• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.5.2011.tde-23032011-175327
Documento
Autor
Nome completo
Fabiana Agena
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2011
Orientador
Banca examinadora
David Neto, Elias (Presidente)
Castro, Maria Cristina Ribeiro de
Pierin, Angela Maria Geraldo
Título em português
Avaliação do comportamento da pressão arterial em pacientes transplantados renais através de três métodos de mensuração
Palavras-chave em português
Monitorização ambulatorial da pressão arterial
Monitorização residencial da pressão arterial
Pressão arterial
Transplante renal
Resumo em português
A hipertensão arterial apresenta alta prevalência entre os receptores de transplante renal sendo considerada um fator de risco cardiovascular importante influenciando na sobrevida do paciente e do enxerto. O objetivo principal deste estudo foi comparar se o controle da pressão arterial nos pacientes transplantados renais por meio da utilização de monitorização residencial da pressão arterial é mais comparável ao resultado da monitorização ambulatorial da pressão arterial quando comparada à medida da pressão arterial de consultório. No período de março de 2008 a abril de 2009, foram avaliados prospectivamente 183 pacientes transplantados renais, com tempo de transplante de 1 a 10 anos. Os pacientes foram submetidos a três métodos de medida de pressão arterial (PA): medida de pressão arterial em consultório, monitorização residencial da pressão arterial (MRPA), e monitorização ambulatorial da pressão arterial (MAPA). Foram avaliados 183 pacientes, dentre eles 94 eram homens (54 %) e 89 mulheres (46 %). A idade média foi de 50 ± 11 anos. O tempo de transplante médio foi de 57 ± 32 meses. Noventa e nove pacientes receberam enxertos de doadores falecidos (54 %) e 84 foram receptores de doadores vivos (46 %). Quando avaliados usando a medida de PA obtida em consultório, 56,3% apresentavam-se PA elevada e 43,7% com PA normal com média de 138,9/82,3 ± 17,8/12,1mmHg. Entretanto, quando avaliados pela MRPA, 55,2% dos indivíduos apresentavam-se PA normal e 44,8 % apresentavam-se PA elevada com média de 131,1/78,5 ± 17,4/8,9. Utilizando a MAPA observamos que 63,9 % dos indivíduos apresentavam-se PA normal e 36,1 % dos indivíduos apresentavam-se PA elevada com média de 128,8/80,5 ± 12,5/8,1. Verifica-se que os dois métodos (Consultório e MRPA) tem concordância significativa com a MAPA, mas a MRPA tem uma concordância maior que a medida de Consultório, comprovado pelo teste Exato de Fisher, com valor descritivo de 0,026. Pelo teste de McNemar, verificamos que não há simetria nos dados nos dois métodos (MRPA e Consultório). Os índices de correlação linear de Pearson dos métodos, comparadas a MAPA, foram de 0,494 para medida de consultório e de 0,768 para MRPA, com a MRPA com melhor correlação com a MAPA. Comparando os erros dos dois métodos pelo teste t pareado, obteve-se o nível descritivo de 0,837, pelo qual concluí-se que o erro médio da PA de Consultório é igual ao do MRPA. Analisando a curva ROC para as medidas de PA em cada método, observa-se que a PA em consultório apresenta-se áreas sob a curva mais baixas que as obtidas pela MRPA em relação a MAPA. Concluí-se que os resultados pressóricos obtidos com a MRPA são mais comparáveis aos resultados obtidos pela MAPA em relação àqueles obtidos pela medida de consultório, sendo factível sua realização em um hospital publico
Título em inglês
Evaluation of the blood pressure im kidney transplantation using three methods of measurement
Palavras-chave em inglês
Ambulatory blood pressure monitoring
Blood pressure
Home blood pressure monitoring
Kidney transplantation
Resumo em inglês
Hypertension is highly prevalent among kidney transplantation recipients and considered an important cardiovascular risk factor influencing patient survival and kidney graft survival. The aim of this study were to compare the blood pressure (BP) control in kidney transplant patients through the use of home blood pressure monitoring is more comparable with the results of ambulatory blood pressure monitoring compared to the measurement of office blood pressure. From March 2008 to April 2009 prospectively we were evaluated 183 kidney transplant recipients with time after transplantation 1 - 10 years. Patients underwent three methods for measuring blood pressure: office blood pressure measurement (OM), home blood pressure monitoring (HBPM) and ambulatory blood pressure monitoring (ABPM). We evaluated 183 patients, among them 94 men (54%) and 89 women (46%). The average age was 50 ± 11 years. The average time of transplant was 57 ± 32 months. Ninety-nine patients received grafts from deceased donors (54%) and 84 were recipients of living donors (46%). When assessed using OM, 56.3% presented with uncontrolled and 43.7% with adequate control of BP with an average of 138.9 / 82.3 ± 17.8 / 12.1 mmHg. However, when measured by HBPM, 55.2% of subjects were controlled and 44.8% presented with uncontrolled BP with an average of 131.1 / 78.5 ± 17.4 / 8.9 mmHg. Using the ABPM we observed that 63.9% of subjects had was controlled and 36.1% of patients presented uncontrolled BP with an average 128.8 / 80.5 ± 12.5 / 8.1.mmHg We found that the two methods (OM and HBPM) has a significant agreement, but the HBPM has a higher agreement than OM, confirmed by Fisher exact test, with descriptive value of 0.026.We found that there is no symmetry in the data for both methods with McNemar test. Person´s correlation for the ABPM with the other two methods were 0.494 for office measurement and 0.768 for HBPM, best value of HBPM with ABPM. Comparing the errors of the two methods by paired t-test, we obtained the descriptive level of 0.837, we conclude that the average error is equal to OM of HBPM. Looking at the ROC curve for BP measurements in each method, we observed that BP in practice presents lower than those obtained by HBPM in relation to ABPM. We conclude that the results obtained with HBPM were closer to the ABPM results than those obtained with blood pressure obtained at OM
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
FabianaAgena.pdf (1.55 Mbytes)
Data de Publicação
2011-03-25
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.