• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2010.tde-20122010-172917
Documento
Autor
Nome completo
Ramon Coral Ghanem
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2010
Orientador
Banca examinadora
Jose, Newton Kara (Presidente)
Bechara, Samir Jacob
Castro, Rosane Silvestre de
Paula, Jayter Silva de
Siqueira, Wallace Chamon Alves de
Título em português
Ceractomia fotorrefrativa (PRK) com mitomicina C baseada na análise de frentes de onda corneanas para o tratamento da hipermetropia consecutiva à ceratotomia radial
Palavras-chave em português
Astigmatismo
Ceratectomia fotorrefrativa
Ceratotomia radial
Hiperopia
Lasers de excimer
Resumo em português
OBJETIVO: Avaliar a eficácia, estabilidade, previsibilidade e segurança da ceratectomia fotorrefrativa (PRK) guiada pelas frentes de onda corneana para o tratamento da hipermetropia secundária à ceratotomia radial (CR). MÉTODOS: Foram avaliados prospectivamente 61 olhos de 39 pacientes consecutivos, submetidos a PRK personalizado com o laser Esiris-Schwind. A técnica constou de desepitelização mecânica, fotoablação, e utilização de mitomicina C (MMC) 0,02% por 20 ou 40 segundos. A MMC foi aplicada por 40 segundos em 17 olhos (27,9%) que haviam sido submetidos a ablações mais profundas do que 100 ?m ou apresentavam córneas previamente suturadas. As avaliações pós-operatórias foram realizadas após sete dias, um, seis, 12 e 24 meses. Todos os olhos foram avaliados após um ano e dois anos. RESULTADOS: O intervalo médio entre a CR e o PRK foi de 18,8 anos ± 3,8 (DP); o equivalente esférico (EE) médio antes da ceratotomia radial era -4,10 dioptrias (D) ± 1,44. As medidas prévias ao PRK mostraram EE médio de +4,17 D ± 1,97; astigmatismo médio de -1,39 D ± 1,04; AV com correção (AVcc) média de 0,161 ± 0,137 (logMAR); e curvatura corneana média de 35,85 ± 3,60 D. Os resultados encontrados dois anos após a cirurgia foram: EE médio de 0,14 ± 0,99 D (p < 0,001); astigmatismo médio de -1,19 ± 1,02 D (p = 0,627); AV sem correção (AVsc) média de 0,265 ± 0,196 (p < 0,001); AVcc média de 0,072 ± 0,094 (p < 0,001); e curvatura corneana média de 39,01 ± 3,18 D (p < 0,001). AVsc igual ou melhor a 20/25 foi observada em 38% dos olhos e igual ou melhor a 20/40 em 69%. A AVcc melhorou em 62,3% dos olhos, sendo que 21 olhos (34,4%) melhoraram uma linha e outros 17 olhos (27,9%), duas ou mais linhas. Um olho (1,6%) perdeu duas linhas devido ao astigmatismo irregular ocasionado por opacificação corneana periférica. Outro olho perdeu três linhas pelo desenvolvimento de ectasia corneana entre seis e 24 meses, devido ao alargamento progressivo de uma incisão radial inferior, e foi posteriormente submetido à sutura da incisão. Houve 30 olhos (49,2%) entre ± 0,50 D do EE planejado e 45 (73,8%) entre ± 1,00 D. Entre seis e 24 meses, a regressão média do EE foi de +0,39 D (p < 0,05) e cinco olhos (8,3%) sofreram desvio hipermetrópico > 1,00 D. Ocorreu redução estatisticamente significante do coma (p = 0,001), trefoil (p = 0,008), aberração esférica (p < 0,001), astigmatismo secundário (p = 0,001) e quatrefoil (p < 0,001). Não houve mudança estatisticamente significativa da contagem endotelial (p = 0,161). Dois olhos (3,3%) desenvolveram opacificação corneana periférica grau 2 e um, grau 3. CONCLUSÃO: O PRK personalizado pelas frentes de onda corneana coadjuvado pela MMC foi eficaz, previsível e seguro pelo período de dois anos para a redução da hipermetropia após a CR. No pós-operatório observou-se melhora significativa da AVsc, AVcc e das aberrações corneanas. Constatou-se, entretanto, que a hipermetropia consecutiva à CR continua a progredir após o tratamento com o excimer laser.
Título em inglês
Corneal wavefront-guided photorefractive keratectomy (PRK) with adjunctive mitomycin C (MMC) for the treatment of hyperopia after radial keratotomy
Palavras-chave em inglês
Astigmatism
Excimer laser
Hyperopia
Photorefractive keratectomy
Radial keratotomy
Resumo em inglês
PURPOSE: To assess the efficacy, stability, predictability and safety of corneal wavefront-guided photorefractive keratectomy (PRK) for correcting hyperopia after radial keratotomy (RK). METHODS: In a prospective study, 61 eyes of 39 consecutive patients were treated with PRK using an Esiris-Schwind excimer laser. Corneal epithelium was mechanically removed, followed by photoablation and use of 0.02% mitomycin C (MMC) for 20 or 40 seconds. MMC was used for 40 seconds in 18 eyes (27.9%) which underwent ablations deeper than 100 micron or had previous corneal sutures. Postoperative evaluations were performed after seven days, six, 12 and 24 months. All patients were followed up for two years. RESULTS: The mean time between RK and PRK was 18.8 years ± 3.8 (SD); mean spherical equivalent (SE) before RK was -4.10 diopters (D) ± 1.44. Before PRK, the mean SE was +4.17 D ± 1.97, mean astigmatism was -1.39 D ± 1.04, the mean best-corrected visual acuity (BCVA) was 0.161 ± 0.137 (logMAR) and the mean corneal curvature was 35.85 ± 3.60 D. At 24 months, mean SE was 0.14 ± 0.99 D (p < 0.001), mean astigmatism was -1.19 ± 1.02 D (p = 0.627), mean UCVA was 0.265 ± 0.196 (p < 0.001), mean BSCVA was 0.072 ± 0.094 (p < 0.001) and the mean corneal curvature was 39.01 ± 3.18 D (p < 0.001). UCVA was 20/25 or better in 38% of eyes and 20/40 or better in 69%. BCVA improved in 62.3% of eyes, with 21 (34.4%) gaining one line and 17 (27.9%), two or more lines. One eye (1.6%) lost two lines due to irregular astigmatism and peripheral haze. Another eye lost three lines due to keratectasia occurring between six and 24 months resulting from widening of an inferior radial incision that was later sutured. Thirty eyes (49.2%) were within ± 0.50 D of intended SE and 45 (73.8%) were within ± 1.00 D. From six to 24 months, the mean SE regression was +0.39 D (p < 0.05) and five eyes (8.3%) had a hyperopic shift > 1.00 D. A significant decrease in coma (p = 0.001), trefoil (p = 0.008), spherical aberration (p < 0.001), secondary astigmatism (p = 0.001) and quatrefoil (p < 0.001) was observed. Endothelial cell counts did not show a statistically significant decrease (p = 0.161). Two eyes (3.3%) developed peripheral haze grade 2 and one, grade 3. CONCLUSION: Corneal wavefront-guided PRK with MMC was effective, predictable and safe after two years for the treatment of hyperopia after RK. A significant improvement in UCVA, BSCVA and corneal aberrations was obtained. However, hyperopic shift after RK continued to progress after excimer laser surgery.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
RamonCoralGhanem.pdf (4.51 Mbytes)
Data de Publicação
2010-12-21
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.