• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Disertación de Maestría
DOI
10.11606/D.5.2017.tde-07082017-100527
Documento
Autor
Nombre completo
Felipe Alves Retes
Dirección Electrónica
Instituto/Escuela/Facultad
Área de Conocimiento
Fecha de Defensa
Publicación
São Paulo, 2017
Director
Tribunal
Maluf Filho, Fauze (Presidente)
Libera Junior, Ermelindo Della
Ribeiro, Adriana Vaz Safatle
Título en portugués
Gastrostomia endoscópica em pacientes com neoplasia de cabeça e pescoço: comparação da técnica de introdução com gastropexia e técnica de tração
Palabras clave en portugués
Complicações pós-operatórias
Desnutrição
Endoscopia gastrointestinal
Gastrostomia
Neoplasias de cabeça e pescoço
Nutrição enteral
Resumen en portugués
Introdução: O câncer de cabeça e pescoço (CCP) ocupa mundialmente a sétima posição em incidência. Até dois terços dos pacientes com CCP podem apresentar disfagia já no diagnóstico da doença. A gastrostomia endoscópica percutânea (GEP) é, atualmente, o método de escolha para oferecer suporte nutricional por longo prazo. A técnica de tração é a mais utilizada por sua simplicidade e baixa morbidade. Entretanto, em pacientes com CCP, a presença de estenoses benignas ou malignas pode dificultar ou impedir a realização do procedimento, além de estar associada a maiores taxas de infecção local e implante tumoral para o sítio de punção da gastrostomia, quando comparada à técnica de introdução com gastropexia. Objetivo: Comparar as técnicas de GEP de tração e de introdução com gastropexia em pacientes com CCP. Métodos: Análise retrospectiva de banco de dados coletado prospectivamente, sobre pacientes com câncer de cabeça e pescoço submetidos à gastrostomia endoscópica percutânea. A técnica de tração foi realizada utilizando-se o kit de gastrostomia PEG 24® PULL METHOD (Cook Medical, Bloomington, Estados Unidos), enquanto a técnica de introdução com gastropexia foi realizada utilizando-se o kit de gastrostomia Freka® Pexact 15 (Fresenius-Kabi, BadHomburg, Alemanha). Resultados: 314 pacientes com câncer de cabeça e pescoço foram encaminhados para realização de GEP. O procedimento foi realizado com sucesso em 309 pacientes (98,4%), sendo 172 gastrostomias pela técnica de tração (GT) e 137 pela técnica de introdução (GI). Os dois grupos foram semelhantes em relação à idade, gênero, média dos níveis séricos de albumina e uso de anticoagulantes ou antiagregantes plaquetários. Os pacientes no GI, no entanto, apresentavam menor índice de Karnofsky (p=0,019) e maior presença de traqueostomia (p=0,003) e trismo (p < 0,001). A localização do tumor foi semelhante entre os dois grupos, no entanto, o estadiamento foi diferente. A maioria nos dois grupos apresentavam tumores estadio IV, entretanto alguns pacientes no grupo de tração apresentavam estadio I e II, enquanto no grupo de introdução não. A taxa total de complicações foi de 36,9%, sendo 5,8% maiores e 31,1% menores. As taxas de complicações imediatas e tardias foram de 6,5% e 30,4%, respectivamente. Não houve diferença estatisticamente significativa dessas taxas entre os dois grupos. Em relação às complicações isoladamente, as únicas que apresentaram diferença significativa foram sangramento menor no local da gastrostomia (p=0,006) e disfunção precoce da sonda (p=0,005), sendo ambas mais frequentes no grupo de introdução. Houve apenas um óbito relacionado ao procedimento, no GT. A mortalidade em 30 dias foi de 20,7%, semelhante entre os grupos. Conclusão: As duas técnicas de GEP apresentam altos índices de sucesso técnico em pacientes com CCP, porém com altos índices de complicações menores. A técnica de introdução com gastropexia apresenta risco aumentado de sangramento menor no local da gastrostomia e de disfunção precoce da sonda quando comparada à técnica de tração
Título en inglés
Endoscopic gastrostomy in patients with head and neck cancer: comparison of the pull and introducer with gastropexy techniques
Palabras clave en inglés
Endoscopy gastrointestinal
Enteral nutrition
Gastrostomy
Head and neck neoplasms
Malnutrition
Postoperative complications
Resumen en inglés
Background: Head and neck cancer (HNC) is the seventh most frequent neoplasm in the world. Up to two-thirds of HNC patients present with dysphagia at diagnosis. Gastrostomy is the method of choice to provide long term tube feeding in patients who are unable to swallow. Percutaneous endoscopic gastrostomy (PEG) with the pull technique is the preferred procedure due to its simplicity and low complication rate. However, in HNC patients, severe stenosis or trismus may preclude the passage of the endoscope and there is an increased infection and PEG site metastasis rates, when compared to the introducer technique. Aim: Compare the pull and introducer with gastropexy PEG techniques in patients with HNC. Methods: Retrospective analysis of a prospectively collected database of HNC patients who underwent PEG. The pull technique was performed with the PEG 24® PULL METHOD (Cook Medical, Bloomington, United States) kit, while the introducer with gastropexy technique was done with the Freka® Pexact 15 (Fresenius-Kabi, BadHomburg, Germany) kit. Results: 314 patients with HNC were sent to the endoscopy unit for PEG. The procedure was successful in 309 (98,4%) patients. The pull technique was employed in 172 patients (PG) while the introducer technique with gastropexy was used in 137 patients (IG). Both groups were similar regarding age, gender, albumin level and the use of anticoagulant or antiplatelet drugs. However patients in the IG had a lower Karnofsky status (p=0,019) and presented more frequently tracheostomy (p=0,003) and trismus (p < 0,001). Although the tumor location was similar in both groups, the staging was different. Most patients presented with stage IV disease in both groups, however in the PG there were more patients with stage I or II. Overall complication rate was 36,9%, with 5,8% of major complications and 31,1% of minor complications. Immediate and late complication rates were 6,5% and 30,4%, respectively. These complications rates were similar in both groups. When the complications were analyzed individually, the IG presented higher minor bleeding (p=0,006) and tube dysfunction (p=0,005) rates. There was only one death directly related to the PEG, in the PG. The 30-day mortality was 20,7%, similar in both groups. Conclusion: The two PEG techniques present high technical success rate in patients with head and neck cancer, however with high minor complications rates. The introducer with gastropexy technique presents higher minor bleeding and tube dysfunction rates when compared to the pull technique
 
ADVERTENCIA - La consulta de este documento queda condicionada a la aceptación de las siguientes condiciones de uso:
Este documento es únicamente para usos privados enmarcados en actividades de investigación y docencia. No se autoriza su reproducción con finalidades de lucro. Esta reserva de derechos afecta tanto los datos del documento como a sus contenidos. En la utilización o cita de partes del documento es obligado indicar el nombre de la persona autora.
FelipeAlvesRetes.pdf (13.82 Mbytes)
Fecha de Publicación
2017-08-07
 
ADVERTENCIA: Aprenda que son los trabajos derivados haciendo clic aquí.
Todos los derechos de la tesis/disertación pertenecen a los autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Tesis y Disertaciones de la USP. Copyright © 2001-2020. Todos los derechos reservados.