• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2009.tde-22022010-161306
Documento
Autor
Nome completo
Leticia Martins Azeredo
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2009
Orientador
Banca examinadora
Cerri, Giovanni Guido (Presidente)
Chammas, Maria Cristina
D'Ippolito, Giuseppe
Menezes, Marcos Roberto de
Scatigno Neto, Andre
Título em português
Avaliação ultrassonográfica e dopplervelocimétrica da esquistossomose mansônica: estudo de campo em áreas de baixa, média e alta endemicidades
Palavras-chave em português
Esquistossomose mansônica
Estudo de campo
Morbidade
Ultrassonografia Doppler
Resumo em português
INTRODUÇÃO: os principais aspectos clínicos da esquistossomose mansônica (EM) são determinados pelas lesões vasculares e suas repercussões na hemodinâmica portal. O acesso não-invasivo a essas alterações tem importância fundamental na avaliação da morbidade da doença e na identificação de pacientes com maior risco de complicações. Este estudo de campo realizado em três áreas com níveis distintos de endemicidade, objetivou: a) verificar a viabilidade da USDoppler em estudos de campo; b) identificar os sinais de morbidade relacionados à EM e correlacioná-los com a endemicidade das áreas estudadas; c) determinar os valores dopplervelocimétricos do sistema vascular esplâncnico na EM; e d) determinar as alterações hemodinâmicas na EM. CASUÍSTICA E MÉTODOS: foram examinados por meio da US-Doppler, 554 pacientes esquistossomóticos, divididos em três grupos, de acordo com o local de realização do exame: área de baixa endemicidade (n=109); área de média endemicidade (n=255) e área de alta endemicidade (n=190). Avaliaram-se o fígado, o baço, a vesícula biliar, os vasos portais, as artérias hepática e esplênica, as veias hepáticas e os vasos colaterais. Para análise da morbidade da doença, foi utilizado o protocolo do Niamey Working Group (2000). O protocolo Doppler foi elaborado para fins específicos desta pesquisa. RESULTADOS: houve correlação estatisticamente significante entre as frequências de: espessamento periportal, esplenomegalia, espessamento da parede da vesícula biliar, aumento do calibre dos vasos portais, redução do lobo direito e o nível de endemicidade das áreas. Não houve relação significativa entre a hipertrofia do lobo esquerdo e a endemicidade das áreas. Considerando-se os achados ultrassonográficos de espessamento periportal e/ou esplenomegalia, os pacientes foram alocados em quatro grupos de acordo com a forma de apresentação da doença. As formas hepatointestinal e hepatoesplênica foram mais frequentes na área de alta endemicidade, demonstrando associação significativa entre o nível de endemicidade e a gravidade da doença. A velocidade máxima de fluxo da veia porta apresentou valores normais na maioria dos casos. O fluxo hepatofugal, a trombose portal e a circulação colateral foram pouco frequentes e identificados apenas na área de alta endemicidade. A veia gástrica esquerda foi a colateral prevalente. As veias hepáticas apresentaram padrão de fluxo alterado em 1/4 dos casos, alteração essa relacionada à presença e à intensidade de espessamento periportal. A artéria hepática não apresentou alterações significativas nos parâmetros avaliados. As alterações da artéria esplênica (aumento do calibre, da velocidade de pico sistólico e do índice de resistividade) foram mais frequentes na área de alta endemicidade e na forma hepatoesplênica, com diferença significativa entre os grupos. CONCLUSÃO: a US-Doppler mostrouse viável e adequada para avaliação das alterações hemodinâmicas da EM em estudos de campo. Os sinais de morbidade detectados ultrassonograficamente são parâmetros fidedignos do nivel de endemicidade da EM, e, as informações funcionais do sistema portal obtidas pela US-Doppler, contribuem para o diagnóstico mais preciso das formas clínicas da doença nas áreas endêmicas
Título em inglês
Ultrasonographic and dopplervelocimetric evaluation of schistosomiasis mansoni: field-based study in areas of low, medium and high endemicity
Palavras-chave em inglês
Doppler ultrasonography
Field-based study
Morbidity
Schistosomiasis mansoni
Resumo em inglês
INTRODUCTION: The main clinical aspects of schistosomiasis mansoni (SM) are determined by vascular lesions and their effects on the portal hemodynamic. The non-invasive access to these alterations has fundamental importance in assessing the morbidity of the disease and in identifying patients at higher risk of complications. This field study, carried out in three areas with different levels of endemicity, aimed to: a) assess the feasibility of Doppler ultrasound (US) in fieldbased studies; b) identify the signs of morbidity related to SM and correlate them with the endemicity of the studied areas; c) determine the dopplervelocimetric values of the splanchnic vascular system in SM; and d) determine the hemodynamic changes in SM. PATIENTS AND METHODS: Doppler US was performed in 554 patients with SM, divided into three groups according to the local of the examination: low endemicity area (n=109), medium endemicity area (n=255), and high endemicity area (n=190). The liver, the spleen, the gallbladder, the portal vessels, the hepatic and splenic arteries, the hepatic veins and collateral vessels were evaluated. The Niamey Working Group (2000) protocol was used for the disease morbidity analysis. The Doppler protocol was developed for the specific purposes of this study. RESULTS: There was a statistically significant correlation between the frequency of: periportal thickening, splenomegaly, gallbladder wall thickening, dilatation of the portal vessels, right lobe atrophy and the endemicity level of the areas. No significant correlation between the left lobe hypertrophy and the endemicity level was observed. Taking into account the US findings of periportal thickening and/or splenomegaly, the patients were allocated in four groups according to the form of the disease. The hepatointestinal and hepatosplenic forms were more frequent in the high endemicity area, showing a significant association between the endemicity level and the disease severity. The maximum flow velocity in portal vein showed normal values in most cases. The hepatofugal flow, portal vein thrombosis and collateral vessels were infrequent and identified only in the area of high endemicity. The left gastric vein was the prevalent collateral. The hepatic veins flow pattern was abnormal in 1/4 of the cases, with significant relation to the presence and intensity of periportal thickening. The hepatic artery had no significant alterations in the evaluated parameters. The splenic artery changes (increase of its diameter, peak systolic velocity and resistive index) were more frequent in the high endemicity area and in the hepatosplenic form, with significant difference between the analysed groups. CONCLUSION: Doppler US proved to be feasible and appropriate for the evaluation of the SM hemodynamic changes in field-based studies. The morbidity signs detected by ultrasound are reliable parameters of the endemicity level of SM, and the functional information of the portal system obtained by Doppler US, contributes to a more accurate diagnosis of clinical forms of the disease in endemic areas
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
LeticiaAzeredo.pdf (19.67 Mbytes)
Data de Publicação
2010-03-02
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.