• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.5.2007.tde-28012008-095908
Documento
Autor
Nome completo
Deborah Serra Sousa Bui
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2007
Orientador
Banca examinadora
Abensur, Hugo (Presidente)
Romão Junior, João Egidio
Salgado Filho, Natalino
Título em português
Papel da N-acetilcisteína, como agente protetor da membrana peritoneal na lesão provocada por solução de diálise hipertônica
Palavras-chave em português
Acetilcisteína
Diálise peritoneal
Estresse oxidativo
Modelos animais
Resumo em português
Em 2006, a Diálise Peritoneal representou, no Brasil, o método de tratamento de 9,3% dos pacientes com Insuficiência Renal Crônica Terminal. A terapia dialítica provoca uma lesão na membrana peritoneal de característica inflamatória, com grave desbalanço do processo oxidativo. Associa alto transporte de solutos e perda da capacidade de ultrafiltração da membrana. Vários fatores contribuem para a lesão, tais como a bioincompatibilidade das soluções de diálise peritoneal e sua elevada concentração de glicose. O objetivo do presente estudo é avaliar o efeito protetor da N-acetilcisteína na lesão provocada pelo uso de solução dialítica hipertônica em modelo experimental de diálise peritoneal. Foram estudados 22 ratos Wistar, machos, não-urêmicos, divididos em quatro grupos, sendo: um grupo-controle, não submetido à infusão de SDP; o grupo RL, que recebeu infusão diária de solução ringer lactato; o grupo SDH, que recebeu infusão de SDP e, finalmente, o grupo SDH+NAC, que recebeu infusão de SDP e tratamento com N-acetilcisteína via oral, diariamente (600mg/L). Após seis semanas, foi realizada avaliação funcional da membrana peritoneal pela relação uréia do dialisato, com uma hora de permanência na cavidade peritoneal, e plasma (D/P uréia), assim como pela razão entre a concentração de glicose no líquido peritoneal após uma hora de permanência na cavidade e a concentração de glicose na solução de diálise infundida (G1/G0). As substâncias reativas do ácido tiobarbitúrico (TBARS) foram utilizadas como marcadores no processo oxidativo. A concentração de TBARS foi avaliada em amostra de urina 24hs e dosagem no plasma. Comparada ao grupo-controle, a avaliação funcional do grupo SDH apresentou aumento do transporte peritoneal com D/P uréia de 0,67±0,1 vs 0,46 ± 0,05 (p: 0,03) e G1/G0 de 0,27±0,07 vs 0,44±0,08 (p: 0,01), demonstrando lesão funcional importante. Quando avaliado o grupo SDH+NAC, tratado com N-acetilcisteína e o grupo não tratado SDH, foi observado maior transporte de solutos do grupo não tratado, com D/P uréia 0,67±0,1 vs 0,51 ± 1(p: 0,03) e G1/G0 de 0,27± 0,07 vs 0,35 ± 0,06 (p:0,01). Portanto, foi constatada maior lesão de membrana comparada ao grupo tratado. Comparados ao controle, os grupos SDH e SDH+NAC apresentaram maiores concentrações de TBARS, seja pela dosagem urinária (p:0,002), seja pelo TBARS plasmático (p:0,0001). O grupo tratado SDH+NAC apresentou menores concentrações de TBARS, comparado ao grupo não tratado SDH, provavelmente por um efeito protetor da Nacetilcisteína. Quando avaliada a membrana peritoneal parietal, o grupo tratado apresentou menor espessamento de membrana, medido em micrômetro, em relação ao grupo não tratado (p:0,01) O presente estudo sugere que a lesão da membrana peritoneal provocada pelo uso de solução dialítica hipertônica sofre uma forte influência do processo oxidativo e que o uso contínuo de N-acetilcisteína, por via oral, pode ter efeito redutor dessa lesão.
Título em inglês
Bui DSS Peritoneal membrane protecting N-acetylcysteine on lesion induced by hypertonic dialysis solution
Palavras-chave em inglês
Acetilcysteine
Animal models
Oxidative stress
Peritoneal dialysis
Resumo em inglês
Peritoneal Dialysis represents the modality of treatment for 9.3% of end stage renal disease patients in Brazil. During the period of treatment, the solution induced a peritoneal membrane lesion of inflammatory characteristic. Oxidative stress has been implicated in the development of endothelial damage. It associates the high transport of solutes and loss of ultrafiltration capacity of the membrane. The lesion is caused by several factors as follows: peritoneal dialysis solution incompatibility (PDS) and its increased concentration of glucose. The aim of the present study was to evaluate the N-acetylcysteine protecting effect on lesion aggravated by the use of hypertonic dialytic solution in peritoneal dialysis experimental model. Twenty two male, non-uremic Wistar rats were divided in four groups as follows: (I) control group, not submitted to PDS infusion; (II) RL group receiving daily infusion of ringer lactate; (III) HDS group, receiving PDS infusion, and; (IV) HDS+NAC group receiving PDS infusion and treated with N-acetylcysteine (600mg/L) orally. The peritoneal membrane functional evaluation was performed six weeks later by the dialisate-to-plasma urea, ratio (D/P), and glucose reabsorption determined by the ratio of glucose concentration in peritoneal fluid after one hour of solution permanence in the cavity (G1/GO). The thiobarbituric acid reactive substances (TBARS) were used as markers on studying the oxidative process. The TBARS concentration was assessed in 24h sampling urine and plasmatic dosage. The functional evaluation for the HDS group showed increased peritoneal transport compared to the control group with urea D/P of 0.67±0.1 versus 0.46±0.05 (p:0.03), and G1/GO 0.27±0.07 versus 0.44±0.08 (p:0.01), demonstrating functional lesion. When evaluating the HDS+NAC group, treated with N-acetylcysteine and the HDS non-treated group, a greater transport of solutes was observed for the non-treated group, with urea D/P 0.67±0.1 versus 0.51 ± 1 (p: 0.03), and G1/GO 0.27±0.07 versus 0.35±0.06 (p: 0.01), therefore greater lesion present on the membrane than for the treated group. Compared to the control group, the HDS and HDS+NAC presented greater TBARS concentrations either for urine dosage (p: 0.002) or for plasmatic TBARS (p: 0.0001). The HDS+NAC treated group showed lower TBARS concentrations compared to the non-treated HDS group, a probable protective effect of Nacetylcysteine on the treatment. In the treated group, peritoneal membrane demonstrate lower trickiness compared with untreated group.(p:0,01) The present study suggests that the peritoneal membrane lesion induced by the use of hypertonic dialytic solution undergoes strong influence from the oxidative process and that the continuous use of N-acetylcysteine can preserve these alterations by inhibiting the oxidative stress within the peritoneal membrane.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
DeborahSerraSousa.pdf (360.73 Kbytes)
Data de Publicação
2008-01-28
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.