demandar atenção cuidadosa desses pacientes.
Título em inglês
Nonalcoholic steatohepatitis and steatosis in chronic hepatitis C: prevalence and the relationship between demographic, clinical and laboratory data with histopathological parameters
Palavras-chave em inglês
Chronic hepatitis C
Fatty liver
Liver diseases
Liver/anatomy & histology
Resumo em inglês
Chronic hepatitis C is the leading cause of progressive liver damage and related complications, such as cirrhosis and primary hepatocellular carcinoma. Fibrosis stage and necro-inflammatory activity grade are good predictors of disease progression in chronic hepatitis C (CHC).The global epidemic of obesity and diabetes are associated with the increasing incidence of nonalcoholic fatty liver disease (NAFLD), ranging from the pure steatosis to nonalcoholic steatohepatitis (NASH), the latter with the potential to progress to cirrhosis and its complications. In CHC patients, viral and host factors may contribute to the association with NAFLD. There is no consensus about the prevalence of steatosis and NASH in CHC patients, with variability depending on the genotype, host metabolic conditions and histological variables. Objectives: a) To define the prevalence of steatosis and nonalcoholic steatohepatitis in CHC patients; b) To assess the relationship between various clinical and laboratory data and the grading of histological parameters; c) To evaluate the influence of NASH in the progression of fibrosis; d) To determine viral and host factors associated with different histopathological groups classified as: CHC alone, CHC with steatosis ( > 5%) and CHC with NASH (steatosis + perisinusoidal fibrosis); e) To determine viral and host factors associated with higher stages of fibrosis in the three groups. Methods: We investigated clinical and laboratory data in 81 CHC patients under scrutiny in a public tertiary hospital and related them to fibrosis stage at paired biopsies. Among clinical data, metabolic syndrome was defined according to ATPIII. At initial biopsy, histopathological features of chronic hepatitis C and nonalcoholic steatohepatitis were graded as absent/light or moderate/severe. Later on, except for genotype 2 patients, we analysed clinical, biochemical data and stage of fibrosis 0-1 vs. 2-4 among CHC patients divided into three groups: without steatosis, with steatosis and with nonalcoholic steatohepatitis (NASH). Results: In multivariate analysis, lipid profile of metabolic syndrome was associated with perivenular fibrosis whereas elevated glycemia levels were associated with Mallorys hyaline. Steatosis was present in 35 (43.2%) and NASH in 21 (25.9%) patients. HCV genotype 3 was more prevalent among CHC patients associated with steatosis or NASH but higher fibrosis stages were associated with HCV genotype 1 (p= 0.000). The presence of CHC + NASH was associated with fibrosis 2 in patients under 45 years, irrespective of sex (p < 0.05). Overweight and obesity (p < 0.05) were also related to severe fibrosis (p < 0.05). In paired biopsies, lipid profile of metabolic syndrome was the only parameter associated with progression of fibrosis (p= 0.012). Conclusion: a) Steatosis and nonalcoholic steatohepatitis are frequent histopathological features in our CHC patients, especially in HCV genotype 3; b) Metabolic factors, like overweight, obesity and lipid profile of metabolic syndrome were associated with steatosis and NASH in CHC patients; c) The association of NASH in chronic hepatitis C may modify the outcome of CHC and demand close examination.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2010-04-20
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.